Newsletter Gratuita
Assine Aqui

Pessoas perfeccionistas: é algo bom ou ruim?

Categoria dos serviços do psicólogo: ansiedade
Pessoas perfeccionistas: é algo bom ou ruim?

O perfeccionista quer que tudo que ele faça seja perfeito: seu trabalho, provas, ações e práticas. A pessoa perfeccionista tem a convicção de que a perfeição é um único caminho para a aceitação pessoal e dos outros. Por isso, busca incessantemente os melhores resultados possíveis.

Geralmente, o perfeccionista tenta fazer o seu melhor para se proteger das críticas, da rejeição e da desaprovação do mundo. Para isso, ele cria para si diversas regras rígidas que definem como a sua vida deve ser conduzida.

É comum que o perfeccionista se baseie mais em suas próprias regras do que no que ele realmente gostaria ou desejaria fazer.

Segundo os psicólogos, o perfeccionismo tem muita relação com a nossa criação. Quando temos pais que agem dessa maneira, aprendemos isso e tendemos a levar essa busca pela perfeição também para as nossas vidas.

Perfeccionismo: lado bom e lado ruim

Essa busca constante pelos melhores resultados pode ter um impacto positivo na vida. Afinal, o perfeccionista costuma ser estudioso, determinado e dedicado.

Com isso, garante bons resultados no colégio, universidade e mercado de trabalho. Quando esse tipo de pessoa se desafia a algo, pode ter certeza que o resultado final será muito bom!

O problema é que, em alguns casos, o perfeccionismo passa do saudável e se torna uma obsessão. Então, quando a pessoa não atinge o padrão de perfeição que gostaria, acaba de sentindo frustrado, fraco e incapaz.

Também pode acontecer da pessoa perfeccionista viver com muito medo de errar e sofrer de ansiedade. Em casos assim, é fundamental a ajuda de um psicólogo, pois o perfeccionismo pode, inclusive, ser gatilho para doenças como pânico, ansiedade e depressão.

5 sinais de que o perfeccionismo passou do saudável

1. Medo constante

Quando a pessoa sente-se frequentemente com medo de que algo dê errado, saia do seu controle, ou decepcione os outros. É um grande medo de errar e de, por conta disso, ser rejeitado.

2. Pensamento extremista

Não existe um meio termo: ou foi tudo perfeito ou foi completamente horrível. O perfeccionista não consegue ver o lado bom das situações se um pequeno detalhe não sair conforme o esperado. Com isso, ele passa a se sentir desprezível, considerando-se um desastre total.

3. Frustrações

Valor Consulta Psicóloga Clarissa






Não quero informar nome ou e-mail





As frustrações fazem parte das nossas vidas e precisamos saber lidar com elas.

Quando o perfeccionismo passa do limite saudável, a pessoa não consegue aceitar seus erros e sente-se triste e culpado.

Também é comum que ela evite novos desafios ou situações diferentes, apenas pelo medo de que não dê certo e que, com isso, ela se frustre.

4. Opinião dos outros

O perfeccionista exagerado quer sempre saber o que os outros pensam de si e das suas ações. Além disso, ele não admite quando alguém não se satisfaz com alguma das suas tarefas e constantemente quer provar suas habilidades.

5. Autossabotagem

O medo de errar é tão grande que, para não ser surpreendido, o próprio perfeccionista faz com que isso aconteça. É uma maneira irracional de terminar com a ansiedade que o faz sofrer tanto.

Ajuda de um psicólogo

Quer receber mais conteúdos como esse?

Deixe seu e-mail abaixo e receba semanalmente conteúdos gratuitos
Politica de Privacidade
Não se preocupe, não fazemos spam.

O psicólogo é o profissional mais adequado para ajudar com as consequências do perfeccionismo.

Com a terapia, é possível compreender a origem dessas inseguranças, da busca incessante pela perfeição e aprovação dos outros. O psicólogo também ajuda a lidar com a cobrança, promovendo mudanças comportamentais e na maneira de pensar.

Quem leu esse texto também se interessou por:

  • Por que me sinto ansioso?

    Por que me sinto ansioso?
    Ansiedade está diretamente ligada às emoções. Às vezes, você pode não estar esperando necessariamente por algo, mas você se sente ansioso.
  • Estresse no trânsito

    Estresse no trânsito e psicologia
    Com a rotina do dia-a-dia, nada mais normal do que vivenciarmos situações desconfortáveis no trânsito. Saiba como lidar com o estresse no trânsito
  • Quando o corpo sente o que a cabeça cria

    Quando o corpo sente o que a cabeça cria
    Dores no corpo, na cabeça, mal-estar e outros, mas quais desconfortos físicos podem estar ligados simplesmente aos nossos pensamentos, medos e tristeza?

*Os textos do site são informativos e não substituem atendimentos realizados por profissionais.

Autor: Thaiana F. Brotto

CRP 06/106524 – São Paulo

FORMAÇÃO

Graduação em Psicologia pela PUC-PR em 2008. Pós-graduação em Terapia Comportamental pela USP. E pós-graduanda em Terapia Cognitiva Comportamental pelo ITC