Newsletter Gratuita
Assine Aqui

Pessoas perfeccionistas: é algo bom ou ruim?

Categoria dos serviços do psicólogo: ansiedade
Pessoas perfeccionistas: é algo bom ou ruim?

O perfeccionista quer que tudo que ele faça seja perfeito: seu trabalho, provas, ações e práticas. A pessoa perfeccionista tem a convicção de que a perfeição é um único caminho para a aceitação pessoal e dos outros. Por isso, busca incessantemente os melhores resultados possíveis.

Geralmente, o perfeccionista tenta fazer o seu melhor para se proteger das críticas, da rejeição e da desaprovação do mundo. Para isso, ele cria para si diversas regras rígidas que definem como a sua vida deve ser conduzida.

É comum que o perfeccionista se baseie mais em suas próprias regras do que no que ele realmente gostaria ou desejaria fazer.

Segundo os psicólogos, o perfeccionismo tem muita relação com a nossa criação. Quando temos pais que agem dessa maneira, aprendemos isso e tendemos a levar essa busca pela perfeição também para as nossas vidas.

Perfeccionismo: lado bom e lado ruim

Essa busca constante pelos melhores resultados pode ter um impacto positivo na vida. Afinal, o perfeccionista costuma ser estudioso, determinado e dedicado.

Com isso, garante bons resultados no colégio, universidade e mercado de trabalho. Quando esse tipo de pessoa se desafia a algo, pode ter certeza que o resultado final será muito bom!

O problema é que, em alguns casos, o perfeccionismo passa do saudável e se torna uma obsessão. Então, quando a pessoa não atinge o padrão de perfeição que gostaria, acaba de sentindo frustrado, fraco e incapaz.

Também pode acontecer da pessoa perfeccionista viver com muito medo de errar e sofrer de ansiedade. Em casos assim, é fundamental a ajuda de um psicólogo, pois o perfeccionismo pode, inclusive, ser gatilho para doenças como pânico, ansiedade e depressão.

5 sinais de que o perfeccionismo passou do saudável

1. Medo constante

Quando a pessoa sente-se frequentemente com medo de que algo dê errado, saia do seu controle, ou decepcione os outros. É um grande medo de errar e de, por conta disso, ser rejeitado.

2. Pensamento extremista

Não existe um meio termo: ou foi tudo perfeito ou foi completamente horrível. O perfeccionista não consegue ver o lado bom das situações se um pequeno detalhe não sair conforme o esperado. Com isso, ele passa a se sentir desprezível, considerando-se um desastre total.

3. Frustrações

Valor Consulta Psicóloga Marcela






Não quero informar nome ou e-mail





As frustrações fazem parte das nossas vidas e precisamos saber lidar com elas.

Quando o perfeccionismo passa do limite saudável, a pessoa não consegue aceitar seus erros e sente-se triste e culpado.

Também é comum que ela evite novos desafios ou situações diferentes, apenas pelo medo de que não dê certo e que, com isso, ela se frustre.

4. Opinião dos outros

O perfeccionista exagerado quer sempre saber o que os outros pensam de si e das suas ações. Além disso, ele não admite quando alguém não se satisfaz com alguma das suas tarefas e constantemente quer provar suas habilidades.

5. Autossabotagem

O medo de errar é tão grande que, para não ser surpreendido, o próprio perfeccionista faz com que isso aconteça. É uma maneira irracional de terminar com a ansiedade que o faz sofrer tanto.

Ajuda de um psicólogo

Quer receber mais conteúdos como esse?

Deixe seu e-mail abaixo e receba semanalmente conteúdos gratuitos
Politica de Privacidade
Não se preocupe, não fazemos spam.

O psicólogo é o profissional mais adequado para ajudar com as consequências do perfeccionismo.

Com a terapia, é possível compreender a origem dessas inseguranças, da busca incessante pela perfeição e aprovação dos outros. O psicólogo também ajuda a lidar com a cobrança, promovendo mudanças comportamentais e na maneira de pensar.

Quem leu esse texto também se interessou por:

*Os textos do site são informativos e não substituem atendimentos realizados por profissionais.

Autor: Thaiana F. Brotto

CRP 06/106524 – São Paulo

FORMAÇÃO

Graduação em Psicologia pela PUC-PR em 2008. Pós-graduação em Terapia Comportamental pela USP. E pós-graduanda em Terapia Cognitiva Comportamental pelo ITC