Sobre Psicóloga Thaiana F. Brotto

CRP 106524/06. CEO do consultório Psicologo e Terapia. Graduação em Psicologia pela PUC-PR em 2008. Pós-graduação em Terapia Comportamental pela USP. E pós-graduanda em Terapia Cognitiva Comportamental pelo ITC
Como a culpa afeta a saúde mental?

Todo mundo já sentiu culpa em algum momento da vida.

Talvez por ter se comportado mal em um momento específico, ou ter falado algo que não devia. Há quem também se sente culpado por não corresponder às expectativas de familiares ou por ter relacionamentos difíceis com parentes, algo considerado “errado” em nossa sociedade.

A culpa é um sentimento que pode ser muito benéfico quando administrado corretamente. Se ela não existisse, nunca saberíamos quando um erro foi cometido ou aprenderíamos a vencer o orgulho e pedir perdão quando necessário.

Continue lendo
A importância dos grupos de afinidade para a saúde mental

Os humanos são seres gregários, ou seja, eles somente existem graças aos seus relacionamentos interpessoais. Desde o nascimento, nós participamos de diferentes grupos sociais: família, escola, vizinhos, amigos, trabalho, entre outros. Buscamos elementos os quais podemos nos identificar em cada um deles, bem como um pedaço de nossa identidade.

Por isso, é importante aprender a conviver em sociedade e estabelecer vínculos significativos apesar da diferença de opiniões e personalidades. Laços sociais tóxicos reduzem a autoestima, abalam a autoimagem e dificultam o estabelecimento de outras relações.

Continue lendo
10 características de pessoas egocêntricas

Como o próprio termo aponta, o egocêntrico possui o foco centrado em si mesmo. Por essa razão, é insensível, não considera opiniões alheias e transforma quase toda situação em um espetáculo cujo protagonista é ele. Sendo assim, conviver com uma personalidade egocêntrica é um tanto desafiador.

O que é egocentrismo?

O egocentrismo é definido como um conjunto de ações e de comportamentos expresso por indivíduos que pensam demasiadamente em si mesmos. Quando alguém sempre se coloca no centro das atenções, se diz que essa pessoa é egocêntrica.

Continue lendo
Comparações podem destruir a autoestima

As comparações são o caminho para a infelicidade. Além de ser um hábito inútil, ele destrói a autoestima das pessoas.

No mundo atual, comparar-se com terceiros está se tornando cada vez mais comum. As redes sociais incentivaram essa mania ao colocar em evidência vislumbres do sucesso alheio. É preciso ter inteligência emocional para cessar as comparações e ter segurança em si mesmo.

Continue lendo
Como identificar um mentiroso patológico

Todo mundo já contou uma mentirinha. As famosas “mentiras brancas” dizem respeito as inverdades que contamos visando aliviar o sofrimento alheio, evitar a preocupação de alguém querido ou inventar uma desculpa para ficar em casa em vez de sair com os amigos.

É claro que o ideal é sempre ser honesto, mas às vezes as pessoas recorrem às mentiras brancas para não terem conversas difíceis. Essas mentiras são ditas sem intenção ruim, embora possam magoar o outro.

Continue lendo
Autorrealização: por que é tão difícil alcançá-la?

Parece que as melhores coisas da vida demoram tanto para acontecer, não é? Você passa anos sonhando com um romance de tirar o fôlego, com o emprego perfeito e uma dezena de pequenas realizações em outras áreas da vida. Mas por que às vezes parece que os seus ideais nunca se tornarão realidade?

É possível fazer alguma coisa para mudar essa situação? Neste post, você compreenderá tudo sobre a autorrealização e os desafios encontrados pelo caminho.

Continue lendo
Autoaceitação: como se aceitar e viver em paz consigo mesmo

O que significa autoaceitação? Esse termo pode ser confundido com amor-próprio e autoestima devido às suas semelhanças.

Apesar de estar conectado a ambos, aceitar a si mesmo é abraçar tudo o que você é. Pensamentos, emoções, falas, ações, traços de personalidades, qualidades e defeitos… Quem se aceita por completo, está em paz com esses elementos.

Consequentemente, possui autoestima elevada e amor por si mesmo. A autoconfiança e a autoimagem também estão diretamente ligadas ao nível de autoaceitação.

Continue lendo
10 habilidades para desenvolver e ter sucesso profissional

O sucesso profissional já não depende somente do conhecimento técnico. Ele ainda é muito valioso, é claro. A economia não sobreviveria sem os profissionais graduados em instituições de ensino superior ou cursos técnicos.

Todavia, a formação está deixando – e a tendência é continuar assim – de ser o aspecto mais importante do perfil profissional.

Já existem habilidades tão valorizadas quanto à competência técnica, as quais levam ao crescimento profissional e o reconhecimento dentro da empresa.

Continue lendo
Vida equilibrada: 10 hábitos saudáveis para cultivar

Uma vida equilibrada vai além do cultivo dos hábitos saudáveis que já estamos cansados de saber, como ter uma boa alimentação e praticar exercícios físicos.

É preciso escolher levar um estilo de vida mais leve e sadio para a saúde mental, mesmo que isso signifique modificar drasticamente costumes e atitudes.

A importância de uma vida equilibrada

Ter uma vida equilibrada na atualidade é um desafio. O estresse, as notícias negativas, o estado da economia, os rumores da vizinhança, a criminalidade, entre muitos outros, são fatores que buscam tirar o nosso sossego.

Continue lendo
Quando a autocrítica é necessária?

Você tem o hábito de autocriticar? Muitas pessoas se beneficiam da avaliação do seu próprio comportamento enquanto outras utilizam a autocrítica de maneira destrutiva. Mas como saber quando ela já deixou de servir o seu propósito?

As pessoas geralmente não escolhem se criticar negativamente de propósito. Quando isso acontece, elas acreditam, de fato, merecer tais críticas e julgamentos. O considerado desagradável por outros é visto como uma verdade indiscutível por elas.

Psicólogos encorajam a autocrítica e autorreflexão. Esses artifícios ajudam a eliminar fatores negativos da vida das pessoas, estando esses relacionados às suas personalidades ou não. Porém, devem ser motivadas por objetos positivos. Caso contrário, podem abrir caminho para a depressão e outras condições psicológicas.

Continue lendo

Para psicólogos, ferramentas como testes e questionários auxiliam no processo terapêutico para mensurar a evolução do paciente com sintomas de depressão, ansiedade e estresse. Estes testes podem fornecer informações sobre níveis de instabilidade emocional, além de ajudarem o próprio paciente a entender o que está sentindo.

No entanto, existe um teste específico que mede o grau desses sintomas e emoções e que pode ser aplicado por qualquer pessoa. O teste chama-se DASS-21 (abreviação para Depression, Anxiety and Stress) e possui 21 perguntas (por essa razão o nome) e foi criado por estudantes de Psicologia da Universidade de New South Wales, na Austrália. É um teste de domínio público que pode ter a sua versão original acessada neste site.

O seu objetivo inicial era avaliar o grau e a intensidade dos sintomas da depressão e da ansiedade em indivíduos diagnosticados e não diagnosticados clinicamente, bem como, o grau de estresse de ambos os grupos.

Faça o teste agora!

O teste tem sido amplamente utilizado em pesquisas clínicas e não-clínicas e mostrou obter resultados confiáveis.

No Brasil, o teste foi aplicado em adultos, idosos e adolescentes para investigar a sua confiabilidade. Segundo este estudo, estudantes também responderam ao questionário por serem considerados vulneráveis a questões emocionais como depressão, ansiedade e estresse.

Por que fazer o teste?

O teste DASS-21 foi desenvolvido para definir e compreender o grau dos sintomas de depressão, ansiedade e estresse nos indivíduos, em especial às pessoas que possuem dificuldade em entender ou expressar a maneira como se sentem.

Se nos últimos dias ou meses você tem se sentido angustiado (a), inseguro (a) e/ou sobrecarregado (a), entre outros sintomas, e não entende de onde estão vindo ou o que são esses sentimentos e sensações, o teste auxiliará nessa resposta e ajudará a compreender o que pode estar acontecendo emocionalmente com você.

O teste é feito em escalas, cada uma dessas escalas possui sete itens, divididos em subescalas com itens mais específicos. É necessário responde-lo com clareza para a obtenção de resultados confiáveis. O participante precisará selecionar a intensidade dos sentimentos experienciados na última semana (ou seja, nos sete últimos dias anteriores à realização do teste).

Ele auxilia na compressão do que o indivíduo sente naquele momento e pode indicar, em alguns casos, a necessidade de buscar o auxílio de um psicólogo para dar início a um processo terapêutico.

Posso considerar o teste DASS-21 como um diagnóstico?

O teste DASS-21 NÃO substitui o diagnóstico clínico de um psicólogo ou médico psiquiatra. Ele apenas auxilia nas considerações do que o indivíduo está sentindo e o grau de intensidade dessas emoções e sentimentos. Para determinar qualquer diagnóstico, é imprescindível buscar a ajuda de um profissional capacitado para receber as orientações necessárias.

Instruções

Leia cuidadosamente cada uma das perguntas e responda considerando o que você sentiu apenas nos últimos sete dias (na última semana).

As respostas sempre serão uma das seguintes opções:

  1. Não se aplicou de maneira alguma
  2. Aplicou-se em algum grau ou por pouco tempo
  3. Aplicou-se em um grau considerável ou por uma boa parte de tempo
  4. Aplicou-se em grau elevado ou na maioria do tempo

O teste

01. Achei difícil me acalmar
02. Senti minha boca seca
03. Não consegui vivenciar nenhum sentimento positivo
04. Senti falta de ar em alguns momentos, mesmo sem ter feito nenhum esforço físico
05. Achei difícil ter iniciativa para fazer as coisas
06. Tive a tendência de reagir de forma exagerada às situações
07. Senti tremores (ex. nas mãos)
08. Senti que estava sempre nervoso (a)
09. Preocupei-me com situações em que eu pudesse entrar em pânico e parecesse ridículo (a)
10. Senti que não tinha nada a esperar do futuro
11. Senti-me agitado (a)
12. Achei difícil relaxar
13. Senti-me depressivo (a) e sem ânimo
14. Fui intolerante com as coisas que me impediam de continuar o que eu estava fazendo
15. Senti que ia entrar em pânico
16. Não consegui me entusiasmar com nada
17. Senti que não tinha valor como pessoa
18. Senti que estava um pouco emotivo(a)/sensível demais
19. Sabia que meu coração estava alterado mesmo não tendo feito nenhum esforço físico (ex. aumento da frequência cardíaca, disritmia cardíaca)
20. Senti medo sem motivo
21. Senti que a vida não tinha sentido

Temp result depressao:

Temp result ansiedade:

Temp result estresse:

Temp Qts Respondidas:

Quem leu esse texto também se interessou por:

  • Ansiedade

    Ansiedade Psicólogos
    Psicólogos especialistas em ansiedade. Conheça os psicólogos que tratam ansiedade, leia dezenas de artigos e marque sua consulta pelo site
  • Estresse

    Estresse e Psicologia
    Você se sente estressado com frequência ? É importante saber que o estresse é um problema que deve ser levado a sério. Os sintomas, que incluem efeitos físicos e emocionais, podem comprometer a sua qualidade de vida.
  • Depressão: um guia completo desde os sinais, sintomas até o tratamento

    Depressão Psicólogos
    Psicólogos especialistas em depressão em São Paulo. Conheça os psicólogos que tratam depressão, leia dezenas de artigos e marque sua consulta pelo site
Você é o seu pior algoz?

Como você se trata? Com amor ou com rigidez?

Não é difícil cair na armadilha da falta de amor-próprio e se tornar o seu pior algoz. Embora algumas pessoas tenham tendência natural a isso devido à mentalidade pessimista, todos nós podemos começar a alimentar pensamentos autodestrutivos em algum momento da vida.

Como a tendência é se acostumar com os próprios comportamentos, sejam esses bons ou maus, você pode não ter percebido que é o seu pior inimigo.

Na verdade, você pode querer atribuir o seu mal-estar psicólogo a outras pessoas, a acontecimentos ou qualquer outro elemento externo, sem perceber que a fonte do seu sofrimento é interior.

Continue lendo
Ano novo, vida nova: como fazer resoluções que se concretizam

O Ano-novo é um momento de transformação. É comum ocorrerem reflexões sobre as experiências vividas no ano que passou e a definição de resoluções para o próximo.

As metas da virada do ano acompanham o clima de “metamorfose” das festividades, onde deixamos para trás o velho “eu” e abrimos espaço para o novo “eu”.

Continue lendo
Será que você tem mania de controle?

“Mania de controle” é o termo popularmente usado para descrever hábitos controladores de pessoas que têm necessidade de ordenar tudo.

O controle não está somente relacionado à organização de objetos pessoais ou de cômodos da casa. Segundo psicólogos, ele também exerce influência sobre os relacionamentos e o estado de humor.

Continue lendo
Como enfrentar pressões sociais e ser você mesmo

Você já deixou de fazer algo por causa de outras pessoas? Ou por que o que você quer não está de acordo com as expectativas alheias? As pressões sociais podem fazê-lo mudar as suas escolhas e objetivos de vida para se encaixar em padrões pré-estabelecidos por terceiros.

As pessoas são ensinadas a viver de acordo com a cultura predominante na sociedade e no ambiente familiar. Alguns ensinamentos podem entrar em conflito com as crenças, opiniões e aspirações construídas conforme as experiências de vida de cada indivíduo. Assim, originam-se conflitos internos e sofrimentos variados, os quais podem interferir em suas escolhas. 

Continue lendo
Será que você vive em negação?

Quase todo mundo já enfrentou situações desconfortáveis ou traumáticas. Para se proteger contra a sobrecarga de emoções causada por elas, as pessoas fazem de tudo para esquecer memórias e lutar contra sentimentos. É assim que entram em negação.

Esse estado de rejeição da realidade tende a ser reconfortante. É fácil nos aconchegarmos nele e vivermos assim, sem aceitar o presente ou as condições extenuantes do trauma. Entretanto, o confortável nem sempre é o mais correto, especialmente quando o assunto é emoções. 

Continue lendo
Dicas para estabelecer metas realistas e alcançar objetivos

Estabelecer objetivos é fácil. Você só precisa escrever uma série de aspirações que deseja conquistar algum dia. Pode sonhar e imaginar os cenários mais absurdos à vontade. As partes difíceis são a definição de metas alcançáveis e a realização dos movimentos de mudança necessários para cumpri-las.

É geralmente nessa etapa que as pessoas empacam. Dependendo da meta estabelecida, podem permanecer meses ou anos tentando avançar para a próxima.

Continue lendo
Irritado sem motivo? Pode ser um sinal de depressão!

A irritabilidade persegue você?

É verdade que, às vezes, o mundo parece não fazer sentido. As notícias ruins não tem fim, sejam na TV, no trabalho ou proferidas por uma vizinha. Fatores que antes você não dava importância agora o tiram do sério, como o trânsito, a fila para usar o caixa eletrônico, a conversa fiada dos seus colegas de trabalho, e até o alto astral de um desconhecido. Afinal, como alguém consegue ser tão feliz?

Qualquer palavra ou atitude de terceiros, por mais simples que seja, é o suficiente para causar uma explosão de irritação em seu interior. Assim que a raiva passa, no entanto, você se questiona porque reagiu daquela maneira e sente remorso por ter sido grosseiro.

Continue lendo