Meu filho quer sair de casa. E agora?

Meu filho quer sair de casa

Qualquer pessoa que tenha filhos concorda em um aspecto: o tempo passa muito rápido e eles crescem num piscar de olhos. O tempo faz com que os filhos passem por mudanças intensas rumo à independência até que modificam profundamente sua relação com os pais. Num dia, são totalmente dependentes afetiva, emocional e financeiramente. No outro, querem seguir seus caminhos de forma autônoma e livre.

Um dos momentos que marca esta mudança é quando um filho quer sair de casa – especialmente quando todos já saíram e último decide que também é hora de ir. Muitos pais têm dificuldade de lidar com a situação, que pode gerar o que a psicologia chama de “síndrome do ninho vazio”. Veja mais sobre o assunto no artigo.

Como lidar com a saída de um filho de casa

É inevitável: algum dia os filhos vão querer sair de casa e, por mais apegados que sejam os pais, vai ser necessário saber lidar com isso. No entanto, quando o assunto não é tratado da melhor maneira, alguns pais podem vir a sofrer com a “síndrome do ninho vazio”, uma condição que gera um quadro de depressão e sensação de vazio existencial decorrente da partida dos filhos.

Um dos motivos que causam este quadro é a mudança de rotina na organização familiar. De repente, toda a organização do dia a dia da família muda, a casa se torna mais silenciosa e as preocupações também são revistas. É quase como se uma peça do quebra-cabeça estivesse faltando ou, subitamente, não se encaixasse mais.

Por mais difícil que seja, o primeiro passo para lidar com a situação é aceitar que esta é uma fase natural da vida, que faz parte do ciclo. Também é natural que nos primeiros dias ou semanas bata uma leve tristeza, saudade e que a preocupação com o bem-estar dos filhos, que agora moram em outro lugar, seja maior. No entanto, com o tempo, a situação se acalma, a nova rotina passa a ser incorporada e a vida segue. A síndrome do ninho vazio é assim: tem que ter hora para começar e para acabar.

Quando a tristeza da partida não passa

Quando a tristeza não passa e os dias continuam escuros depois de muito tempo depois da partida dos filhos é preciso prestar atenção aos alertas da nossa mente e procurar ajuda. Quando a síndrome do ninho vazio permanece por muito tempo, os pais podem se ver sem objetivos, com uma tristeza persistente, excesso de preocupação com os filhos e dificuldade de se desprender. Tudo isso gera problemas psicológicos de maior intensidade, que podem se tornar difíceis de lidar no longo prazo, como depressão profunda e ansiedade.

Como lidar com a saída dos filhos?

1 – Prepare-se para a saída

Uma das formas de evitar as grandes mudanças na rotina por causa da saída de um filho de casa é se preparar para ela e deixar que o processo aconteça de forma gradual. Se o filho vai se mudar para outro lugar na mesma cidade, por exemplo, a mudança pode ser feita em partes. Esta transição torna o processo mais fácil para as duas partes.

Quando isto não é possível, no entanto, há a possibilidade de alterar a rotina já antes do filho sair de casa. Quando um adolescente se prepara para mudar para outra cidade para fazer faculdade, por exemplo, os pais já podem adquirir novos hábitos e atividades extras antes da partida, tentando trazer mais independência a sua própria rotina mesmo quando o filho ainda vive em casa.

2 – Encontre formas de preencher o tempo

É normal que os pais que sofrem mais com a partida dos filhos sejam aqueles que dedicaram a vida para cuidar deles, tendo aberto mão de carreira e do trabalho para este fim. Uma forma eficiente de lidar com este momento é procurando formas de ocupar seu novo tempo livre, seja com um emprego, com atividades de lazer ou outras que deem um novo propósito na vida.

3 – Conheça seus limites

Neste caso, é importante lembrar que a individualidade e autonomia do filho precisa ser respeitada. e que, agora que ele saiu de casa, é fundamental soltar as rédeas, evitando controlá-lo demais. Este passo é essencial para seu desenvolvimento e crescimento nesta nova fase da vida.

4 – Procure ajuda de um psicólogo

Quando a situação foge do controle, os dias parecem não ter fim e há uma sensação de falta de propósito permanente após a partida de um filho de casa, é aconselhável que os pais busquem ajuda de um psicólogo para lidar com a situação da forma mais apropriada. Um profissional de psicologia é capacitado para ajudar a encontrar a raiz do problema, trazendo uma resolução de forma mais rápida e evitando sofrimentos desnecessários.

    Autora: Thaiana Brotto (Psicóloga CRP 06/106524)

    *Os textos do site são informativos e não substituem atendimentos realizados por profissionais.