Alcoolismo e a família: dicas para enfrentar a doença de alguém próximo

Categoria dos serviços do psicólogo: ajuda emocional
Alcoolismo e a família

Quando alguém está passando por problemas psicológicos, não é só essa pessoa quem sofre. A família, os amigos e todos que convivem com ela passam pelo mau momento de forma conjunta, dividindo as dificuldades. Por isso, é importante saber como lidar com a situação e ajudar a quem está passando por esse problema da melhor maneira possível.

Como ajudar pessoas que enfrentam o alcoolismo

Antes de tudo, é importante ter certeza de que a pessoa possui mesmo um problema com o abuso de álcool. O alcoolismo é mais do que apenas beber muito e com frequência: é uma dependência física e psicológica da substância. Quando se encontram nesta situação, o apoio de familiares e amigos é essencial para que possam superá-la. Mas como você pode ajudar?

1 – Permita que eles sintam as consequências do alcoolismo

Ajudar a aliviar os problemas causados pelo alcoolismo é uma forma de fazer com que quem tem o vício não perceba que suas ações motivadas pelo álcool têm consequências. Se a pessoa bebeu muito e não conseguiu acordar para ir trabalhar no dia seguinte, por exemplo, deixe-a. É importante que ela seja responsabilizada por seus atos e perceba que eles têm resultados danosos.

Se você estiver procurando psicólogo em São Paulo, para buscar ajuda emocional, então conheça os psicólogos que prestam serviços de psicologia no nosso consultório, veja o valor das sessões e agende sua consulta aqui mesmo pelo site.

2 – Não force o tratamento no início

Não adianta forçar alguém que não quer ser tratado a ir para uma clínica de reabilitação. Insistir que a pessoa se trate sem que essa vontade parta dela é a última opção e pode acabar sendo uma perda de tempo e de dinheiro em muitos casos. Tudo que você pode fazer, em um primeiro momento, é oferecer ajuda, sugerir que o tratamento pode ser benéfico e deixar que suas sugestões sejam aceitas ou não. Os diálogos podem até se tornar discussões duras e sinceras, mas não pressione demais logo no início.

3 – Envolva mais pessoas no problema

Se mais amigos próximos e familiares estiverem empenhados em ajudar, é possível que a pessoa ouça mais, comece a dar maior importância para a questão, reconheça o vício e aceite um tratamento. No entanto, é fundamental saber conversar sem julgar, sem criticar, no lugar e momento certos. Consultar um psicólogo é de extrema importância também para orientar sobre qual é a melhor abordagem a ser usada.

4 – Não se torne um codependente

Procure entender a dificuldade pela qual a pessoa está passando sem deixar que ela tome conta da sua vida a ponto de isso afetar o seu bem-estar. Seja compreensivo, pesquise sobre as condições de um alcoólatra e as formas de ajudar, mas não se deixe levar por comportamentos manipuladores. Saiba até que ponto você deve se envolver: quando começar a afetar sua própria vida, é preciso reavaliar suas ações e, na medida do possível, afastar-se um pouco a fim de que você possa reencontrar força e equilíbrio suficientes para ajudar novamente. Essa atitude é extremamente difícil quando o dependente é alguém próximo, mas, acredite, é um comportamento necessário para você melhor auxiliar aquele que está doente.

5 – Tome conta de si mesmo

A pessoa que mais tem contato com o alcoólatra e que divide com ele seus problemas todos os dias também poderá enfrentar momentos difíceis, que deixam a rotina mais pesada. Se começar a se sentir estressado, irritado ou deprimido busque ajuda de um psicólogo. Ele saberá te orientar sobre a melhor forma de lidar com a situação.

Outros textos que podem lhe interessar

Autora: Thaiana Brotto (Psicóloga CRP 06/106524)

*Os textos do site são informativos e não substituem atendimentos realizados por profissionais.