Newsletter Gratuita
Assine Aqui

A descoberta de uma doença grave ou crônica

A descoberta de uma doença grave ou crônica

Estar diante de um diagnóstico de uma doença grave ou crônica é algo que ninguém quer pensar. Já recebeu uma notícia dessas sobre você mesmo ou sobre algum ente querido ou amigo próximo?

Estar pronto para receber a má notícia é muito pesado, mesmo para a pessoa mais forte. Por conta disso, a presença de um psicólogo nesse processo pode ajudar muito.

Depois do choque inicial, muitas vezes surge uma enxurrada de emoções: mistura de negação, frustração, raiva e tristeza. Com tantos sentimentos em destaque, é comum desenvolver um quadro depressivo.

Para administrar com equilíbrio esta fase da descoberta de uma doença grave ou crônica e passar a conviver com esta nova realidade da melhor forma possível, procure o apoio profissional de um psicólogo.

Ele vai te ajudar a lidar com a notícia de um diagnóstico difícil para você ou sua família e a encontrar maneiras para processar seus sentimentos.

Como ajudar familiares e amigos a enfrentar uma doença grave

Se você tiver um ente querido enfrentando um diagnóstico sério, a melhor coisa que você pode fazer, em um primeiro momento, é simplesmente ouvi-lo com atenção.

Você não deve esperar já conseguir dar algum conselho profundo, que vai fazer a pessoa amada se sentir melhor logo de cara.

Deixa-a desabafar com você e seja um “ouvido simpático”. Às vezes, não há nada que possa dizer para fazê-la se sentir mais confortável e corajosa.

Além de ouvir, você pode ajudar seu ente querido a se sentir habilitado, participando da pesquisa sobre as opções de tratamento para a sua condição e encorajando-o a fazer as coisas que gosta de fazer.

Ajude-o fisicamente, também, caso a pessoa precise de assistência para se locomover, por exemplo.

Técnicas que aliviam a tensão

Se a depressão se instala por causa de um diagnóstico, pode ser comum para uma pessoa se retirar de cena e se isolar dos outros, diminuindo assim a sua qualidade de vida.

Por isso, é fundamental que o paciente continue a passar o tempo com as pessoas que ama e continuar realizando as atividades que sempre fez e gosta de fazer.

A pessoa não pode parar de cuidar de si mesma. Portanto, é recomendável fazer exercícios físicos, meditação ou orar (para quem é religioso). São técnicas que aliviam a tensão e a ansiedade.

As dificuldades enfrentadas pelo impacto da doença são inúmeras, podendo alterar rotina, hábitos e comportamentos da pessoa. Outro aspecto difícil é a adaptação aos medicamentos, que geralmente são fortes e têm efeitos colaterais.

Ter apoio psicológico é fundamental em caso de depressão causada por um diagnóstico

Como Escolher seu Psicólogo

Nesse guia completo você vai conhecer tudo sobre psicólogos e psicoterapia. A escolha do psicólogo certo para você envolve diversos fatores. Descubra aqui.

COMO ESCOLHER O SEU PSICÓLOGO

É importante não apenas ter o apoio da família e dos amigos, mas de um psicólogo de confiança, que atue logo após o diagnóstico. Consultar um terapeuta profissional ou participar de terapia em grupo pode ajudar.

Conversar e fornecer suporte para outras pessoas que tenham passado ou estejam passando por doenças similares são uma grande ajuda para qualquer um que atravessa uma grave enfermidade, como câncer ou esclerose múltipla, por exemplo.

Mesmo se você tem um forte grupo de familiares e amigos para apoiá-lo, a ajuda de um psicólogo é necessária e também aconselhável para os membros da família que lidam com a doença de um ente querido.

Quem leu esse texto também se interessou por:

  • Confiança e Autoconfiança

    Confiança
    Confiança é algo bastante complexo, mas a sensação de que não se pode mais confiar em ninguém aumenta em tempos de crise moral e as vezes um psicólogo é necessário.
  • Por que querer agradar todo mundo?

    Querer agradar todo mundo: perspectiva da psicologia
    Quando o fato de querer agradar todo mundo passa a ser um problema? Quando esse ato não é espontâneo e se torna uma obrigação. Entenda o que dizem os psicólogos.
  • Aprendendo a dialogar

    Aprendendo a dialogar
    Você já percebeu que a consulta com o psicólogo normalmente se baseia no diálogo ? Conseguir, de fato, ouvir o ponto de vista do outro, levar tudo o que é dito em consideração, ponderar sobre o assunto e expor as suas ideias com respeito e clareza são qualidades cada vez mais raras de se encontrar atualmente.

*Os textos do site são informativos e não substituem atendimentos realizados por profissionais.

Autor: Thaiana F. Brotto

CRP 06/106524 – São Paulo

FORMAÇÃO

Graduação em Psicologia pela PUC-PR em 2008. Pós-graduação em Terapia Comportamental pela USP. E pós-graduanda em Terapia Cognitiva Comportamental pelo ITC