Nós nascemos com autoestima?

Categoria dos serviços do psicólogo: ajuda emocional
Nós nascemos com autoestima?

Autoestima é uma daquelas palavrinhas que muito ouvimos quando o assunto é o cuidado que devemos ter conosco, com os nossos sentimentos e emoções. Mas o que vem a ser, de fato, a autoestima? Quais razões influenciam para que a autoestima seja baixa ou alta e por que ela é tão importante pra gente? Será que nós já nascemos com ela ou desenvolvemos a autoestima no decorrer da vida? Todas essas questões podem ser tratadas a fundo com a ajuda de um psicólogo e serão abordadas neste artigo. Confira!

O que significa autoestima?

Autoestima é a capacidade que temos de valorizar ou não a nossa identidade, se estamos satisfeitos com o que somos, se confiamos em nós mesmos e se reconhecemos o nosso valor. Para a Psicologia, a autoestima é a avaliação subjetiva que cada um faz de si, das suas características emocionais e comportamentais.

Se você estiver procurando psicólogo em São Paulo, para buscar ajuda emocional, então conheça os psicólogos que prestam serviços de psicologia no nosso consultório, veja o valor das sessões e agende sua consulta aqui mesmo pelo site.

Respondendo à pergunta do título deste texto, os psicólogos acreditam que não nascemos com um grau de autoestima pré-determinado. Nós a desenvolvemos desde a infância, conforme recebemos elogios e somos reconhecidos por nossos pais a cada conquista que alcançamos. O fato de sermos aceitos e queridos contribui para a elevação da nossa autoestima.

Da mesma forma, quando somos punidos ou desmerecidos e colocados de lado, a nossa confiança diminui e, consequentemente, acabamos prejudicando o nível da nossa autoestima.

Como desenvolver a autoestima?

A autoestima possibilita que tenhamos mais consciência da nossa essência, ampliando o nosso autoconhecimento e fazendo com que nos sintamos independentes, amados pelos outros e por nós mesmos. Desta forma, é muito importante aprendermos a desenvolver a nossa autoestima.

Já citamos que a participação dos pais é de suma importância no desenvolvimento da autoestima desde a infância. Porém, a autoestima é estimulada não somente neste período, mas ao longo de toda a nossa vida.

À medida em que nos sentimos amados e reconhecidos pelos outros, passamos a nos amar também e, assim, elevamos a nossa autoestima.

Como elevar a autoestima?

A autoestima não provém somente da aceitação por parte dos outros. É necessário que, a partir de nossas experiências positivas, possamos reconhecer o que fazemos bem, o que nos torna mais bonitos, aguça nossas qualidades e nos satisfaz. Ao desenvolver o que temos de melhor, a nossa autoestima passa a ser elevada.

Por outro lado, existe também a baixa autoestima, que ocorre quando somos rejeitados, desvalorizados ou não gostamos de nós mesmos.

Infelizmente são muitos os casos de pessoas com baixa autoestima. Em alguns deles, a questão é tão complicada que pode levar a um quadro de depressão. Para evitar este quadro, a intervenção de um psicólogo é bem-vinda e pode ajudar muito a resolver o problema.

Psicologia e autoestima

A terapia com um psicólogo contribui muito nos casos de baixa autoestima. Durante o processo, o profissional irá tratar os seguintes aspectos:

Fortalecimento dos comportamentos positivos: a partir do relato de algo positivo que ocorreu com o paciente, o psicólogo deve reconhecer e valorizar o fato;

Desenvolvimento da iniciativa e proatividade: desenvolver no paciente a consciência de que ele é capaz de tomar as decisões e realizar seus desejos;

Favorecimento da positividade: levar o paciente a ter sentimentos de bem-estar, satisfação, realização e felicidade.

Durante a terapia, o paciente vai se conscientizando de que é, sim, diferente dos outros, mas que isto não é um problema e a partir daí poderá conquistar sua independência, ou seja, não será mais dependente do amor e da aceitação dos outros, saberá se reconhecer e amar por aquilo que é. A autoestima deve ser sempre trabalhada e desenvolvida para que tenhamos relacionamentos saudáveis e, enfim, fiquemos satisfeitos.

Outros textos que podem lhe interessar

Autora: Thaiana Brotto (Psicóloga CRP 06/106524)

*Os textos do site são informativos e não substituem atendimentos realizados por profissionais.