Como saber se preciso de terapia?

Categoria dos serviços do psicólogo: psicoterapia
Como saber se preciso de terapia

Emoções à flor da pele

Situações de nervosismo, tristeza e raiva acontecem com todos e é perfeitamente normal. O problema é quando as reações são intensas e desproporcionais ao motivo. Expectativas transformadas em realidade que não se concluíram podem gerar sentimento de impotência, ansiedade e pessimismo – sem que eles se justifiquem, pois nada mais normal que algo que esperávamos não acontecer, certo? Mas para algumas pessoas isso pode ser paralisante, levar a ataques de pânico e até mesmo deixar de fazer as coisas.

Os problemas são sempre os mesmos

Imagine que uma briga com o namorado(a) pôs tudo a perder, numa noite que era para ser deliciosa. E o pior: você já viu essa cena outras vezes. Tanto faz se foi o homem ou a mulher quem ocasionou a discussão, a questão é que ambos podem adquirir ferramentas para lidar com essas situações. E quem pode proporcioná-las é o psicólogo. A briga pode ser entre marido e mulher, no emprego, entre amigos, na família…não deixe que isso acabe com seus relacionamentos e, se for de sua vontade, procure a ajuda de um terapeuta. Comece conversando com o psicólogo apenas ao telefone e tire suas dúvidas iniciais.

Se você estiver procurando psicólogo em São Paulo para realizar psicoterapia, então conheça os psicólogos que prestam serviços de psicologia no nosso consultório, veja o valor das sessões e agende sua consulta aqui mesmo pelo site.

Dores físicas frequentes

As emoções podem afetar nossa saúde física, sim. Diversas pesquisas já comprovaram que o estresse crônico pode se manifestar através de dores musculares, abdominais e estomacais, queda do sistema imunológico (gripes, resfriados e outras doenças), redução do apetite sexual, queda de cabelo, fragilidade das unhas, emagrecimento ou ganho de peso, etc. E por que deixar piorar para se tornar algo mais grave?

Uso de álcool e drogas para acalmar

Já reparou se, para relaxar, você precisa ingerir uma ou duas doses de álcool? Ou ainda recorrer a outas drogas lícitas, como o cigarro, ou ilícitas? Quando o uso dessas substâncias saem fora do comum e passam a atrapalhar sua vida, talvez seja hora de identificar o porquê disso tudo. Querer se entorpecer para “relaxar”, “esquecer” ou “descontrair” não deve ser encarado como uma atitude natural – algumas vezes essa atitude pode vir a tornar-se alcoolismo. Além disso, o indivíduo pode não recorrer ao álcool nem a drogas e, sim, à comida. Comer demais ou comer de menos também pode ser um sinal de que algo não vai bem.

Traumas

A perda de um ente querido, de um emprego ou de qualquer coisa que lhe era de muito valor pode desencadear uma situação chamada de estresse pós-traumático. Se após o acontecimento você prefere se resguardar por uns dias, não há problema. Mas se esse distanciamento começa a afetar seus relacionamentos, sua vida social e seu rendimento no emprego, talvez seja hora de procurar ajuda.

Queda do rendimento no emprego

Passamos a maior parte do nosso dia dedicados ao nosso trabalho e emprego. Antes você era muito elogiado por seu desempenho nas atividades diárias e era muito satisfeito por realizá-las e hoje já não sente mais motivação ou não recebe tantos feedbacks? Essas questões podem denunciar algum problema emocional ou psicológico que afetam a concentração e a atenção. Procure ajuda de um terapeuta para buscar os motivos que o fazem se sentir assim.

Não consegue definir o “querer”

Durante a terapia, o profissional vai ajudá-lo a buscar e aplicar as ferramentas certas no momento certo. Principalmente naquele em que bate o sentimento de querer realizar algo, mas não sabe bem o que é. Essa sensação pode estar infiltrada e (muito bem) misturada com o “querer” de pais, marido, namorado, amigos e a sociedade em geral. Quantas vezes você já não ouviu que é fundamental procurar um emprego antes de casar? E que depois de casar é quase que obrigatório ter um filho? Aí você começa a pensar e descobre que…ninguém criou isso. O que aconteceu é que as expectativas e desejos dos outros misturam-se aos nossos, tudo vira um bolo e não sabemos mais diferenciar o que realmente queremos. Claro que não é fácil chutar o balde e decidir tudo de uma vez, mas acredite: o terapeuta pode lhe ajudar nessa transição.

Querer ser ouvido e orientado

Entre o processo de decidir procurar o psicólogo e iniciar a terapia de fato, algo já se destacou: a sua vontade de buscar ajuda. Durante a conversa com o psicólogo você será muito ouvido, mas também precisa estar aberto a ouvir orientações – sem julgamentos e críticas. Certamente não é necessário concordar com tudo o que terapeuta diz, mas se realmente não quiser ser orientado, aguarde um pouco mais, pois pode não ser o seu momento.

Outros textos que podem lhe interessar

Autora: Thaiana Brotto (Psicóloga CRP 06/106524)

*Os textos do site são informativos e não substituem atendimentos realizados por profissionais.