Como lidar com a pressão

Categoria dos serviços do psicólogo: terapia cognitivo comportamental, tcc
Como lidar com a pressão

Pense em momentos de alta pressão – situações em que você tem algo em jogo cujo resultado depende diretamente do seu desempenho. Como você caracterizaria seus pensamentos, sentimentos e o seu comportamento antes, durante e após tais momentos?

Por que nos sentimos sob pressão?

Sentir-se sob pressão pode ser descrito como uma forma de ansiedade; um sentimento perpétuo de que você é obrigado a entregar resultados, ao mesmo tempo existe o questionamento constante se você é capaz ou não de atingir as expectativas. Ás vezes a pressão pode se agravar durante o andamento de um projeto, e desaparecer logo após sua conclusão. Pense em um autor de novela ou série: a pressão diária em entregar uma história original, envolvente e que faça sentido com a trama.

Cada vez mais as pessoas estão vivenciando episódios de ansiedade por pressão, quase que diariamente. Seja por conta da pressão que os pais fazem com relação ao futuro do filho, a pressão no trabalho, entre outros. O interessante em observar é que a pressão independe do sucesso e triunfo do indivíduo ou não. Muitas pessoas com carreiras bem sucedidas continuam sofrendo por sentir-se sob pressão e acabam procurando ajuda com psicólogos para melhor lidar com este sentimento.

Se você estiver procurando psicólogo em São Paulo, para atendimento de terapia cognitivo comportamental, então conheça os psicólogos que prestam serviços de psicologia no nosso consultório, veja o valor das sessões e agende sua consulta aqui mesmo pelo site.

Existem várias correntes de pensamento que discutem a reação do indivíduo ao enfrentar situações de pressão. Em geral, existem reações que são mais comuns, dentre elas:

  • A pessoa pode superar ainda mais as expectativas quando há a sensação constante de cobrança por parte dos demais;
  • Ser bloqueado e desempenhar abaixo do que era esperado (situação comum dentro do mundo dos esportes, quando o atleta precisa provar que merece reconhecimento, por exemplo, e acaba botando tudo a perder por conta da pressão.);
  • Fugir da responsabilidade, largando tudo e assumindo a culpa de não ser capaz de realizar tal tarefa – ás vezes apenas por não saber lidar com a pressão, e não com a tarefa em si.

O estresse sob pressão faz mal?

Para muitos, sim. No entanto, não há regra, pois tudo depende da forma com que cada um lida com uma série de fatores como (autoestima, confiança, medo da crítica e maturidade emocional). Pode depender ainda de cada situação em particular. Afinal, quem nunca teve um branco na hora da prova, ou em situações em que o resultado depende somente de você?

Muitos psicólogos passaram a se interessar na reação de bloqueio nas últimas décadas, e muitas teorias foram descritas no decorrer destes estudos direcionados. Uma das principais teorias com relação aos motivos que levam ao bloqueio quando se está sob pressão é a distração. Esta teoria afirma que quando estamos sob muita pressão, nos preocupamos demais com a situação, e isso acaba absorvendo recursos mentais que seriam necessários posteriormente para de fato desempenhar da forma esperada. Outra teoria defende que o pensamento excessivo nas suas habilidades, realizando cálculos sobre como executar determinada tarefa acaba interferindo no hábito em si – tal situação geralmente ocorre quando somos observados por outras pessoas.

Como lidar com a pressão?

1. Foque em suas habilidades e não se compare com os outros

Você vai se sentir menos pressionado se focar apenas em suas próprias habilidades. Nós sabemos que o mundo é um lugar competitivo, mas não podemos esquecer que somos incapazes de controlar o esforço alheio. Tenha sempre isso em mente!

A competitividade nos encoraja a ser melhor do que os outros, porém, como troca, sofremos uma pressão constante (muitas vezes de nós mesmos) em sermos o melhor naquilo que fazemos, gerando às vezes uma expectativa fora da realidade. Ao focar em si, você se toma total controle do próprio destino, aumentando a sensação de confiança, ao invés da ansiedade e sofrimento por pressão.

2. Respeite seus próprios valores e expectativas

É comum, principalmente na ficção, presenciarmos situações onde a pressão ocorre para sanar as expectativas de outrem. Este é um bom exemplo onde a arte imita a vida, e nos identificamos muitas vezes com tais personagens, pois é um tipo relativamente comum de pressão.

Seja por medo da rejeição ou por uma necessidade em ser aceito, quando você tenta exceder seus próprios limites para provar algo para alguém, a ansiedade e o estresse por conta da pressão vão tomar conta do seu psicológico.

3. Foque em seus interesses pessoais, não em bonificações e incentivos

A maioria das pessoas almeja por bonificações; salários e promoções, ao executar uma tarefa, principalmente no ambiente profissional. Paradoxalmente, estas são as mesmas pessoas que sofrem de estresse, ansiedade e medo. Por isso é importante atentar-se apenas no desenvolvimento da sua carreira e no triunfo pessoal – esqueça o ambiente de trabalho, imagine-o como uma escada para o sucesso. Você será muito mais produtivo desta forma!

4. Dê valor ao que você tem, não ao que você não tem

Aproveitar todos os prazeres da vida é uma ótima forma de minimizar a pressão. Dê valor às pessoas, situações, oportunidades e conquistas que enriquecem a sua vida. Se você focar apenas no que lhe falta, a pressão vai surgir, cedo ou tarde. Para “despressurizar”, reserve um momento do seu dia para contemplar o que você já tem. Você vai se sentir mais calmo, contente e relaxado.

5. Se nada funcionar, jogue a toalha!

Caso não seja possível manter-se relaxado, ou você se encontra em uma situação em que é impossível aliviar a pressão, busque por auxílio terapêutico. Os profissionais mais indicados para lidar com este problema são os psicólogos. O seu psicólogo irá avaliar todo o estado mental em que você se encontra para então lhe auxiliar a encontrar o equilíbrio ideal – este que faça você seguir a vida em frente sem abandonar a motivação.

Outros textos que podem lhe interessar

Autora: Thaiana Brotto (Psicóloga CRP 06/101416)

*Os textos do site são informativos e não substituem atendimentos realizados por profissionais.