Passividade ou assertividade?

Categoria dos serviços do psicólogo: terapia cognitivo comportamental, tcc
Passividade ou assertividade

São tantos os conceitos que se espalham, principalmente no mundo corporativo que, às vezes, as pessoas acabam fazendo confusão e até usando equivocadamente alguns deles. A passividade e a assertividade são temas que, geralmente, causam desentendimento. A passividade é considerada uma virtude, mas não deve ser levada ao pé da letra em todas as situações. Uma pessoa passiva demais, por exemplo, pode acabar tendo problemas por aceitar tudo o tempo todo. Isto não é benéfico. A situação pode se agravar e há casos em que um psicólogo pode ajudar bastante a manter o equilíbrio entre “aceitar” e “contestar”.

Você aceita tudo sem problemas e se corrói por dentro por não ter dito “não”? Você tem vontade de agradar a todos, o tempo todo, negligenciando seus próprios desejos e compromissos, ocasionando infelicidade e ressentimento para você mesmo e para aqueles com quem convive? Se respondeu sim a ambas as perguntas, cuidado! É hora de medir melhor este grau de aceitação.

Se você estiver procurando psicólogo em São Paulo, para atendimento de terapia cognitivo comportamental, então conheça os psicólogos que prestam serviços de psicologia no nosso consultório, veja o valor das sessões e agende sua consulta aqui mesmo pelo site.

Os passivos são pessoas boas que sofrem

Levar uma vida passiva, sempre tentando evitar conflitos e agradar aos outros, pode ser um indício de frustração ali na frente. Porque isto leva ao medo de perguntar, questionar, dar trabalho para os outros e parecer desagradável. Isto acontece com pessoas boas, preocupadas com os demais, mas que por dentro sofrem em silêncio, têm crises de ansiedade, raiva, depressão e ressentimento. E quando se ressentem, punem-se a si mesmos. A cura para este excesso de bondade e passividade chama-se assertividade.

Muitos se confundem e usam este termo de maneira equivocada, usando-o quando querem expressar que uma pessoa está certa. Mas assertividade não significa que alguém está certo ou errado. Ser assertivo significa demonstrar que você tem uma dose certa e saudável de confiança em si mesmo e nos outros e que é capaz de se defender, os seus direitos. Portanto, a assertividade é um perfeito equilíbrio entre as atitudes passivas e as agressivas.

Uma pessoa assertiva é autoconfiante e não tem dificuldades para expressar a sua opinião diante dos demais. Trata-se de uma competência emocional dos indivíduos que conseguem tomar posições claras. A pessoa assertiva, na maioria das situações, mostra segurança, sabe o que quer e tem claros os alvos que pretende acertar.

Os assertivos sabem defender suas ideias

Normalmente a assertividade está relacionada às ideias positivas e proatividade. Assertiva é, ainda, a pessoa que sabe defender com firmeza suas ideias e, ao mesmo tempo, respeita os que têm opinião contrária. Por isso, é bem aceita no grupo. Ao contrário da passividade, a assertividade consiste na estratégia madura de quem tem alta autoestima e defende suas convicções com propriedade, sem se submeter ao que as outras pessoas desejam dela.

A expressão também aparece muito quando estamos nos referindo a uma pessoa que se comunica de forma clara, objetiva, transparente, franca e honesta. O indivíduo assertivo é direto, não usa atalhos e não espera que os outros leiam sua mente. Ele vai, fala o que pensa com vigor, coloca pra fora seus pensamentos, desejos, sentimentos e, quando é confrontado, não fica irritado, triste ou frustrado.

O mundo está competitivo e ninguém está muito preocupado com que os outros sentem ou necessitam. Neste contexto, a assertividade é mais benéfica que a passividade. Quando a pessoa consegue mostrar o que sente e se expressar com facilidade, ela é mais bem aceita pelo grupo e se sente mais feliz. Afinal, o ressentimento, muito presente entre aqueles “que engolem muito sapo”, só trás intranquilidade e mal-estar. Por isso, se você está tendo dificuldade para ser mais assertivo e menos passivo, conte com a ajuda de um psicólogo.

Outros textos que podem lhe interessar

Autora: Thaiana Brotto (Psicóloga CRP 06/106524)

*Os textos do site são informativos e não substituem atendimentos realizados por profissionais.