Como enfrentar a rejeição entre parceiros?

Categoria dos serviços do psicólogo: terapia de casal, relacionamentos, casamento
Como enfrentar a rejeição entre parceiros

Se sentir rejeitado ou sentir isso pelo parceiro é mais comum do que se imagina. Nas duas situações, os sentimentos são os mesmos: decepção, frustração, dúvida, insegurança, tristeza e incerteza. É tanta carga emocional negativa que, muitas vezes, é preciso buscar a ajuda de um psicólogo para entender as reais razões do que está acontecendo e aprender a lidar com o problema de frente. Mas, qual o motivo para a rejeição aparecer? Como agir quanto a este assunto tão delicado?

Tudo que queremos é amar, ser amados e viver bem ao lado da pessoa escolhida. Gostamos de ser aceitos e aprovados por todos que nos rodeiam e, principalmente, pelo nosso parceiro, não é mesmo? É por isso que quando aparece a rejeição, ela causa tanto sofrimento e dor. Nos sentimos com a autoestima baixa e ficamos nos perguntando: onde foi que eu errei? E não é nada fácil, também, quando somos nós que passamos a rejeitar aquela pessoa por quem, até então, sentíamos atração.

Se você estiver procurando psicólogo em São Paulo para terapia de casal, então conheça os psicólogos que prestam serviços de psicologia no nosso consultório, veja o valor das sessões e agende sua consulta aqui mesmo pelo site.

A vida vai apresentando sempre novas realidades, conhecimentos, problemas, enfim, situações que vão nos transformando. E nessa evolução inevitável podem surgir sentimentos inéditos. Com o passar do tempo, as pessoas passam a pensar de forma diferente e surgem novos desejos e outras prioridades. É neste contexto que pode surgir a rejeição.

Separamos algumas dicas de psicólogos para ajudar você a enfrentar a rejeição

  • Não esconda embaixo do tapete o que está ocorrendo. Tenha forças e coragem para lidar com a frustração e a dor que cercam a rejeição.
  • Se você está se sentindo rejeitada(o) pelo(a) parceiro(a), tente entender se não é algo passageiro. Às vezes, o cônjuge está apenas vivenciando um período difícil na vida pessoal ou no trabalho, o que o impede de ser amoroso e mostrar desejo em relação a você.
  • Tente sempre conversar sobre o assunto, sem colocar a pessoa na parede. Diga o que está sentindo e abra espaço para ela também expor seus sentimentos. Ouça com atenção e não julgue.
  • Se a pessoa confirmar o que você está sentindo, não se humilhe e nem parta para o confronto direto;
  • Receba as informações e dê tempo ao tempo. Pense no que foi falado e faça uma análise do que foi comentado.
  • Não implore atenção e amor. Respeite o que o outro está sentindo e entenda que o problema está nele que mudou de opinião, e não em você. Isso ajuda a não deixar sua autoestima ir para o buraco.
  • Valorize-se mesmo que a rejeição seja um golpe muito forte. Cuidado para não transformar sua tristeza em revolta, atrapalhando mais ainda sua vida.
  • O fato de não ser mais amado(a) como antes não pode deixar que você se ame menos ou que encare a vida de forma diferente do que fazia antes.
  • Mentalize suas qualidades, os bons sentimentos e faça coisas que acalmem sua sua alma.
  • Cerque-se de pessoas queridas e comente o que está passando somente com quem você realmente confia.
  • Tente desviar sua atenção para outros temas.
  • Envolva-se em novas atividades, num novo projeto, seja no âmbito profissional ou pessoal. Isto vai te dar energia para lidar com o problema da rejeição e tomar decisões sobre o seu relacionamento.

Apesar destas dicas, os psicólogos alertam que é muito difícil passar por rejeição. Rejeitar a quem se ama também trás uma série de culpas. Às vezes, o sentimento do passado até é reestabelecido novamente, mas ficar esperando por isso é bem complexo.

Para que você não paralise sua vida em função do desprezo, recomendamos a terapia com psicólogo. Ela pode antecipar sua volta por cima. Decepções amorosas fazem parte da vida. Fundamental é se preparar para ultrapassar essa fase com autoconfiança, otimismo e segurança.

Outros textos que podem lhe interessar

Autora: Thaiana Brotto (Psicóloga CRP 06/106524)

*Os textos do site são informativos e não substituem atendimentos realizados por profissionais.