Newsletter Gratuita
Assine Aqui

Por que as separações são sempre tão difíceis?

Categoria dos serviços do psicólogo: terapia de casal, relacionamentos, casamento
Por que as separações são sempre tão difíceis?

Tomar a iniciativa de terminar um relacionamento é uma das coisas mais difíceis que se pode pensar em fazer. Afinal de contas, há uma história construída a dois, que envolve afeto, patrimônio e, quase sempre, filhos.

Mesmo assim, a pergunta que fica é: por que as separações são sempre tão difíceis?

Uma das possíveis respostas é porque a sensação de estar separado não é confortável nem para quem é deixado e nem para quem decide terminar.

Nesse momento, uma psicoterapia de casal ajuda muito, porque as duas partes acabam descobrindo e revelando um ao outro as suas mágoas, aumento as chances de resolver os conflitos que estariam contribuindo para uma separação.

Com a ajuda de um psicólogo, o casal tem a possibilidade de conseguir dialogar melhor, colocar os elementos na balança e tomar uma decisão mais consciente e equilibrada.

Valor Consulta Psicóloga Cristiane






Não quero informar nome ou e-mail





Quando pensamos em terminar um relacionamento é normal entrarmos em conflito com nós mesmos, porque existe a dúvida se o que vamos fazer será a decisão mais acertada.

Para ajudar nessa tarefa e clarear as incertezas, preparamos alguns pontos para que você possa refletir e que, provavelmente, serão discutidos com um psicólogo. Às vezes é só uma crise, uma nuvem passageira no relacionamento.

Então, não analise somente o momento atual que está vivendo, mas sim todo o tempo que vive com a pessoa. Não olhe a foto, mas o filme todo!

Perguntas, respostas e sinais de alerta que podem surgir na terapia com um psicólogo

Vocês são parceiros e amigos?

É fundamental para a relação que haja uma base de parceria, com diálogo aberto, compreensão, dedicação e compartilhamento de atividades e interesses. Sem amizade, não há mais casamento ou outro relacionamento.

Vocês continuam mantendo contato físico

Quer receber mais conteúdos como esse?

Deixe seu e-mail abaixo e receba semanalmente conteúdos gratuitos
Politica de Privacidade
Não se preocupe, não fazemos spam.

Tocar e ser tocado são demandas essenciais em nossas vidas. Por isso é importante manter a intimidade (toque, carinho, abraço e beijo) e vida sexual em um relacionamento.

É absolutamente normal que haja altos e baixos ao longo do tempo e que em relacionamentos de longo prazo a frequência sexual não seja a mesma do início.

No entanto, é importante prestar atenção aos níveis de satisfação de ambos os lados, reparando não apenas no sexo propriamente, mas no contato físico de modo abrangente.

Vocês se respeitam mutuamente?

Não se acostume com uma rotina de desrespeito, constrangimentos públicos, agressões verbais ou até mesmo agressões físicas.

Quando acaba o respeito entre um casal, não há mais espaço para uma relação saudável, principalmente se sua integridade física está sendo ameaçada.

Há diálogo e feedback entre vocês?

Nunca se anule para viver em função de outra pessoa. No entanto, se não se importa mais com seu parceiro ou vice-versa, será difícil manter um relacionamento feliz.

Vocês têm planos em comum?

Como Escolher seu Psicólogo

Nesse guia completo você vai conhecer tudo sobre psicólogos e psicoterapia. A escolha do psicólogo certo para você envolve diversos fatores. Descubra aqui.

COMO ESCOLHER O SEU PSICÓLOGO

É importante que haja alguma afinidade de destinos a se alcançar. Um relacionamento é praticamente uma jornada conjunta. Embora o esperado seja que o amor dure para todo o sempre, ele pode acabar de um dos lados.

Na maioria dos casos, esse desinteresse é unilateral. Se isso acontecer com você, tenha coragem para comunicar ao parceiro e administrar com equilíbrio os desdobramentos de sua decisão.

Esperamos que você tome decisões seguras e, se estiver em situação de conflito, busque apoio de um psicólogo, tanto para o tratamento individual, quanto para o de casal.

Quem leu esse texto também se interessou por:

*Os textos do site são informativos e não substituem atendimentos realizados por profissionais.

Autor: Thaiana F. Brotto

CRP 06/106524 – São Paulo

FORMAÇÃO

Graduação em Psicologia pela PUC-PR em 2008. Pós-graduação em Terapia Comportamental pela USP. E pós-graduanda em Terapia Cognitiva Comportamental pelo ITC