Como identificar problemas psicológicos em crianças?

Como identificar problemas psicológicos em crianças

Identificar quando uma pessoa está com problemas psicológicos e precisa de uma ajuda profissional não é tarefa fácil. E quando falamos de crianças, ai a dificuldade é ainda maior. Descobrir com certeza os sinais de que algo não vai bem e que os problemas são de ordem psicológica requer muita observação do mundo infantil. Há uma série de condutas que podem significar que a criança precisa de ajuda para seus problemas emocionais. Neste post vamos abordar este assunto.

Geralmente, são os pais da criança que começam a notar os problemas psicológicos. Porém, vale a pena contar também com opiniões de familiares e amigos que tenham crianças da mesma idade. Os professores também devem ser ouvidos porque a comparação com outras crianças vai auxiliar a medir melhor o quanto seu filho está se comportando fora de um padrão de normalidade ou muito diferente daquilo que ele mesmo foi anteriormente.

Questionamentos e condutas alteradas

Como tem sido o comportamento da criança? Há alguma situação adversa que pode estar causando uma conduta diferenciada? Como estão suas relações sociais na própria família, com amiguinhos, vizinhos e colegas de classe? Ela está dormindo bem? Houve alguma mudança brusca na forma de se alimentar? Como está enfrentando a rotina e as novidades que aparecem no dia a dia? As respostas a estas perguntas ajudam a detectar o que está acontecendo com a criança e se não se trata apenas de uma mudança de comportamento relacionada a uma nova fase da vida.

Na idade pré-escolar, os professores conseguem facilmente identificar se a criança tem um quadro depressivo, de muita ansiedade, de déficit de atenção, de hiperatividade ou apatia, por exemplo. Nestes casos, os pais devem procurar um psicólogo que está capacitado para aplicar uma série de testes que pode confirmar ou não se há problemas emocionais. É ele que vai, também, definir qual o melhor tratamento, se for o caso.

Casos mais graves, como uma deficiência mental, autismo e outras patologias podem ser notadas bem antes de a criança começar a frequentar a escola. A avaliação psiquiátrica nestes casos é a mais recomendada. O médico vai fazer um diagnóstico preciso e prescrever medicação e outros tipos de tratamento.

Avalie sintomas como:

Desapego

Repare se a criança deixou de lado determinadas atividades que antes ela adorava fazer ou se mostra desinteressada em coisas que antes lhe davam prazer, também em relação a brinquedos.

Na escola

Se ela ainda não foi pra escola, veja como reage a esta possibilidade e se transparece que terá dificuldades na adaptação ao ambiente escolar. E se já frequenta uma, pergunte e avalie como vai o rendimento escolar dela e o relacionamento com os coleguinhas e professores.

Solidão

Sem uma razão aparente, a criança tem preferido ficar sozinha? O retraimento pode significar o início de uma depressão infantil, uma fobia, insegurança, vergonha ou casos de inibição exagerada.

Ansiedade

Qual a atitude dela quando precisa esperar alguma coisa? Pode ser um passeio ou ganhar um presente, por exemplo. Fica ansiosa a ponto de não conseguir fazer outra coisa ou parar de perguntar quanto falta?

Sono

Como a criança tem dormido? Tem apresentado perturbações, pesadelos ou sonambulismo durante a noite? Acorda assustada ou inquieta demais? Voltou a fazer xixi na cama?

Violência e agressividade

Note também se ela fica irritada e reage com uma dose a mais de violência quando contrariada ou durante as brincadeiras com os amigos.

Rebeldia

Como ela tem reagido à autoridade dos pais e professores? Ela mudou seu comportamento neste sentido, ficando birrenta e negando qualquer ordem ou imposição?

Esses itens podem significar apenas indícios de que há problemas emocionais a serem tratados. Crianças bem adaptadas socialmente e equilibradas emocionalmente não costumam apresentar a combinação de dois ou mais aspectos citados. Se você está observando esses comportamentos e, mesmo assim, não tem certeza se é ou não um quadro de alterações psicológicas, procure um psicólogo. Numa sessão de cerca de 60 minutos com a criança e uma boa conversa com os pais, ele estará apto a dar um diagnóstico mais preciso.

Autora: Thaiana Brotto (Psicóloga CRP 06/106524)

*Os textos do site são informativos e não substituem atendimentos realizados por profissionais.