Como manter a vida a dois quando chegam os filhos?

Categoria dos serviços do psicólogo: terapia de casal, relacionamentos, casamento
Como manter a vida a dois quando chegam os filhos

A chegada dos filhos é um momento que marca grandes mudanças na vida de um casal. As prioridades, preocupações, rotina e disponibilidade não são mais as mesmas. Mesmo com tantas coisas novas e com a correria do dia a dia, é muito importante que o casal mantenha seus laços de relacionamento e o interesse um no outro. Mas como manter a vida a dois com a chegada dos filhos?

As crianças demandam tempo e atenção. Quando são menores, a vida dos pais passar a ser, praticamente, em função delas. É preciso dar banho, amamentar ou alimentar, brincar, fazer dormir. As atividades se emendam uma na outra e torna-se bem difícil ter tempo para si mesmo, que dirá para se dedicar ao outro.

É por isso que dizem que a chegada dos filhos é uma “prova de fogo” para o casamento. O relacionamento deixa de ser entre um casal que se ama e passa a formar uma família, com diversas demandas. Assim, o casal precisa compreender que, de fato, a vida e a relação não serão as mesmas: é preciso flexibilidade, adaptação e, acima de tudo, vontade de fazer dar certo.

Se você estiver procurando psicólogo em São Paulo para terapia de casal, então conheça os psicólogos que prestam serviços de psicologia no nosso consultório, veja o valor das sessões e agende sua consulta aqui mesmo pelo site.

Para isso, é fundamental que o casal mantenha um diálogo honesto e exponha seus pontos de vista. É muito comum que, com a chegada do bebê, principalmente nos primeiros meses, a mãe precise dar muita atenção para o recém-nascido e o pai se sinta um pouco excluído e enciumado. Para que esses descontentamentos não se tornem algo muito maior, é preciso reunir esforços e, dependendo da situação, contar com a ajuda de um psicólogo.

4 dicas para conciliar casamento e filhos

1 – Mantenha o contato físico

Carinhos, abraços, beijos e sexo devem fazer parte da vida de todo casal. Esses momentos, além de serem especiais, fisiologicamente aumentam a união entre os parceiros, com a liberação de vários hormônios. Por isso, mesmo sendo difícil, separe um tempinho para namorar.

Sair de casa para um jantar romântico pode ser mais difícil. Então, depois que a criança dormir, separe pelo menos uma hora da noite para um momento do casal. Vale assistir a um filme juntos ou simplesmente ficar abraçados conversando.

2 – Estabeleçam responsabilidades

Na hora de fazer o filho, os dois participaram, não é mesmo? Mas está sendo igual na hora de cuidar? É claro que algumas tarefas, como a amamentação, inevitavelmente caem sobre o colo da mulher. Mas o pai deve ajudar em todas as outras! Assim, a mãe fica menos sobrecarregada e pai e filho criam um laço afetivo muito mais sólido.

Para dividir as tarefas, conversem e estabeleçam o que será responsabilidade de cada um. Dê preferência para as tarefas que cada um tem mais afinidade e nos melhores horários para cada. Assim, evitam-se brigas e conflitos bobos ao longo do dia.

3 – Revezem as horas de sono

Crianças acordam muito cedo e dormem pouco. Por conta disso, os pais acabam dormindo menos horas do que o suficiente e, assim, o mau humor e o estresse se instalam, contribuindo para o desgaste da relação.

Para melhorar essa situação, combinem quem vai acordar mais cedo a cada dia e quem vai poder dormir um pouco mais. Não há necessidade dos dois acordarem sempre, revezem e ganhem horas valiosas de sono!

4 – Converse com um psicólogo

O nascimento dos filhos traz grandes mudanças e, muitas vezes, não sabemos lidar com elas sozinhas. Se você está se sentindo assim, procure a ajuda de um profissional. Um psicólogo pode oferecer o autoconhecimento e clareza de ideias necessárias para enfrentar essa nova etapa.

O casal também pode optar por conversar com o psicólogo em conjunto, em Terapia de Casal. Essa é uma opção bem interessante para restabelecer o diálogo e colocar um fim nos pequenos conflitos que estão prejudicando a estabilidade do casamento.

Outros textos que podem lhe interessar

Autora: Thaiana Brotto (Psicóloga CRP 06/106524)

*Os textos do site são informativos e não substituem atendimentos realizados por profissionais.