Ingenuidade

Categoria dos serviços do psicólogo: terapia cognitivo comportamental, tcc
O que é ingenuidade?

Como separar o otimismo da ingenuidade

“Ele é uma pessoa pura que só enxerga o lado bom de todos. A bondade está impregnada em seu ser e por isso consegue ver o que cada pessoa tem de melhor!”

Essa é uma afirmação que muitos fazem quando se deparam com alguém dotado de tamanha pureza, que prefere ver somente o lado bom de seus semelhantes. Infelizmente isso é prejudicial, pois essa “pureza” pode ser ingenuidade.

Uma pessoa ingênua não tem ideia desse estado de consciência e por isso faz uma imagem positiva da vida sem tomar o cuidado de separar o joio do trigo, ou seja, pode ser enganada facilmente por uma pessoa de má índole.

Quando a pessoa vive neste estado permanente de pureza, com dificuldade em ver maldade nas pessoas e com todo tipo de ausência de segundas intenções na reação do próximo, é preciso procurar ajuda de um psicólogo, pois a ingenuidade traz consequências desastrosas na vida de quem enxerga tudo em “cor de rosa”.

Se você estiver procurando psicólogo em São Paulo, para atendimento de terapia cognitivo comportamental, então conheça os psicólogos que prestam serviços de psicologia no nosso consultório, veja o valor das sessões e agende sua consulta aqui mesmo pelo site.

Esse comportamento é muitas vezes elogiado por familiares, porque a primeira impressão é de que a ingenuidade parece bonita, prodigiosa e é confundida com pureza de alma. Quando uma pessoa próxima a nós se enquadra nesse perfil, a obrigação é encaminhá-la até o consultório de um psicólogo para receber uma avaliação profissional e descobrir até onde é realmente pureza e onde começa a ingenuidade.

Equilíbrio e bom senso

A pessoa que vive com o rótulo de boazinha e pura, cedo ou tarde acabará caindo em uma situação embaraçosa pelo fato de não ver maldade nas intenções das pessoas ou no comportamento humano em geral. Não que seja necessário ver o mal em tudo, mas uma dose de bom senso é importante para manter o equilíbrio.

Sem esse equilíbrio nas emoções e no senso de realidade, o apoio do psicólogo se torna necessário para auxiliar a pessoa a recobrar o bom senso e não viver como uma eterna vitima daqueles que tiram proveito de sua ingenuidade.

Relacionamento afetivo

No campo das relações afetivas, a ingenuidade é mais frequente. Mesmo que a pessoa seja equilibrada emocionalmente, o fato de estar apaixonada a deixa ingênua em algum momento da relação.

Isso não é perigoso na medida em que essa confiança, essa visão positiva acerca da pessoa amada, for recíproca. Por outro lado, se o parceiro ou a parceira não está comprometido com o relacionamento, notar essa ingenuidade e procurar tirar vantagem, os estragos serão enormes e poderão gerar traumas para a pessoa que encarou o romance com uma visão falsa de pureza.

Você é ingênuo?

Identificar que alguém age com ingenuidade é fácil, mas e quando nós somos os ingênuos? É difícil perceber esse estado emocional quando se é o personagem principal, a Poliana da história, aquela famosa personagem do livro escrito por Eleanor H. Porter, uma obra universal que conta a história de uma menina que enxerga tudo “cor de rosa”, sem nenhuma maldade, sempre acreditando no melhor das pessoas, chegando a ser incapaz de fazer algum mal a alguém.

A pessoa ingênua ou diagnosticada com a “Síndrome de Poliana” cria uma realidade distorcida e vive intensamente a sua brincadeira, atraindo para si uma legião de admiradores que também podem ser ingênuos ou interesseiros e aproveitadores.

Nesse caso, um psicólogo poderá ajudar o paciente a recuperar seu senso de realidade sem que ele se torne uma pessoa negativa, que passará a ver maldade em tudo, mas sim, que saberá quando alguém é de fato bom em suas intenções e ações e quando há uma segunda intenção nos gestos e até mesmo má fé nos atos.

Sim, é possível ser otimista sem ser ingênuo. Reflita sobre isso e se for o caso, procure o mais rápido possível o auxílio de um psicólogo.

Outros textos que podem lhe interessar

Autora: Thaiana Brotto (Psicóloga CRP 06/106524)

*Os textos do site são informativos e não substituem atendimentos realizados por profissionais.