Newsletter Gratuita
Assine Aqui

Como salvar meu casamento: 6 dicas para melhorar a relação

Categoria dos serviços do psicólogo: terapia de casal, relacionamentos, casamento
Como salvar meu casamento: 6 dicas para melhorar a relação

Quero salvar meu casamento, por onde eu começo?

A crise conjugal é um dos assuntos mais comuns em consultórios de psicologia. Acredite, todas as relações passam por dificuldades. Algumas menos aparentes, outras que abalam nossas certezas.

Existem dúvidas que permeiam o casamento, tais como, por que estamos passando por isso? O que mudou? Como salvar meu casamento?

Se a dúvida é recorrente, a relação precisa ser avaliada. Mudanças no trabalho, necessidade de espaço, desejos reprimidos, falta de atenção.

Essas e outras mudanças naturais, como a chegada de filhos e a monotonia, desencadeiam reflexões, que às vezes, recaem sobre a relação.

Por isso é importante buscar entender o que está diferente. Excluídas questões as externas e transições naturais, pode ser necessário reavaliar o que pode ou não ser feito. Mas acredite, nem tudo está perdido.

Se você que está pensando: Como posso salvar meu casamento? Por onde devo começar? É papel do psicólogo ajudar, então, confira algumas sugestões que podem ser importantes para renovar sua relação.

1) O romance pode salvar meu casamento?

Muitas vezes, com a rotina, esquecemos de mimar, elogiar, dialogar, conquistar o amor de sua (seu) companheiro (a). Por isso fique atento aos detalhes, valorize o outro, busque saber sobre questões individuais. E sim, surpreenda.

Quando foi a última vez vocês tiveram um jantar especial? Pode ser em casa mesmo. Um presente fora de datas comemorativas. Saia da rotina do ambiente doméstico promove. Têm filhos? Encontre alguém para cuidar deles. Assim poderão desfrutar de um momento a dois.

2) Se afastar das redes sociais, pode salvar meu casamento?

Acredite, as redes sociais são responsáveis por diversos conflitos entre casais e pode estar interferir em seu relacionamento. As pessoas não percebem que sua atenção é tomada por esses dispositivos. Se você ou seu (sua) parceiro (a) tem esse hábito, fale sobre isso.

Ninguém precisa se isolar. Mas você perceberá que sua atenção se voltará para quem está a seu lado. Reserve um momento para esse tipo de comunicação. Você verá os resultados e logo pensará: posso salvar meu casamento!

3) Pergunte e fale o que está sentindo

Valor Consulta Psicóloga Clarissa






Não quero informar nome ou e-mail





Temos a tendência a intuir sobre o que o (a) parceiro (a) está pensando e sentindo. Mas nem sempre nossas percepções condizem com o que está acontecendo. Com certeza a falta de comunicação é apontada por psicólogos como a principal causa de conflitos entre casais.

Estimule o diálogo, se abra e não tenha medo de falar o que sente. Acredite e afirme, para seu (sua) parceiro (a): quero salvar meu casamento! Assim terão abertura para falar sobre o que cada um sente.

4) Questione ao invés de adivinhar

Quer receber mais conteúdos como esse?

Deixe seu e-mail abaixo e receba semanalmente conteúdos gratuitos
Politica de Privacidade
Não se preocupe, não fazemos spam.

A comunicação passa por aspectos que vão além do diálogo. O olhar, o corpo e o tom de voz transmitem mensagens que nem sempre queremos passar. Ao perceber isso em seu (sua) companheiro (a), questione.

Com certeza algo está acontecendo e você ainda não está a par. O cotidiano pode influenciar sua relação e nem sempre tudo acontece entre vocês.

5) Fuja da rotina para renovar o interesse

Com o dia-a-dia acabamos deixando de lado questões importantes. E pressões naturais do cotidiano podem desestabilizar sua relação. A monotonia é um veneno para uma relação saudável.

Demonstre seu interesse, faça carinho, desperte o desejo e a imaginação de seu (sua) parceiro (a). Isso deve estimular a relação, pois promove prazer e autoconfiança, fazendo o interesse se renovar.

>>> leia também: Relacionamento Conjugal

6) Seja sincero com você

Avalie com sinceridade. Com pré-disposição é possível renovar a relação. Questione seu parceiro e se pergunte, quero salvar meu casamento?

Como Escolher seu Psicólogo

Nesse guia completo você vai conhecer tudo sobre psicólogos e psicoterapia. A escolha do psicólogo certo para você envolve diversos fatores. Descubra aqui.

COMO ESCOLHER O SEU PSICÓLOGO

Se a resposta for negativa, talvez os interesses se tornaram muito distintos. Aceitar que algumas relações não são para sempre, pode significar o afastamento definitivo, no entanto devolve o bem-estar ao casal.

Se a relação está desgastada por dores emocionais, é preciso restabelecer a confiança. Aceite ajuda se não puderem resolver sozinhos. Um profissional é importante nesses casos.

A terapia de casal é benéfica e auxilia a identificar com clareza o que pode ser contornado. Ele mediará a comunicação, até que o casal recupere a confiança e compaixão.

Esse artigo foi útil? Pode ser que você se interesse por esse aqui também: Como manter o seu relacionamento saudável.

Quem leu esse texto também se interessou por:

  • Relacionamento Conjugal

    Relacionamento Conjugal e Psicologia
    Os desafios dos relacionamentos conjugais. Quem é, ou já foi casado, sabe que viver debaixo do mesmo teto com outra pessoa não é tarefa fácil.
  • Quero recuperar meu casamento. O que fazer?

    Quero recuperar meu casamento
    Quero recuperar meu casamento. O desgaste no casamento não é algo que começa da noite para o dia. Há muitas pequenas discussões, discordâncias e decepções por trás de todo esse processo. Terapia de casal com psicólogo pode ser um recurso útil para o casal.
  • É possível evitar uma separação?

    É possível evitar uma separação?
    Os psicólogos afirmam que o diálogo é um instrumento poderoso para manter a relação saudável. Além da força da conversa, quais são as outras formas para evitar que a separação aconteça?

*Os textos do site são informativos e não substituem atendimentos realizados por profissionais.

Autor: Thaiana F. Brotto

CRP 06/106524 – São Paulo

FORMAÇÃO

Graduação em Psicologia pela PUC-PR em 2008. Pós-graduação em Terapia Comportamental pela USP. E pós-graduanda em Terapia Cognitiva Comportamental pelo ITC