Suicídio

Categoria dos serviços do psicólogo: ajuda emocional
Suicídio

Uma preocupação crescente, prevenir o suicídio é um desafio de todos

Falar sobre suicídio não é fácil. O tabu e o medo dificultam a abordagem do assunto. Psicólogos e psiquiatras alertam sobre com o crescimento de casos de morte por suicídio e a necessidade de abordar o tema em diversos ambientes, como forma de prevenir o suicídio.

Setembro é o mês de prevenção ao suicídio. A mídia e educadores estão sendo estimulados a debater o assunto, antes pouco abordado. O jogo Baleia Azul reforçou a preocupação dos pais, devido ao fácil acesso à internet. Na séria chamada 13 Reasons Why, o assunto foi retratado sob a ótica de adolescentes, de forma verdadeira e delicada. Casos recentes de artistas que tiraram a própria vida, reafirmam a necessidade de falar sobre esse problema, cada vez mais recorrente.

Porém não existem causas claras relacionadas ao impulso de tirar a própria vida. O suicídio muitas vezes é provocado por uma dor insuportável, da qual não se tem controle, restando como única alternativa, acabar com esse sofrimento. Mas como prevenir o suicídio? É possível evitar um ato tão extremo?

Se você estiver procurando psicólogo em São Paulo, para buscar ajuda emocional, então conheça os psicólogos que prestam serviços de psicologia no nosso consultório, veja o valor das sessões e agende sua consulta aqui mesmo pelo site.

Relatamos abaixo algumas motivações e como lidar com situações de risco, quando identificadas.

1) A escuta ativa ajuda a prevenir o suicídio

Isso significa estar presente e perceber o outro. A maior parte das pessoas que cometeram suicídio passaram por momentos de isolamento, provocado pela dor e a dificuldade de lidar com situações que fugiram do controle. Por isso, escutar com compaixão, sem julgar, sem minimizar os problemas e dúvidas que as pessoas enfrentam, é muito importante para prevenir o suicídio.

2) Conhecer e investigar problemas psicológicos

Diversos casos de suicídio estão ligados com depressão, bipolaridade, transtornos de ansiedade e transtornos pós-traumáticos. Muitas pessoas não conseguem lidar sozinhas com essas patologias e o acompanhamento de um psicólogo ou psiquiatra é fundamental. Perceber e ajudar o outro a buscar apoio, é um fator crucial para prevenir o suicídio.

3) Problemas com drogas, medicamentos e abuso de álcool

Drogas, abuso de medicamentos e álcool pode ser um fator de risco e conduzir ao suicídio. A adicção é uma doença grave ligada a fatores neurológicos, que independem da vontade ou desejo do paciente. A combinação entre essas substâncias pode ser fatal. O vício traz muitas dores e a falta de controle é um agravante. Em casos ligados ao uso dessas substâncias, uma intervenção pode ser necessária para reduzir o risco de vida do paciente. O acompanhamento psicológico ou psiquiátrico é determinante para prevenir o suicídio.

4) Para prevenir o suicídio é preciso evitar o bullying

O bullying provoca muitas dores e ocorre em muitos ambientes. Não ser aceito no grupo social, provoca sentimentos de rejeição e autopunição difíceis de controlar. Mudanças no comportamento e alterações brutas no humor, podem ser sinais de casos ligados ao bullying. Converse, tente buscar informações externas e acompanhe com atenção qualquer vítima de bullying, sem julgar ou reduzir suas dores. Procure ajuda profissional caso não obtenha avanços no âmbito familiar.

>>> Leia também: Bullying

5) Relacionamentos traumáticos e abuso sexual

Violência, abusos sexuais, términos de relacionamentos podem provocar depressões muito graves. O trauma deixado por essas ocorrências costumam marcar o inconsciente, sendo guardado em camadas muito profundas da mente. A vergonha, o medo, a impotência são comuns, e a vítima costuma se sentir culpada, acreditando que foi responsável pelo que sofreu. Indiferente da idade, esses casos requerem o acompanhamento de um psicólogo. Ele ensinará cada um a resignificar as dores, dentro de suas possibilidades.

6) Lidar com a personalidade e sentimentos de culpa pode prevenir o suicídio

Em alguns casos as tendências suicidas acompanham desde tempos remotos as pessoas. Muita vezes ligadas a personalidade, perda de entes queridos na infância ou sentimento de culpa. A morte parece ser o único meio evitar sofrimentos ou estar próximo a quem se foi. Isso pode desencadear tristezas profundas, impotência, tornando muito difícil superar a dor. Para evitar o suicídio é necessário ser sensível ao outro e acolher essas dores.

Prevenir o suicídio passa por questões muitas vezes incontroláveis e sinais muito discretos. Mas o acolhimento e a presença, continuam sendo as melhores formas de ajudar quem está enfrentando problemas. Se você perceber que parentes e amigos apresentam estes sintomas, recomende a ajuda de um psicólogo. A vida dela pode estar em risco.

Esse artigo foi útil? Pode ser que você se interesse por esse aqui também: Depressão

Outros textos que podem lhe interessar

Autora: Thaiana Brotto (Psicóloga CRP 06/106524)

*Os textos do site são informativos e não substituem atendimentos realizados por profissionais.