Newsletter Gratuita
Assine Aqui

Desconfiando das pessoas após sofrer uma decepção

Desconfiando das pessoas após sofrer uma decepção

Quem nunca sofreu uma decepção no trabalho, em um relacionamento amoroso, na amizade da escola ou faculdade? Certamente todo o mundo já passou por essa fase, variando apenas o grau do sofrimento.

Sendo assim, fique tranquilo, pois é um fato comum. O ser humano vive de relações sociais e nenhum indivíduo é igual ao outro, sendo que a educação, ambiente e cultura exercem forte influência, afirmam os psicólogos.

Por que sofremos com a decepção?

Valor consulta atendimento online e presencial psicóloga Suliane






Não quero informar nome ou e-mail





A decepção é um sentimento que surge quando algo desejado ou esperado não ocorre como imaginávamos.

No ambiente de trabalho ela pode se deflagrar após a promoção antecipada do seu colega em detrimento da sua que estava prometida; ou após seu amigo dentro da empresa executar algo importante do projeto em comum sem comunicá-lo.

Nos relacionamentos amorosos a decepção pode vir de diversas formas: traição, falta de carinho, reações agressivas, entre outras.

Em uma amizade ela chega com o “cano” frequente do amigo, com a quebra da confiança sobre assuntos de sua intimidade ou com a exposição pública sobre seus assuntos pessoais.

Quer receber mais conteúdos como esse?

Deixe seu e-mail abaixo e receba semanalmente conteúdos gratuitos
Politica de Privacidade
Não se preocupe, não fazemos spam.

A decepção pode ser considerada uma frustração e ambos os sentimentos geram raiva, revolta, falta de motivação, estresse, agressividade, depressão e autoestima baixa.

Após a pessoa se sentir decepcionada ou frustrada, as atitudes de desconfiança fazem com que ela se afaste daqueles que estavam envolvidos ou não, tornando-se pessoas inseguras e com relacionamentos futuros prejudicados.

Quais são as atitudes mais comuns?

Os Psicólogos

Conheça a equipe de psicólogos do nosso consultório. Confira o perfil e área de atuação de cada profissional.

A EQUIPE DE PSICÓLOGOS

Decepções fazem com que o indivíduo evite em enfrentar situações parecidas ou mesmo as pessoas e lugares envolvidos. Motivo? Medo de enfrentar a decepção novamente.

Um exemplo é a esperada promoção que não veio. O funcionário pode reagir faltando ao trabalho, chegando atrasado, reduzindo o esforço, evitando contato com os colegas, etc.

Comer em excesso, abuso de drogas e álcool e noites mal dormidas podem ser atitudes compensatórias relativas à decepção.

Como lidar com a insegurança

O importante é evitar que as expectativas tornem-se realidade, ou seja, a expectativa é apenas algo que se espera

Ter a consciência que pode não sair como o esperado é fundamental para “sobreviver”. Além disso, outro assunto que já abordamos em nosso site é o da interpretação dos fatos que gera as emoções e ações.

O fato de seu chefe ter dado aumento ao seu colega e não a você será interpretado por você como “traição”, “deixado de lado”, etc.

Essa é a sua interpretação, no entanto, seu chefe certamente – ou pelo menos na maioria das vezes – tem um bom motivo para ter agido dessa maneira. Lembre-se sempre: as suas interpretações dos fatos que geram as emoções e reações.

Como acreditar nas pessoas novamente

Definitivamente, lidar com a decepção não é tarefa fácil, mas trabalhar com as expectativas ajudará a retirá-lo de um estado vazio e confuso em relação às pessoas.

Mesmo que você ainda esteja passando pela fase de sofrimento pós-decepção, isso pertence ao passado. Um psicólogo pode ajudar nesse processo por meio da psicoterapia.

Agora existe a possibilidade de interpretar os acontecimentos de uma maneira diferente e, principalmente, colocando-se no lugar da outra pessoa, dar espaço a ela para explicações e aprender a lidar com ela, de forma a confiar novamente em todos.

*Os textos do site são informativos e não substituem atendimentos realizados por profissionais.

Sobre Thaiana Brotto

Thaiana Brotto é psicólogo e CEO do consultório Psicólogo e Terapia. Graduação em Psicologia pela PUC-PR em 2008. Pós-graduação em Terapia Comportamental pela USP. E pós-graduanda em Terapia Cognitiva Comportamental pelo ITC. Registrada no Conselho Regional de Psicologia pelo número CRP 106524/06.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *