Como lidar com dores emocionais

Categoria dos serviços do psicólogo: ajuda emocional

Todos nós temos uma tendência a monitorar as dores físicas que sentimos quando algo não corre bem no nosso corpo.

Uma dor física é um indício de que precisamos tomar mais cuidado com a saúde ou que medidas imediatas precisam ser tomadas para curar algum problema. No entanto, quando sentimos dor psicológica nem sempre temos a mesma reação.

Também conhecida como dor emocional, este tipo de sofrimento é, muitas vezes, deixado de lado porque não sabemos que é preciso fazer um check up da nossa saúde psicológica. É normal que, em algum ponto da vida, nos deparemos com sentimentos de tristeza, ansiedade, rejeição e depressão que se caracterizam como dores emocionais.

O que são dores emocionais

A dor emocional é um sentimento incômodo de origem psicológica que pode gerar tristezas, depressão e outras sensações negativas. Em muitos casos, a dor emocional é incitada por experiências emocionais danosas, como uma rejeição ou uma grande perda.

No entanto, nem sempre é necessário que algo ruim aconteça com a pessoa para desenvolver estes sentimentos. A depressão, por exemplo, tem causas variadas e nem sempre é relacionada a acontecimentos negativos.

Se você estiver procurando psicólogo em São Paulo, para buscar ajuda emocional, então conheça os psicólogos que prestam serviços de psicologia no nosso consultório, veja o valor das sessões e agende sua consulta aqui mesmo pelo site.

De forma geral, é possível identificar alguns dos casos que mais causam dor psicológica, o que facilita, também, a forma de tratamento de cada um:

  • Rejeição:: seja de amigos, parceiros românticos ou até mesmo de familiares ou colegas de trabalho, quando nos sentimos rejeitados por alguém é normal que surjam sentimentos de rejeição, que resultam em questionamentos sobre o nosso próprio valor e importância. Esta autocrítica é, muitas vezes, infundada, mas pode causar fortes dores emocionais.
  • Solidão:: pessoas que se relacionam pouco com os outros ou que perdem laços importantes ao longo da vida podem se sentir solitárias. E quanto mais uma pessoa se sente solitária, mais ela tende a se isolar e criar um “ambiente” emocional perfeito para o desenvolvimento de problemas maiores.
  • Perdas e traumas:: quando perdemos alguém próximo ou passamos por experiências muito traumáticas, pode ser difícil deixar o que passou para trás. Lembrar constantemente da perda e rememorar os momentos ruins pode gerar feridas emocionais que são difíceis de curar.
  • Baixa autoestima: ter a autoestima baixa pode ser uma ameaça constante para a saúde emocional. Quem não tem amor próprio e não acredita no seu potencial tende a se inferiorizar e se colocar para baixo por conta própria. Assim, logo há espaço para vulnerabilidade, autocrítica e outros sentimentos negativos.

Como cuidar da saúde emocional

Assim como cuidamos do nosso corpo todo dia ao escovar os dentes, tomar banho e cuidar da dieta, precisamos tomar medidas que garantam nosso bem-estar emocional e mental.

Uma ferida emocional é como uma física: em alguns casos, até pode curar por conta própria, mas na maioria das vezes precisa ser tratada com os métodos mais adequados para não se tornar um problema maior.

A melhor forma de tratar uma ferida psicológica é procurando alguém que entenda como descobrir as causas das dores e ajude a melhor maneira de lidar com elas. Um psicólogo é capaz de ajudar a entender o problema, trazer uma nova perspectiva para o assunto e evitar que ele comprometa a qualidade de vida.

Quem leu esse texto também se interessou por:

  • Confiança

    Confiança
    Confiança é algo bastante complexo, mas a sensação de que não se pode mais confiar em ninguém aumenta em tempos de crise moral e as vezes um psicólogo é necessário.
  • O que é e como identificar a Síndrome do Impostor

    Saiba mais sobre a Síndrome do Impostor e veja como esse distúrbio pode ser identificado e tratado adequadamente
  • Psicólogo e Alcoolismo

    Alcoolismo é um vicio e/ou dependência causado pelo álcool e é considerado pela organização mundial de Saúde (OMS) uma doença. Essa dependência normalmente se inicia de forma inocente com a pessoa bebendo socialmente

Autora: Thaiana Brotto (Psicóloga CRP 06/106524)

*Os textos do site são informativos e não substituem atendimentos realizados por profissionais.