Depressão pós-parto

Categoria dos serviços do psicólogo: depressão
Depressão pós parto e psicologia

O parto é um momento muito intenso para qualquer mulher. É nesta hora que ela dá à luz uma nova vida com quem vai compartilhar muitos momentos até o fim dos seus dias. É no parto que começa o que para muitas mulheres é um grande sonho e uma aventura: a maternidade.

No entanto, no meio desse turbilhão de emoções, combinada com uma variação hormonal intensa, nem sempre a sensação de tornar-se mãe é recebida de forma natural e fácil.

Não raro poucos dias após o nascimento do bebê, a mãe se depara com sintomas de tristeza e desânimo, que caso se instalem permanente e gradativamente, podem se transformar em um quadro de depressão pós-parto. Mas o que você sabe sobre essa condição?

O que você sabe sobre depressão pós-parto?

A depressão pós-parto é caracterizada por sentimentos de tristeza profunda e desesperança logo após o nascimento da criança. Estas sensações, no entanto, não estão exclusivamente relacionadas ao bebê, mas se referem a todas as esferas da vida da mulher. Além destes sintomas, é comum que haja mudanças no apetite, falta de energia durante o dia, sonolência e ausência do retorno do desejo sexual.

Se você estiver procurando psicólogo em São Paulo, para questões de depressão, então conheça os psicólogos que prestam serviços de psicologia no nosso consultório, veja o valor das sessões e agende sua consulta aqui mesmo pelo site.

É comum que mulheres que sentem os sintomas iniciais da depressão pós-parto não falem sobre seus sentimentos e tentem escondê-los por se sentirem relutantes em aceitar a condição. Afinal, em muitos casos, o parto correu bem, o bebê é saudável e a mulher acredita não ter motivos para se sentir de determinada forma, atribuindo os sentimentos a um insucesso pessoal ou a uma hipotética incapacidade sua.

No entanto, este pensamento só agrava o problema e precisa ser combatido, já que a depressão pós-parto é uma condição médica que pode ser tratada com apoio psicológico. Estima-se que este tipo de depressão acionada pelo parto ocorra em cerca de 10% a 15% das mulheres, sendo muito mais comum do que se imagina.

O que desencadeia a depressão pós-parto

É impossível afirmar com precisão quais são os fatores que desencadeiam a depressão pós-parto. A condição pode atingir qualquer mulher, no entanto, pessoas que já lidaram com quadros de depressão no passado geralmente possuem maior inclinação a desenvolvê-la novamente neste período. Fatores genéticos também podem influenciar o aparecimento, portanto, mulheres que possuem casos de depressão na família podem ter uma tendência levemente maior de ter depressão pós-parto.

As mudanças hormonais que ocorrem neste período também podem ter grande influência no desencadear da depressão pós-parto. Afinal, após ter o bebê, ocorre uma brusca queda na produção hormonal da mulher, o que pode afetar os níveis de humor e energia do dia a dia.

Quando procurar ajuda

É normal que poucos dias após o parto apareçam sintomas leves de tristeza que devem desaparecer em pouco tempo. Afinal, o corpo e a mente ainda estão se ajustando a este novo momento da vida. No entanto, quando estes sentimentos duram mais de duas semanas ou se a tristeza começa a ficar gradativamente mais profunda, é sinal de que há algo errado e que está na hora de buscar ajuda de um psicólogo.

É importante que a mulher não tenha medo nem vergonha de revelar seus sentimentos e entenda que esta é sim uma condição normal, um problema que possui cura e que é enfrentado por milhares de mulheres todos os anos.

Com o tratamento adequado, feito ainda nos estágios iniciais da depressão, é possível fazer com que a nova mãe se sinta como ela mesma novamente, fique apta a cuidar do seu bebê com toda energia, felicidade e vigor que este momento merece.

Para solucionar o problema, o mais indicado é buscar ajuda de um psicólogo ou um profissional qualificado vai ajudá-la a lidar com as mudanças e saber orientá-la quanto à necessidade de iniciar um tratamento com antidepressivos. Além disso, é importante poder contar com o apoio de familiares e amigos durante esta fase e também saber aceitar a ajuda oferecida por eles.

Quem leu esse texto também se interessou por:

Autora: Thaiana Brotto(Psicóloga CRP 06/106524)

*Os textos do site são informativos e não substituem atendimentos realizados por profissionais.