Mães Narcisistas

Mães Narcisistas

Hoje resolvi falar de um assunto delicado e complexo. Delicado porque envolve a figura materna, que é na maior parte do tempo, abarcada por uma visão idealizada e romantizada, que nem sempre corresponde a realidade; Complexo porque dentre os muitos aspectos e nuances que envolvem a maternidade, o narcisismo refere-se a uma característica de personalidade, portanto individual, que afeta o desempenho do papel de mãe.

É importante entender que antes de serem mães, as mulheres são indivíduos, que possuem uma história prévia e que podem sim, ter problemas e limitações psicológicas e emocionais que ultrapassam o que é saudável, e essa condição será sim transmitida na sua forma de se relacionar com seus filhos, trazendo consequências, às vezes graves, para estes.

Mas como reconhecer se sua mãe é narcisista?

Primeiramente vamos ver resumidamente algumas características de uma pessoa narcisista:

  • Autopercepção de ser superior às outras pessoas;
  • Fixação por fantasias de poder;
  • Sentimentos exacerbados de auto importância, chegando a esperar tratamento especial dos outros;
  • Exploração de outros para ganho pessoal;
  • Arrogância;
  • Necessidade constante de ser o centro das atenções;
  • Falta de empatia;
  • Forte sentimento de inveja e a crença de que é invejado;
  • Senso de que deve ser obedecido;
  • Senso de que está sempre certo.

Obs: para que uma pessoa seja considerada narcisista patológico, ela deve ter a maioria desses traços e ser avaliada por especialistas (psiquiatras e psicólogos).

Se tratando de mães narcisistas, existem características mais específicas, aqui vou listar apenas algumas:

  • ser o centro das atenções, muitas vezes sendo inconveniente e chamativa;
  • exagerada importância para as aparências, preocupando constantemente com sua reputação, status e poder;
  • atua com frequência – sendo abusiva na relação com os filhos(as), porém na presença de terceiros se mostra dócil e amável;
  • Sem autocrítica – não consegue ver os próprios erros;
  • Egoísta, espera que os filhos(as) a ajudem, mas não se interessa em retribuir;
  • Controladora e mandona;
  • Manipuladora – usa as emoções dos filhos(as) contra eles;
  • Vingativa, não aceita ser contrariada, quando isso ocorre se vinga de forma fria e planejada;
  • Agressiva (pode ser física, emocional ou psicológica). Ocorre de forma explicita ou disfarçada, rebaixa os filhos(as) justificando que é para educar, ou para o bem deles, por exemplo.
  • Competitiva, vê os filhos(as) como rivais;
  • Nunca pede desculpas, etc.

Conviver com uma mãe assim é um peso e traz consequências significativas para os filhos(as). Durante a infância os abusos alteram a personalidade, aparecendo sintomas que geram dificuldades e incapacidades; na adolescência surgem sentimentos de inadequação, isolamento, depressão, baixa autoestima, fobia social, etc. Na vida adulta, os sintomas afetam também a vida profissional, a pessoa questiona sua sanidade, se sente incapaz e duvida de si mesmo, prioriza os outros e esquece-se de si, tem dificuldade de dizer não porque busca sempre agradar, possui dificuldade de se relacionar com as pessoas, etc.

Este texto é apenas informativo, pois como dito inicialmente, o assunto é complexo.

Caso você tenha se identificado, busque maiores informações e ajuda profissional. Lidar com uma mãe narcisista é bem difícil e receber auxilio adequado é importante para a recuperação psicológica e emocional. Não passe por isso sozinho(a), procure ajuda!

Autora: Andrea Ferreira (Psicóloga CRP 06/113065)

*Os textos do site são informativos e não substituem atendimentos realizados por profissionais.