Atendimento Online

As sessões serão por Vídeo durante a quarentena

Saiba como funciona o atendimento psicológico a distância

Secretária das 7hs às 21hs. Ligue 11 3213-7287

Consultas das 7hs às 22hs

Valores - Horários Disponíveis - Os Psicólogos

Newsletter
Assine Aqui

O que é autoestima baixa, alta e qual seu significado

A autoestima é um sentimento desenvolvido desde a infância na medida em que os pais elogiam ou demonstram de alguma forma atenção sobre determinada conquista do filho, o que tende a aumentar a autoestima da criança.

Por outro lado, quantas vezes somos punidos, inclusive já na vida adulta, por alguma falha ou erro que cometemos, e, por isso, somos deixados de lado? Nessas condições, nossa autoestima tende a diminuir, uma vez que não somos reconhecidos ou gratificados por algo.

A autoestima se manifesta de forma não proposital, baseada em nossas próprias experiências com as pessoas e o mundo. Um bom exemplo é quando um indivíduo que normalmente recebe muitos elogios tende a se sentir sempre bem e sua autoestima estar sempre alta.

Da mesma forma acontece quando a pessoa passa por situações onde é destratada ou alvo de piadas – situações como essa fazem com que a pessoa sinta sua autoestima abalada, passa a desacreditar em si mesma, pensar que tudo que construiu até o momento foi em vão, que não é capaz, e essa pessoa se frustra. Isso é chamado de baixa autoestima.

SUMÁRIO

  1. O que significa autoestima?
  2. Como desenvolver a autoestima
  3. Como elevar a autoestima
  4. Conhecendo seu valor
  5. Como identificar se você tem baixa autoestima
  6. 10 sintomas que alertam para a baixa autoestima
  7. 7 comportamentos ligados à baixa autoestima
  8. Como lidar com a baixa autoestima
  9. 8 Dicas para fortalecer a autoestima
  10. Saiba como os exercícios físicos influenciam na autoestima
  11. Como os exercícios físicos elevam a autoestima
  12. Os exercícios físicos também podem diminuir a autoestima, saiba como
  13. Como o psicólogo pode ajudar pacientes com baixa autoestima
  14. Como estimular a autoestima e o bem-estar

1. O que significa autoestima?

Autoestima é a capacidade que temos de valorizar ou não a nossa identidade, se estamos satisfeitos com o que somos, se confiamos em nós mesmos e se reconhecemos o nosso valor.

Para a psicologia, a autoestima é a avaliação subjetiva que cada um faz de si, das suas características emocionais e comportamentais.

Respondendo à pergunta do título deste texto, os psicólogos acreditam que não nascemos com um grau de autoestima pré-determinado. Nós a desenvolvemos desde a infância, conforme recebemos elogios e somos reconhecidos por nossos pais a cada conquista que alcançamos. O fato de sermos aceitos e queridos contribui para a elevação da nossa autoestima.

Autoestima é uma daquelas palavrinhas que muito ouvimos quando o assunto é o cuidado que devemos ter conosco, com os nossos sentimentos e emoções.

Mas o que vem a ser, de fato, a autoestima? Quais razões influenciam para que a autoestima seja baixa ou alta e por que ela é tão importante para nós? Será que nós já nascemos com ela ou desenvolvemos a autoestima no decorrer da vida?

Baixa Autoestima

2. Como desenvolver a autoestima

Como Escolher seu Psicólogo

Nesse guia completo você vai conhecer tudo sobre psicólogos e psicoterapia. A escolha do psicólogo certo para você envolve diversos fatores. Descubra aqui.

COMO ESCOLHER O SEU PSICÓLOGO

A autoestima possibilita que tenhamos mais consciência da nossa essência, ampliando o nosso autoconhecimento e fazendo com que nos sintamos independentes, amados pelos outros e por nós mesmos. Desta forma, é muito importante aprendermos a desenvolver a nossa autoestima.

Já citamos que a participação dos pais é de suma importância no desenvolvimento da autoestima desde a infância. Porém, a autoestima é estimulada não somente neste período, mas ao longo de toda a nossa vida.

À medida em que nos sentimos amados e reconhecidos pelos outros, passamos a nos amar também e, assim, elevamos a nossa autoestima.

Uma vez sabido que o reconhecimento dos pais, a priori, é de fundamental importância para o desenvolvimento do filho, vale a pergunta: se os pais não conseguiram propiciar essa condição de favorecimento, não será possível ter autoestima ao longo da vida?

O desenvolvimento da autoestima ocorre na medida em que a pessoa se sente amada pelo outro, tendendo a aprender a se amar também.

A terapia nos casos de baixa autoestima pode ter como objetivos os seguintes aspectos:

  • Buscará fortalecer os comportamentos que se aproximam do sentimento de ter autoestima, por exemplo, quando o paciente compartilha uma determinada conquista (promoção no trabalho, êxito escolar, melhora no relacionamento com as outras pessoas, realização dos planos de vida, etc.), as atitudes deverão ser reconhecidas e valorizadas pelo terapeuta;
  • Desenvolver tomada de iniciativa e pró-atividade;
  • Propiciar sentimentos “positivos”: felicidade, satisfação, bem-estar, realização, contentamento.

O objetivo é fazer com que, durante um processo terapêutico, o paciente consiga se diferenciar dos demais e conquistar sua independência, aprendendo a ser amado e a se amar, porém, sem precisar se sentir amado por alguém específico.

A autoestima facilita o autoconhecimento e a habilidade de argumentar em causa própria, além de possibilitar que a pessoa se sinta independente, sem precisar deixar de se sentir amada pelos outros e por ela mesma. Dessa forma, por que não tentar desenvolver ou, até mesmo, melhorar a autoestima?

Nós nascemos com autoestima?

3. Como elevar a autoestima

A autoestima não provém somente da aceitação por parte dos outros. É necessário que, a partir de nossas experiências positivas, possamos reconhecer o que fazemos bem, o que nos torna mais bonitos, aguça nossas qualidades e nos satisfaz. Ao desenvolver o que temos de melhor, a nossa autoestima passa a ser elevada.

Por outro lado, existe também a baixa autoestima, que ocorre quando somos rejeitados, desvalorizados ou não gostamos de nós mesmos.

Infelizmente são muitos os casos de pessoas com baixa autoestima. Em alguns deles, a questão é tão complicada que pode levar a um quadro de depressão. Para evitar este quadro, a intervenção de um psicólogo é bem-vinda e pode ajudar muito a resolver o problema.

4. Conhecendo seu valor

Já conheceu alguém que tentou se suicidar ao terminar um relacionamento? Esse é um grande exemplo de pessoa que não sabe ou não reconhece o seu valor. Para este indivíduo, o seu valor estava depositado no outro, e, ao terminar o relacionamento, a pessoa ficou com a autoestima abalada, pois não sabia do seu verdadeiro valor.

A baixa autoestima afeta todas as áreas da vida do indivíduo: no trabalho, na família, na escola e, possivelmente, em todos os demais setores e ambientes que esse indivíduo está inserido. Inclusive, é fácil notar quando alguém não se gosta, quando está sempre com humor negativo – tudo isso tende a fazer com que os demais se afastem, e isso acaba tornando-se um ciclo: quanto mais as pessoas se afastam, mais o indivíduo com baixa autoestima tende a isolar-se, sentindo-se cada vez mais triste e deprimido.

Como identificar se você tem baixa autoestima

5. Como identificar se você tem baixa autoestima

A baixa autoestima é, muitas vezes, um subproduto da insegurança e falta de empoderamento. Ela também pode ser fruto de negligências ou mesmo frustrações na infância ou adolescência.

A psicologia reforça que esse problema além de ser grave, pode desencadear um quadro de depressão e dificultar muito as relações pessoais e profissionais de quem sofre com ela.

6. 10 sintomas que alertam para a baixa autoestima

  • Faz auto avaliações frequentes perguntando: Por que sou assim?
  • Sente cansaço e estresse constantes diante das atividades normais do cotidiano.
  • Sorri raramente e tem uma visão negativa das pessoas que convive.
  • Prefere ficar sozinho a conhecer novas pessoas. Tem dificuldade em fazer novas amizades.
  • Sente-se incapaz de atingir objetivos anteriormente determinados.
  • Acha que as coisas só dão certo com os outros.
  • Culpa os outros pelos próprios erros.
  • Evita fitar os olhos do interlocutor ao conversar.
  • Acha-se o motivo do aborrecimento alheio.
  • Teme o futuro, achando que coisas ruins vão acontecer.

7. 7 comportamentos ligados à baixa autoestima

Pessoas com baixa autoestima costumam ser muito exigentes consigo mesmas, não aceitando elogios, ou ainda acreditam que eles são falsos. Podem acreditar que por trás dos elogios existem intenção não declaradas ou interesses camuflados.

Embora seja mais recorrente em mulheres, a baixa autoestima se manifesta em ambos gêneros e em qualquer idade. A tomada de decisão, a forma como se vê e a satisfação com seu entorno podem ficar comprometidos, levando a complicações psicológicas e físicas.

Os sintomas nem sempre são claros, mas costumam ser identificáveis. Confira abaixo alguns deles e verifique se você pode estar sofrendo com baixa autoestima e como lidar com esse transtorno.

7.1. Complexo de inferioridade

Pessoas com baixa autoestima costumam acreditar que não são tão boas quanto às outras, que suas vidas são mais difíceis e que não estão à altura para merecer ser feliz. Lidam diariamente com a negatividade e se comparam com outras pessoas de forma a estarem sempre em desvantagem.

7.2 Tentar agradar e surpreender os outros

Muitas das decisões das pessoas que têm baixa autoestima buscam agradar os outros e surpreender com atitudes que são inesperadas. Podem inclusive se colocar em situações de risco para provar serem capazes. Isso está sempre relacionado com a necessidade de aceitação e integração grupos sociais ou em relacionamentos.

7.3  Críticas severas e perfeccionismo

Pessoas com baixa autoestima buscam surpreender os outros com seu perfeccionismo, exigem demais de si mesmos e são muito críticas com tudo o que lhe acomete. Não conseguem ficar satisfeitas com seus resultados, procurando a autoafirmação como recurso e justificativa para seus méritos e fracassos.

7.4 Relacionamento abusivos e destrutivos

Pessoas com baixa autoestima estão mais predispostas a aceitarem e permanecerem em relacionamento abusivos e destrutivos. Isso porque acreditam que não irão encontrar outra pessoa melhor, que não são capazes de despertar o interesse do outro ou mesmo para não lidar com a rejeição.

Esse comportamento também pode se manifestar no trabalho, fazendo com que se acredite que não haverá reconhecimento aos seus talentos.

7.5  Inseguranças, preocupações e medo de desafios

O medo do desconhecido é comum em pessoas com baixa autoestima. Isso acontece porque elas acreditam que não irão atender às exigências de novas situações e preferem manter uma média, sem assumir grandes riscos para não lidar com frustrações. São preocupações muitas vezes injustificáveis, que ganham grande importância para quem está vivendo com esse transtorno.

7.6 Ansiedade, depressão e baixa autoestima

A baixa autoestima costuma desencadear diversos problemas com a autoaceitação de se ser quem é. Com isso, vem a ansiedade, que muitas vezes está relacionada com o que irão pensar da gente. E a ansiedade pode gerar depressão, e uma certa resistência a correlacionar-se. É preciso atenção, pois esses sintomas estão diretamente ligados, e raramente se manifestam de forma isolada.

7.7 Turbulências emocionais

Os Psicólogos

Conheça a equipe de psicólogos do nosso consultório. Confira o perfil e área de atuação de cada profissional.

A EQUIPE DE PSICÓLOGOS

A oscilação emocional ocorre em pessoas com baixa autoestima, pois estão sempre lidando com a opinião dos outros e com o que irão pensar sobre elas. Atender a tantas exigências faz com que se tenha um excesso de preocupação com tudo o que se faz. A pressão provoca as turbulências emocionais e crises de altos e baixos, muitas vezes presente na vida de pessoas com baixa autoestima.

Embora esses comportamentos sejam característicos em casos de baixa autoestima, nem sempre irão se manifestar em todos as pessoas que sofrem com esse transtorno. Somente um psicólogo poderá diagnosticar com precisão se alguém sofre ou não com baixa autoestima. O acompanhamento é indicado e a terapia cognitiva, por exemplo, poderá ajudar quem sofre com esse transtorno a lidar e perceber quando seu comportamento está ligado à baixa autoestima.

Sintomas comuns da baixa autoestima:

  • Sentimento de Insegurança;
  • Sentimento de dependência;
  • Sentimento de raiva;
  • Sentimento de inveja;
  • Sentimento de inferioridade;
  • Sentimento de incapacidade;
  • Entre outros.

Causas que levam aos sintomas citados:

8. Como lidar com a baixa autoestima

Para a pessoa que tem baixa autoestima, num primeiro momento, é importante se aceitar e aceitar que tem um problema e que precisa ser resolvido. Entender que todos nós, seres humanos, somos formados de defeitos e qualidades, o que torna cada ser humano único.

Se há algo que pode ser transformado, deve ser mudado conforme seu desejo. Contudo, é importante aceitar aquilo que é nosso e que não pode ser mudado. A pessoa com esse transtorno deve observar como vem tratando a si mesmo, sobretudo o que pensa sobre si e o que compara diante das outras pessoas.

Ninguém é igual a ninguém, sua referência é você mesmo! Caminhe rumo a uma vida mais tranquila e feliz!

Quem tem autoconfiança e respeito por si próprio consegue lidar melhor com os desafios da vida e busca sem culpa o direito de ser feliz.

Conheça oito dicas que vão fortalecer a sua autoestima

9. 8 Dicas para fortalecer a autoestima

Se você se enquadra no perfil descrito acima, procure um psicólogo. Ele vai ajudar você a mudar as suas atitudes e o seu comportamento para vencer a luta contra o nível baixo de autoestima e elevar sua saúde mental.

  • Examine seu passado: ao fazer essa retrospectiva, é possível perceber que alguns erros do passado podem ser corrigidos e outros não. Ao se deparar com o que não pode ser mudado, o melhor a fazer é aceitar a situação, reconhecer os erros e se concentrar apenas no que pode ser melhorado.
  • Nunca diga “eu sou um fracasso” se uma tarefa realizada não saiu perfeita, pois ela poderá ser melhorada no futuro.
  • Procure fazer o que gosta: busque atividades que considere prazerosas, como um esporte ou um curso de música, por exemplo, ou ainda preste serviços comunitários e sinta-se útil e importante. Quando fazemos algo que nos diverte e nos faz sentir mais leves, acabamos alcançando bons resultados, e aí nos sentimos mais fortes para encarar desafios maiores.
  • Foque os aspectos positivos: não fique remoendo as críticas. Ao colocar o foco nos pontos mais positivos, sua percepção sobre a mesma situação muda para melhor.
  • Comente com a família e os amigos as realizações positivas: seu próprio sucesso ajuda a reforçar a autoconfiança e a elevar a autoestima, além de neutralizar os pensamentos de auto depreciação.
  • Faça ginástica e cuide de seu corpo: isso ajuda a ter uma percepção mais positiva de si próprio. A ginástica aumenta a autoestima dos praticantes porque melhora a saúde e a qualidade de vida em geral.
  • Esqueça as comparações: tudo bem admirar as qualidades das outras pessoas e querer copiar as coisas boas, mas nem sempre o caminho escolhido por uma pessoa que a gente curte é o que vai nos fazer felizes. Por isso, o mais importante é saber o que você deseja. Tenha a coragem de decidir seu próprio destino, baseando-se nos seus valores e nas suas vontades. Olhe para dentro de si mesmo.
  • Afaste-se das pessoas que sempre colocam você lá embaixo: se alguém vive inventando apelidos chatos ou coloca você em situações de humilhação, fuja! Prefira ficar ao lado de pessoas que mereçam o seu amor e a sua amizade.

10. Saiba como os exercícios físicos influenciam na autoestima

A princípio, os exercícios físicos contribuem significativamente para a elevação da autoestima. A atenção e o cuidado com o corpo e o momento de entrega a uma atividade pessoal despertam na pessoa um olhar mais positivo para o seu próprio ser.

Porém, na medida em que o indivíduo passa a se cobrar muito quanto à sua performance, a atividade física pode acabar interferindo negativamente na autoestima e, consequentemente, no bem-estar psicológico. Neste caso, a ajuda de um psicólogo pode fazer a diferença, porque ele vai ajudar a pessoa a equilibrar harmoniosamente este conflito.

11. Como os exercícios físicos elevam a autoestima

A prática da atividade física regular beneficia o corpo e a mente, aumentando a autoestima e o equilíbrio emocional, melhorando a memória, aliviando o estresse e diminuindo a insegurança e a ansiedade.

O sistema nervoso como um todo é estimulado positivamente. É que durante os exercícios físicos, o fluxo de sangue no cérebro aumenta e os níveis de substâncias que promovem a sensação de bem-estar crescem. Com isso, a pessoa passa a lidar melhor com os problemas, minimizar a insônia e ter uma melhor qualidade de vida.

Com o aumento da serotonina no organismo, que causa a sensação de bem-estar, controla-se, ainda, a insegurança, a ansiedade, a depressão e até o excesso de peso, aspectos bastante negativos para a autoestima. Nas academias, são comuns os exercícios em grupo.

Sem perceber, a pessoa acaba aperfeiçoando o relacionamento interpessoal, prática que pode ser levada para o dia a dia. Afinal, quem não precisa se relacionar melhor com os outros?

Com o corpo bem condicionado e a mente saudável, o indivíduo consegue manter o bem-estar psíquico. Porém, esses resultados estão relacionados à manutenção, ou seja, é preciso bastante disciplina para manter a regularidade da atividade física.

No mínimo, os exercícios devem ser feitos três vezes por semana, e ao escolher a modalidade, o melhor é levar em conta o gosto pessoal, porque assim será mais fácil ter prazer.

12. Os exercícios físicos também podem diminuir a autoestima, saiba como

Valor Consulta Psicóloga Taiz






Não quero informar nome ou e-mail





Quando a atividade física é praticada com grande intensidade, de forma exagerada, ocorrem as famigeradas lesões musculares e outros desconfortos físicos, sendo que a pior consequência são os problemas ao coração. Afinal, tudo tem limite.

Como o excesso pode ser prejudicial, os especialistas recomendam a realização dos exercícios mais vigorosos somente por 30 a 50 minutos ao dia. O certo é sempre consultar um médico antes de começar qualquer exercício físico regular, já que cada caso é um caso e somente o profissional poderá recomendar o que é melhor para cada pessoa.

Da mesma forma que o excesso de exercícios prejudica o físico, ele também compromete, na mesma proporção, a mente. Não são muito raros os casos de pessoas que, na busca pelo corpo perfeito, ou atletas cujos desafios e metas se tornam cada vez mais ousados, tenham problemas emocionais relativos à sobrecarga de atividade física.

Mas não são só eles. Pacientes que buscam se exercitar para controlar sintomas como a depressão e a ansiedade também têm uma tendência a se cobrar demais. E quando não conseguem se dedicar tanto quanto gostariam ou acabam se excedendo, vem a frustração e o desânimo.

Quando a atividade passa a interferir negativamente na vida da pessoa, ele deve procurar um psicólogo. Só um profissional capacitado conseguirá orientar devidamente, de modo que não haja diminuição da autoestima e, neste caso, a pessoa entre num círculo vicioso bastante prejudicial.

A terapia regular ajuda a equilibrar os conflitos criados a partir da lacuna entre a expectativa e a realização.

Como vimos, a baixa autoestima passa por um processo até tornar-se um verdadeiro problema. Resumidamente, a baixa autoestima são os pensamentos negativos sobre si mesmo.

O psicólogo irá ajudar o paciente através de exercícios e testes mentais com imagens a intervir nos pensamentos negativos, levando a não autocrítica.

Psicologia e Autoestima

A terapia com um psicólogo contribui muito nos casos de baixa autoestima. Durante o processo, o profissional irá tratar os seguintes aspectos:

  • Fortalecimento dos comportamentos positivos: a partir do relato de algo positivo que ocorreu com o paciente, o psicólogo deve reconhecer e valorizar o fato;
  • Desenvolvimento da iniciativa e pró-atividade: desenvolver no paciente a consciência de que ele é capaz de tomar as decisões e realizar seus desejos;
  • Favorecimento da positividade: levar o paciente a ter sentimentos de bem-estar, satisfação, realização e felicidade.

Durante a terapia, o paciente vai se conscientizando de que é, sim, diferente dos outros, mas que isto não é um problema e a partir daí poderá conquistar sua independência, ou seja, não será mais dependente do amor e da aceitação dos outros, saberá se reconhecer e amar por aquilo que é. A autoestima deve ser sempre trabalhada e desenvolvida para que tenhamos relacionamentos saudáveis e, enfim, fiquemos satisfeitos.

14. Como estimular a autoestima e o bem-estar

Autoestima e bem-estar com consultório do psicólogo em São Paulo

Você já parou para pensar o quanto a sua autoestima afeta a sua rotina e em como você impacta a vida de quem convive com você? Quando alguém se sente bem consigo mesmo, isso reflete em suas relações com outras pessoas, no seu bem-estar, na sua visão do dia a dia e traz benefícios para sua saúde mental.

No entanto, quando a autoestima está baixa, a sensação de bem-estar cai, os pensamentos se concentram nos pontos considerados “negativos” de si mesmo, e sentir-se inferior e insuficiente é muito comum.

Este tipo de ideia, quando persistente e intensa, pode causar problemas de depressão, gerar fobias e acabar com as alegrias e o bem-estar na rotina. Porém, existem meios para estimular o bem-estar e a autoestima que podem ser facilmente incorporados no dia a dia. Veja algumas formas de sentir-se melhor consigo mesmo:

14.1  Pratique exercícios físicos

Essa substância é capaz de diminuir dores, melhorar o humor e a concentração, combater a ansiedade, regular o sono e muito mais. Além disso, praticar exercícios é fundamental para perder peso, algo que influencia diretamente na aparência e, consequentemente, na autoestima.

14.2  Cuide da sua aparência

Às vezes, dar uma repaginada em si mesmo é suficiente para que a autoestima suba em alguns pontos. Isso não significa mudar completamente a aparência ou o guarda-roupa.

Experimente cortar o cabelo, cuidar da higiene, das unhas e vestir uma roupa de que gosta e que faça com que se sinta bem consigo mesmo. São pequenas ações do dia a dia que podem ter um impacto positivo em como você vê a si mesmo e, como consequência, como os outros o veem.

14.3 Cultive o hábito da leitura

É comprovado que manter hábitos regulares de leitura ajuda a estimular a mente, a reduzir o estresse, a melhorar a memória e a concentração e a deixar a rotina mais tranquila.

Mas além destes benefícios, é preciso levar em conta que ler é adquirir conhecimento que pode ser útil em vários momentos da vida, seja para fins de interações sociais, seja por questões profissionais. A leitura ainda é uma forma eficiente de aumentar o vocabulário e de desenvolver um pensamento mais analítico e crítico sobre o mundo.

14.4  Estimule um pensamento positivo

Talvez você pense que esta é uma atividade impossível, mas esse é justamente o primeiro pensamento que precisa ser suprimido. Acredite que é possível treinar sua mente para que cale todos os pensamentos negativos e os substitua por ideias positivas, que vão ajudá-lo a ver tudo de uma forma mais leve.

Pratique o exercício de substituição de pensamentos negativos por ideias positivas diariamente, até que o hábito seja incorporado. Assim, logo você vai passar a acreditar mais em si mesmo, sem ser desestimulado por possíveis obstáculos.

14.5  Busque autoconhecimento

Às vezes, buscar o autoconhecimento não é tão simples, e um psicólogo pode ter um papel fundamental nessa hora!

Não é possível ter uma boa autoestima e viver uma vida tranquila e com bem-estar sem conhecer a si mesmo. Você precisa saber do que gosta e do que não gosta, seus pontos fracos e pontos fortes, suas conquistas e derrotas, seus instintos e reações. Autoconhecimento gera autoestima.

Um psicólogo também poderá ajudá-lo com essa questão, fazendo-o encontrar, principalmente, os seus limites. O papel do psicólogo em casos de pacientes com baixa autoestima é de trabalhar as qualidades e aquilo que o paciente tem de melhor, e fazê-lo enxergar que tem, sim, um papel importante em sua própria vida e na vida dos que o cercam.

Portanto, trabalhar na sua autoestima e no seu bem-estar traz benefícios que vão muito além das questões individuais. Como você se posiciona frente ao mundo reflete em como os outros o veem, impactando assim no ambiente de trabalho, nos ciclos de amizades e na vida amorosa.

Quem leu esse texto também se interessou por:

  • Ansiedade

    Ansiedade Psicólogos
    Psicólogos especialistas em ansiedade em São Paulo. Conheça os psicólogos que tratam ansiedade, leia dezenas de artigos e marque sua consulta pelo site
  • Terapia de Casal

    Psicólogos para Terapia de Casal
    Psicólogos especialistas em terapia de casal em São Paulo. Conheça os psicólogos que tratam terapia de casal, leia dezenas de artigos e marque sua consulta
  • Ajuda Emocional

    Ajuda Emocional
    Ajuda emocional com tratamento com psicólogos. Conheça os psicólogos, leia dezenas de textos e marque sua consulta pelo site

*Os textos do site são informativos e não substituem atendimentos realizados por profissionais.

Sobre Psicóloga Thaiana F. Brotto

CEO do consultório Psicologo e Terapia. Graduação em Psicologia pela PUC-PR em 2008. Pós-graduação em Terapia Comportamental pela USP. E pós-graduanda em Terapia Cognitiva Comportamental pelo ITC

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *