Newsletter Gratuita
Assine Aqui

Sentindo-se desanimado?

Categoria dos serviços do psicólogo: depressão
Sentindo-se desanimado

Seja por simplesmente “levantar-se com o pé esquerdo” ou passar por uma semana ruim no trabalho, são inúmeras as situações podem desencadear uma crise de desânimo.

Alguns psicólogos acreditam que o desânimo muitas vezes é confundido com depressão, mas ainda assim merece atenção.

Problemas relacionados ao desânimo

Ao sentir-se desmotivado, o indivíduo perde toda a perspectiva, ou esta fica distorcida – o pensamento vai mais e mais além, enfatizando todas as coisas que estão deixando-o descontente, psicologicamente preso.

Ignorar o estado de desânimo pode ser altamente prejudicial, levando a problemas como mau desempenho no trabalho ou relacionamentos comprometidos.

Valor Consulta Psicóloga Bárbara






Não quero informar nome ou e-mail





Quando se está deprimido por conta do desânimo, é preciso reavaliar sua vida como um todo e perguntar-se como o seu tempo está sendo gasto, e o que está sendo feito para nutrir a sua autoestima.

Inclusive, quando estamos desanimados, a tendência de tomar atitudes positivas e saudáveis para o nosso psicológico é ainda menor – uma bola de neve de desmotivação!

Dito isto, um dos primeiros passos para se sentir melhor é buscar apoio nos bons amigos e familiares. Eles podem lhe ajudar a fornecer uma validação importante sobre seus pensamentos sobre si mesmo.

O ânimo, ou motivação, é o processo que controla e mantém na linha diversos comportamentos humanos. Alimentar-se, exercitar-se, estudar, e perseguir um objetivo na vida, tudo requer ânimo. Todo mundo passa por momentos de desânimo de vez em quando.

Quem nunca ficou encarando a capa do livro sem coragem de abri-lo para estudar, passar longe da cozinha para não ter que lavar a pilha de louças, ou pular o dia de academia porque por alguma razão não está se sentindo bem – tudo isso e muito mais são sinais de desânimo.

Para algumas pessoas, problemas motivados pela falta de ânimo pode ter impacto negativo sobre a vida acadêmica, pessoal e profissional.

Notas baixas, amizades desfeitas ou demissão do emprego por falta de proatividade são consequências reais do desânimo, observadas por muitos psicólogos.

Descobrir a causa principal do desânimo é o primeiro passo para aprender a retomar seus comportamentos saudáveis.

Conheça as razões mais comuns que levam as pessoas a se sentirem desanimadas

Depressão

Quer receber mais conteúdos como esse?

Deixe seu e-mail abaixo e receba semanalmente conteúdos gratuitos
Politica de Privacidade
Não se preocupe, não fazemos spam.

Um dos sintomas mais comuns da depressão é a anhedonia, que é a falta de interesse em realizar atividades, principalmente aquelas que um dia foram prazerosas. A depressão pode causar grandes estragos na vida do paciente.

Porém o tratamento e acompanhamento psicológico são imprescindíveis para uma melhora positiva no ânimo e produtividade do mesmo.

Medo do fracasso

Isso pode ser explicado facilmente com a tradição Sul Asiática, onde os pais criam seus filhos exigindo atitudes perfeccionistas.

Esta cobrança extrema acaba levando crianças e adolescentes a acreditarem que cometer erros é considerado um “defeito”. Ou seja, o medo inerente do fracasso leva o indivíduo a evitar o trabalho ou qualquer outra atividade.

Em vez disso, pessoas com medo de falhar acham que é mais seguro não possuir objetivos do que tê-los, tentar alcançá-los e fracassar.

Baixa autoestima

Pessoas com baixa autoestima tendem a acreditar que não são capazes de ter sucesso, e praticam auto sabotagem com frequência.

Perdem prazos, procrastinam, assumem múltiplas responsabilidades sabendo que não é possível realizá-las, ou dedicam o mínimo de esforço em ambas, para que assim, quando o projeto ou tarefa não for executado com perfeição, exista uma desculpa para tal – “estava envolvido em outras coisas”.

Desviar a responsabilidade pessoal por seus erros ajuda a preservar um delicado senso de si que acompanha a baixa autoestima.

Procrastinação

A procrastinação ocorre por uma variedade de motivos, incluindo sobrecarga, depressão, ansiedade ou medo de falhar, entre outros. Quando a procrastinação se torna um hábito, a motivação para perseguir os objetivos se extingue.

Estresse

O estresse esgota uma quantidade significativa da nossa capacidade cognitiva e emocional. Algumas pessoas lidam com o estresse evitando compromissos, ajudando a incutir o desânimo em seu próprio psicológico. A falta de sono devido ao estresse também pode afetar o ânimo.

Como lidar com o desânimo

Os Psicólogos

Conheça a equipe de psicólogos do nosso consultório. Confira o perfil e área de atuação de cada profissional.

A EQUIPE DE PSICÓLOGOS

Atividades físicas, pausas frequentes para relaxar e manter a alimentação e o sono em ordem ajudam a melhorar o humor, a ansiedade e o estresse. Ao aliviar estes sintomas, sentir ânimo novamente fica muito mais fácil.

Se você se encontra incapaz de identificar o motivo do desânimo, ou sente que está sendo prejudicado demais no seu dia a dia, considere buscar ajuda de um psicólogo que possa lhe ajudar a encontrar a raiz do problema, bem como prover as ferramentas necessárias para combatê-lo por meio da psicoterapia.

Quem leu esse texto também se interessou por:

  • Você sabia que a atividade física combate a depressão?

    Você sabia que a atividade física combate a depressão
    Fazer atividade física combate a depressão e favorece a saúde e o bem-estar de quem o pratica, consultório da psicóloga localizado em São Paulo, Berrini
  • Bipolaridade ou oscilação de humor?

    Bipolaridade ou oscilação de humor e psicologia
    A Bipolaridade vem sendo detectada com mais frequência nos últimos anos. Porém, nem toda troca de humor repentina leva a um quadro de bipolaridade. 
  • O que é o desespero?

    O que é o desespero - Psicologia
    Desespero é uma experiência humana comum. Todos nós já sentimos desespero durante períodos difíceis em nossas vidas. Saiba a hora de procurar ajuda de um profissional

*Os textos do site são informativos e não substituem atendimentos realizados por profissionais.

Autor: Thaiana F. Brotto

CRP 06/106524 – São Paulo

FORMAÇÃO

Graduação em Psicologia pela PUC-PR em 2008. Pós-graduação em Terapia Comportamental pela USP. E pós-graduanda em Terapia Cognitiva Comportamental pelo ITC