Newsletter Gratuita
Assine Aqui

7 dicas para enfrentar o medo

Categoria dos serviços do psicólogo: pânico, medo, fobia
7 dicas para enfrentar o medo

O medo existe diante de perigo iminentes e que muitas vezes nos impede de avançar. Aqui vão algumas dicas de como enfrentar o medo.

Sentir medo é natural e humano e não há formas de eliminá-lo. Isso por que ele tem como função nos alertar e proteger do perigo. Ele também pode ser definido como a sensação mais instintiva do ser humano.

No entanto, o medo, ao longo do tempo pode se transformar em fobias e até doença. Mesmo assim, ele pode servir como uma peça importante para o nosso próprio crescimento pessoal.

Mas, o que é o Medo?

Apesar dele estar presente em todos os animais, para nós humanos, ainda pode ser pensado como um tabu social. Ele já foi considerado, por muitos povos, como o mal a ser vencido.

Nos dias de hoje o medo ainda é visto como algo relacionado a fobias, terror, pânico, doença, covardia, fraqueza etc.

Por que será que, mesmo sendo um acompanhante tão antigo do ser humano, ainda é difícil compreendê-lo ou controlá-lo? Vejamos como podemos enfrentar o medo.

O medo está presente em muitas situações, que vão desde dizer a verdade perante uma pessoa até enfrentar situações desagradáveis e arriscadas. E ele também construído socialmente conforme a cultura da comunidade em que o indivíduo está inserido.

Valor Consulta Psicóloga Cristiane






Não quero informar nome ou e-mail





No nível pessoal e psicológico, o medo pode se tornar uma relevante ferramenta de autoconhecimento e da compreensão de nossos limites

Para a maioria dos psicólogos, ele é um referencial do nosso ponto de partida para movimentos em escala evolutiva de nossa personalidade. Por isso, também é importante saber enfrentá-lo.

Existem diversos tipos de medo, aqueles que são racionais (consciência do risco), irracionais (sensação de insegurança), e as consideradas fobias – quando a mente estabelece o que seria “pensamento automático”.

Como enfrentar o medo?

Como função do instinto de sobrevivência, o medo ajudou a manter o ser humano vivo durante milhares de anos e por razão disso, foi o responsável por adaptá-lo às mais terríveis condições na natureza.

Desta forma, o ser humano, por meio de seu repertório de experiências, conseguiu agregar estágios de desenvolvimento.

É importante reconhecer quais são as verdadeiras circunstâncias e momentos em que o medo se instala, e também como proceder nessas situações. Prepare-se para desafiá-lo.

O medo, em estágios não crônicos — como aqueles da fobia — pode ser suprimido por meio do conhecimento e da prudência.

Enfrentar o medo simplesmente seguindo um roteiro de recomendações não é nada fácil. Falas do tipo “tenha coragem”, na “cara e sem vergonha” são posturas que desconsideram padrões subjetivos de cada personalidade.

Portanto, o autoconhecimento e a terapia são grandes aliados no controle do medo. Além disso, confira algumas dicas que ajudarão você a controlar e enfrentar o medo de forma racional e cautelosa.

Dica 1. Faça autoanálise

A reflexão sobre nossos sentimentos que nos causam o medo é a primeira atitude que devemos ter. É necessário ter uma análise profunda e meditativa sobre os aspectos mais íntimos de nossa consciência.

Também é importante realizar uma observação atenta de nossos obstáculos mentais e emocionais. Sem isso, será impossível chegar a esta exploração interior. Um psicólogo é um excelente condutor para esse autoconhecimento profundo ao enfrentar o medo.

>>>Leia também: Autoconhecimento

Dica 2. Escolha consciente

Os Psicólogos

Conheça a equipe de psicólogos do nosso consultório. Confira o perfil e área de atuação de cada profissional.

A EQUIPE DE PSICÓLOGOS

No momento em que o medo se aproxima, tente criar alternativas e escolhas para a situação. Observe como a sensação de medo traz consigo memórias do passado e tente desatá-las mentalmente.

Uma boa dica é usar a abstração, ou seja, sair da posição de enfrentamento para a de observador. Enxergando a situação que causa ansiedade sob outra perspectiva reduz o medo.

Dica 3. Conhecendo o inimigo

O medo deve ser exposto aos poucos em relação ao objeto que causa temor, desde que atenda às fronteiras de si e do outro.

Como forma de realizar isso, observe ativamente como outras pessoas lidam com esse objeto em especial e descreva o método. Estude o objeto com clareza e não antecipe percepções.

Dica 4. Silencie a mente

A prática meditativa é uma forma conhecida de autoconhecimento. O medo faz com que a pessoa entre num estado de ruído mental e confusão psicológica.

Nesta condição os pensamentos são condicionados diretamente para o fortalecimento da sensação de ansiedade e pavor. E isso gera um diálogo interno intenso, obstruindo a clareza e a objetividade do indivíduo.

Inclusive esse é um dos principais motivos por que as pessoas podem se bloquear e demorar a agir em situações de pânico ao enfrentar o medo. Aprenda a silenciar a mente de forma consciente e cotidiana.

A meditação fortalecerá a mente e o ajudará a enfrentar bem até as situações difíceis da rotina.

Dica 5. Tenha autocontrole

Medos e fobias também tem relação direta com a ansiedade. Ela é o que dificulta o controle sobre a razão e as emoções, abrindo espaço para um emaranhado de sentimentos e pensamentos caóticos negativos.

A opção por métodos que buscam a serenidade, como controle respiração, exercícios físicos e meditação são excelentes indicações para manter a saúde da mente.

Procure exercitar esse controle em momentos em que não há crise de medo. Com isso, no momento em que ela se instaurar, terá maior facilidade em administrar a tensão.

Dica 6. Compartilhe seu medo

Como Escolher seu Psicólogo

Nesse guia completo você vai conhecer tudo sobre psicólogos e psicoterapia. A escolha do psicólogo certo para você envolve diversos fatores. Descubra aqui.

COMO ESCOLHER O SEU PSICÓLOGO

Compartilhar seu medo não é criar peso em outras pessoas com seus problemas. É trocar experiências construtivas sobre suas fobias e tensões. Isso facilitará, de certa forma, um desbloqueio emocional e os ruídos mentais. Preste atenção nas reações das pessoas quando comentar.

Externalizar emoções ajuda a aliviar grandes cargas emocionais. Procure familiares e amigos próximos, com quem possa falar abertamente de como enfrentar o medo.

Grupos de apoio podem ser outra excelente maneira de compartilhar, já que além de aliviar a tensão, é possível aprender com a experiência de pessoas que passaram pela mesma situação.

Dica 7. Procure um especialista

Não hesite em procurar um profissional, seja o seu medo crônico ou simples. Isso por que seu medo geralmente é associado a algo mais profundo, e um profissional poderá ajudá-lo a explorar isso. E não importa o tamanho e a complexidade do medo: ele pode ser tratado com a ajuda do psicólogo.

Como vimos, enfrentar o medo é algo benéfico desde que não assuma o controle de nossas vidas. Ele é natural e instintivo.

O problema está em como a pessoa lida com ele. Comece a prestar atenção e aprenda a preparar-se para enfrentá-lo. Descubra como o medo pode, ao contrário do que parece, ser uma ferramenta benéfica para o seu desenvolvimento pessoal.

Compartilhar essa ideia, falando de seus sentimentos de como enfrentar o medo e aprecie o auxílio de um profissional da área!

Quem leu esse texto também se interessou por:

  • Como lidar com um ataque de pânico em público

    Como lidar com um ataque de pânico em público
    Ataque de pânico em público pode ser bastante desagradável. Saiba como lidar com essa situação de acordo com os psicólogos
  • Como desenvolver a habilidade de falar em público

    Como desenvolver a habilidade de falar em público
    Como desenvolver a habilidade de falar em público ? Falar em público é uma situação que faz parte das nossas vidas, principalmente em momentos profissionais
  • Medo da Morte

    Medo da Morte
    Medo da morte é mais comum do que se imagina. O medo pode ser muito útil para a sobrevivência, mas em excesso pode consumir com a vida pessoal e social da pessoa

*Os textos do site são informativos e não substituem atendimentos realizados por profissionais.

Autor: Thaiana F. Brotto

CRP 06/106524 – São Paulo

FORMAÇÃO

Graduação em Psicologia pela PUC-PR em 2008. Pós-graduação em Terapia Comportamental pela USP. E pós-graduanda em Terapia Cognitiva Comportamental pelo ITC