Newsletter Gratuita
Assine Aqui

Mudar os filhos de escola: como conversar com eles sobre isso

Mudar os filhos de escola

Mudanças causam insegurança para todos. Imagine, então, para o universo mais limitado da criança, o que significa uma mudança de escola.

Pode não parecer, mas este é o tipo de alteração na rotina dos filhos que deve ser cercada de muita atenção e cuidados por parte dos pais, alertam os psicólogos.

Deve se pensar bem sobre como agir e como abordar o assunto de forma que a novidade não cause frustração, medo e insegurança e nem atrapalhe no desempenho dos pequenos quanto ao aprendizado.

E se você perceber que, mesmo com tudo isso, seu filho apresenta dificuldade para acostumar com a mudança, peça ajuda a um psicólogo.

Os primeiros laços que as crianças criam são com seus familiares: pais, irmãos, avós, tios, primos e outros. Logo depois, dependendo da idade que passam a frequentar a escola, começa a formação dos laços que vão além da família.

Surge um estreito relacionamento com professores, atendentes, coleguinhas, enfim, se inicia uma nova convivência. É esta situação que sofre uma interrupção quando é necessário mudar a criança de escola.

Isso ocorre, muitas vezes, devido ao lado financeiro, à troca de endereço residencial para outro bairro ou até o fechamento de um ciclo na vida da criança, como o início do ensino fundamental.

Não importa o motivo, os pais precisam saber o que fazer para que os filhos encarem esta mudança. Eles precisam dar todo o apoio, estimulando e motivando a criança a administrar o fato novo com curiosidade e expectativas positivas.

Dicas de como preparar seus filhos para lidar de forma positiva com a mudança de escola

Como Escolher seu Psicólogo

Nesse guia completo você vai conhecer tudo sobre psicólogos e psicoterapia. A escolha do psicólogo certo para você envolve diversos fatores. Descubra aqui.

COMO ESCOLHER O SEU PSICÓLOGO
  1. Seja transparente com seu filho. Não esconda o fato e conte com antecedência as razões da mudança de escola de forma clara e objetiva, usando a linguagem apropriada para a faixa etária dele.
  2. Durante a conversa, saliente que as mudanças fazem parte da vida e que elas sempre trazem coisas boas e outras nem tanto. Descreva, em detalhes, o lado positivo da história. Por exemplo, supondo que a mudança é por causa do endereço, mostre que para ficar na escola atual ele tem que ficar x tempo na van escolar ou no carro da mamãe, e que, com a mudança, vai passar a ir a pé, sobrando muito mais tempo para as brincadeiras em casa.
  3. Cite como certo o aspecto positivo de que a criança vai fazer novos amigos, ter outras experiências, frequentar um parquinho diferente e fazer novas atividades. Mostre que, com tudo isso, ele vai ficar ainda mais esperto e cheio de amizades.
  4. Se a escola nova for maior que a atual, explique que o colégio grande tem mais pessoas e uma liberdade maior, inclusive para as brincadeiras. Se for o contrário e seu filho for para uma escola menor, diga que será mais fácil se relacionar com professores e amigos, que vão estar todos mais perto e que ele vai se sentir em casa.
  5. Demonstre que você está confiante com a escola nova que escolheu. Diga que você já foi conhecer o novo espaço e sabe que é um lugar muito bom, com pessoas boas e que vão gostar muito do novo aluno(a).
  6. Esclareça que ele não vai precisar cortar definitivamente os laços de carinho que estabeleceu na escola anterior. Só vai ser diferente a quantidade de vezes que ele vai encontrar e conviver com os antigos professores e coleguinhas.
  7. Se a criança for pequena – até seis anos -, para que se adapte melhor com o novo local, novas regras, horários, rotinas, professores e colegas, deixe que ela frequente a nova escola por menos horas nos primeiros dias.
  8. Mantenha a calma nas conversas sobre este tema. Passe segurança e não deixe de responder a todas as perguntas.
  9. Se criança não reagir bem, chorar muito, se irritar e disser que não vai pra nova escola, tenha paciência.
  10. Se você perceber que ela está tendo pesadelos de noite, perda de apetite ou febre, procure a terapia infantil.

Quem leu esse texto também se interessou por:

  • Decidi adotar uma criança. O que fazer agora

    Decidi adotar uma criança. O que fazer agora
    Decidi adotar uma criança, o que fazer agora ? A decisão sobre adotar uma criança deve estar sempre acompanhada de um planejamento familiar sólido.
  • Como falar para os meus pais que preciso de terapia?

    Como falar para os pais que preciso de terapia
    Se você está lutando com uma questão pessoal, pode não saber como abordar a necessidade que sente de fazer terapia com seus pais. Saiba o que considerar. 
  • Alienação Parental

    Alienação Parental
    Você sabe o que é alienação parental? O termo significa manipulação de sentimentos e comportamentos dos filhos por parte de um dos genitores ou responsáveis pela criança ou adolescente, na tentativa de que eles tenham uma opinião contra a outra parte envolvida.

*Os textos do site são informativos e não substituem atendimentos realizados por profissionais.

Autor: Thaiana F. Brotto

CRP 06/106524 – São Paulo

FORMAÇÃO

Graduação em Psicologia pela PUC-PR em 2008. Pós-graduação em Terapia Comportamental pela USP. E pós-graduanda em Terapia Cognitiva Comportamental pelo ITC