Por que querer agradar todo mundo?

Categoria dos serviços do psicólogo: ajuda emocional
Por que querer agradar todo mundo

Agradar aos outros não é um defeito, pelo contrário, indivíduos que gostam de agradar tendem a se tornar queridos pelas pessoas à sua volta. O agrado traz retorno, seja pela felicidade do outro, seja pela satisfação pessoal de fazer o bem. O problema, porém, é quando esse ato não é espontâneo e se torna uma obrigação. Nesse momento, talvez seja a hora de procurar um psicólogo para entender porque existe a necessidade extrema de agradar a todo o mundo.

O ato de dizer não deve ser natural, mas nem todo mundo consegue. Há quem fuja de conflitos e prefere abdicar de si pelos outros pensando se tratar de algo em curto prazo. Porém, esse comportamento frequente pode virar uma bola de neve. Com medo de se tornar indelicada, essa pessoa abrem mão de si para satisfazer os outros sem medir as consequências.

O fato de agradar aos outros também pode ser uma forma de se sentir aceito em um grupo, algo que a pessoa acredita que não conseguiria se agisse conforme a sua personalidade. Há ainda aqueles que agradam esperando sempre algo em troca e, quando não ocorre, se frustram e ficam ressentidos.

Se você estiver procurando psicólogo em São Paulo, para buscar ajuda emocional, então conheça os psicólogos que prestam serviços de psicologia no nosso consultório, veja o valor das sessões e agende sua consulta aqui mesmo pelo site.

Agradar aos outros sem estar se agradando pode ser prejudicial para as emoções do indivíduo e algo que deveria ser prazeroso se torna um peso. Pessoas com necessidade de agradar podem se tornar inseguras, depressivas, ansiosas, ter baixa autoestima e não terem condições de decidir por si, precisando sempre da opinião do outro.

Às vezes é preciso fazer o que não se gosta em benefício do grupo, mas ninguém deve se tornar escravo desse comportamento. Veja quando agradar todo mundo pode se tornar prejudicial:

Agradar a todos pode se tornar um problema quando

  • Sempre se espera algo em troca;
  • Não há retorno e há frustração;
  • Acredita-se que é necessário agradar para ser aceito;
  • Deixa-se de lado as vontades e desejos próprios;
  • Não se consegue mais identificar o que se gosta;
  • Os gostos são baseados nos de outra pessoa;
  • Fica-se impossibilitado de dizer não;
  • Consegue-se dizer não, mas tenta-se sempre justificar (inclusive mentindo);
  • Há necessidade de ser visto como alguém bom e legal;
  • Sem perceber, os outros abusam dessa pessoa;
  • A pessoa se culpa por tudo de errado que acontece;
  • A pessoa sente-se imprescindível e insubstituível naquele meio;
  • A pessoa considera o amor e a entrega sacrifícios normais;
  • A pessoa apresenta sinais de baixa autoestima, ansiedade, estresse e outros problemas emocionais.

O que leva uma pessoa a querer sempre agradar aos outros?

Irracionalmente temos a necessidade de sermos aceitos e amados. O renovado psicólogo americano Albert Ellis, criador da terapia racional emotiva, determinou onze crenças irracionais comuns. Uma delas é: “Preciso do amor e da aprovação de todos os que me rodeiam” ou “preciso ser amado e ter a aprovação de todas as pessoas importantes que me rodeiam”.

Esta crença é comum, em diferentes graus, em todo o ser humano. Racionalmente sabemos que agradar a todos é impossível e que isso não nos torna piores. Quando a pessoa não identifica isso, abre mão de suas necessidades – uma das poucas formas de conseguir agradar ao máximo o outro (sem garantia de sucesso).

Identificar a origem dessa conduta no indivíduo é um dos primeiros passos para melhorar esse aspecto. Outro ponto é analisar o que a pessoa está fazendo para que isso a impossibilite de mudar.

Em geral, o indivíduo que está sofrendo com a necessidade de agradar não consegue identificar onde está o erro. Por essa razão é preciso buscar ajuda profissional. Um psicólogo comportamental pode auxiliar na busca pela resolução desses conflitos.

Outros textos que podem lhe interessar

Autora: Thaiana Brotto (Psicóloga CRP 06/106524)

*Os textos do site são informativos e não substituem atendimentos realizados por profissionais.