Newsletter Gratuita
Assine Aqui

Como funcionam o sigilo e a confidencialidade na terapia com um psicólogo?

Categoria dos serviços do psicólogo: psicoterapia
Como funcionam o sigilo e a confidencialidade na terapia com um psicólogo

Quando decidimos iniciar uma terapia, algumas perguntas podem surgir em assuntos que envolvem sigilo e confidencialidade.

É muito importante que o paciente converse com o psicólogo sobre essas questões para, assim, se sentir seguro e poder falar abertamente sobre seus problemas, permitindo que a terapia seja mais eficaz.

Será que as coisas que eu falo em terapia ficarão em segredo?

Quer receber mais conteúdos como esse?

Deixe seu e-mail abaixo e receba semanalmente conteúdos gratuitos
Politica de Privacidade
Não se preocupe, não fazemos spam.

O código de ética da Psicologia é muito claro nas questões de confiabilidade e elas são muito respeitadas pelos profissionais.

Na relação que se estabelece entre o terapeuta e o paciente, o sigilo é essencial, justamente por possibilitar que o paciente converse sobre sua intimidade na certeza de ser respeitado e protegido quanto à confidencialidade.

O psicólogo compreende que, para o paciente se sentir confortável ao revelar algo privado, ele precisa da garantia de um lugar seguro para falar sobre o que quiser, sem medo de que a conversa saia daquele contexto.

A este profissional, cabe a responsabilidade de transmitir essa segurança.

O que diz o Código de Ética sobre a questão do sigilo?

O Código de Ética Profissional do Psicólogo, apoiado nos valores da Declaração Universal dos Direitos Humanos, afirma que o psicólogo deve pautar suas ações com base em princípios fundamentais, como respeito e promoção da integridade, da liberdade e da igualdade do ser humano. Ainda segundo este documento, o psicólogo deve trabalhar:

  • Pautando-se na ética;
  • Garantindo uma relação adequada entre profissional, cliente e sociedade;
  • Tendo em vista a promoção da saúde e da qualidade de vida das pessoas e das coletividades;
  • Contribuindo para a eliminação de quaisquer formas de exploração, discriminação, negligência, opressão, violência e crueldade.

Em seus artigos 6º, 9º e 10º, o Código cita que o sigilo profissional tem por intuito proteger a pessoa atendida, e, para o psicólogo, significa manter sob proteção os fatos e as informações descobertas por meio da relação profissional.

Todo psicólogo, em seu exercício profissional, está, portanto, obrigado ao sigilo.

Porém, se houver a necessidade de transmitir informações a respeito do atendimento para outros profissionais, em relatórios ou audiências judiciais para cônjuges e até mesmo para os pais, o psicólogo ajudará oferecendo apenas as informações necessárias para a tomada de decisão que afete o paciente.

Sobre as terapias infantis e juvenis

Quer receber mais conteúdos como esse?

Deixe seu e-mail abaixo e receba semanalmente conteúdos gratuitos
Politica de Privacidade
Não se preocupe, não fazemos spam.

No caso da terapia para crianças, adolescentes e pacientes bem jovens, o psicólogo deverá se preocupar na criação de um bom vínculo com o paciente para que ele se sinta confortável ao falar de seus sentimentos e, também, ter o cuidado de respeitar a privacidade.

Frequentemente, nas primeiras sessões da terapia, a criança, os pais e o psicólogo se sentam juntos para conversar sobre as regras básicas de privacidade.

Assim, pais e filhos saberão quais as informações que o psicólogo poderá, ou não, compartilhar. É comum que os pais concordem em ser informados apenas se sua criança estiver envolvida em atividades de risco.

Quando o psicólogo pode compartilhar informações sem o consentimento do paciente?

Os Psicólogos

Conheça a equipe de psicólogos do nosso consultório. Confira o perfil e área de atuação de cada profissional.

A EQUIPE DE PSICÓLOGOS

Em casos específicos, o psicólogo pode optar pela quebra de sigilo e compartilhar informações sem a concordância por escrito do paciente. Porém, é importante lembrar que essa quebra de sigilo é um direito, não um dever. Veja alguns exemplos de situações este tipo:

  • Quando há suspeita de risco à vida do paciente ou de terceiros.
  • Quando há violência doméstica em curso, negligência ou abuso de incapazes.
  • Quando o psicólogo recebe uma ordem judicial, por exemplo, se a saúde mental do paciente for questionada nos processos judiciais.

Quem leu esse texto também se interessou por:

  • Psicoeducação

    Psicoeducação
    A psicoeducação é ferramenta ou procedimento usado pelo psicólogo com a função de simplificar a queixa do paciente. O psicólogo demonstra ao paciente a sua patologia em todo o contexto
  • Como funciona uma consulta com um psicólogo

    Como funciona uma consulta com um psicólogo
    Como funciona uma consulta com psicólogo? Confira todos os detalhes de como atua um psicólogo. Consultório localizado em São Paulo
  • Preocupação Excessiva

    Preocupação Excessiva
    No dia a dia é comum sentir-se preocupado quando percebemos alguma ameaça real para a nossa segurança e bem-estar ou de algum ente querido.

*Os textos do site são informativos e não substituem atendimentos realizados por profissionais.

Autor: Thaiana F. Brotto

CRP 06/106524 – São Paulo

FORMAÇÃO

Graduação em Psicologia pela PUC-PR em 2008. Pós-graduação em Terapia Comportamental pela USP. E pós-graduanda em Terapia Cognitiva Comportamental pelo ITC