Relacionamento abusivo

Categoria dos serviços do psicólogo: terapia de casal, relacionamentos, casamento
Relacionamento Abusivo

O relacionamento abusivo está muito presente em nossa sociedade. Você pode estar envolvido em um, ou ainda ter amigos e parentes nesta situação. Mas afinal, o que é e como ajudar uma vítima de relacionamento abusivo? E como um psicólogo pode ajudar nesta situação?

Este tipo de ligação é definido por relações de poder. Basicamente, as pessoas que se vinculam a esse tipo de relação convivem e mantém uma suposta afinidade. Ao mesmo tempo, vivem uma condição de poder e submissão perante a outra.

Entendem, desta forma, que seus cônjuges detêm o direito de controle e dominação sobre si mesmas. Segundo psicólogos, há casos em que o abusador insistirá que tal comportamento é “normal”. Com isso, o abusador naturaliza a ideia de que subjugar outra pessoa será para o seu próprio “bem”.

O convencimento desta naturalização não é apenas por parte do abusador, é da vítima e, muitas vezes, também das pessoas que a cercam. Neste texto, veremos como um relacionamento abusivo pode ser percebido, quais são suas consequências, como auxiliar a vítima e como um psicólogo pode ajudar.

Se você estiver procurando psicólogo em São Paulo para terapia de casal, então conheça os psicólogos que prestam serviços de psicologia no nosso consultório, veja o valor das sessões e agende sua consulta aqui mesmo pelo site.

Como uma vítima de relacionamento abusivo se enxerga na relação?

Provavelmente você conhece ou já conheceu alguém que passou por uma relação abusiva. Relações de poder são inerentes às estruturas sociais baseadas na dominação e violência de gênero. Qualquer pessoa poderá ser violenta ou abusada independente da sua orientação sexual, cor ou classe social.

A vítima de relacionamento abusivo é o ponto mais sensível para interromper tais relacionamentos. Isso por que ela é isolada e culpabilizada pela situação, seja por amigos e familiares ou seja por si mesma. Acabar com a culpa que a pessoa sente é essencial para que ela se liberte desta ligação nociva.

>>>Leia também: Ciúme – o que é e quando procurar ajuda?

Por isso, para ajudar (e se ajudar), é preciso entender como uma vítima de relacionamento abusivo se enxerga. Compreendendo as situações em que ela se encontra, a forma como ela pensa e reage, poderemos de fato ajudá-la.

Confira como pensa uma vítima de relacionamento abusivo.

Medo e Desconfiança

Esses sentimentos se estabelecem quando a pessoa percebe a relação de abuso. Ela passa a desconfiar de si mesma e da sua própria sanidade, manifestando medo. A incerteza e a preocupação de que ela não será levada a sério por outras pessoas, até mesmo próximas a ela é outra razão para a desconfiança.

Se for ameaçada pelo cônjuge, ou por amigos e familiares, a vítima de relacionamento abusivo dificilmente buscará ajuda, ou ainda tentará sair desta situação, dificultando seu empoderamento.

Naturalização

O fator cultural exerce influência considerável em ambos. Seguindo códigos sociais estabelecidos, o abuso passa a ser visto como normal, já que o ambiente externo reproduz constantemente essas situações. Essa naturalização ocorre devido a romantização de comportamentos negativos, como ciúme excessivo e disputa de poder dentro do relacionamento.

Vergonha e Medo da exposição

É muito difícil revelar o que acontece na vida privada principalmente por medo de julgamentos externos. E a situação piora quando a vítima de relacionamento abusivo é do mesmo sexo que o cônjuge, devido ao preconceito social. A exposição gera um enorme desconforto psicológico em autorreconhecer e admitir que se está sendo abusada.

Às vezes, esse sentimento reforça a culpa que a vítima de relacionamento abusivo sente, aumentando ainda mais a dependência e a ligação com o relacionamento abusivo.

Dependência

As relações abusivas também são baseadas na questão econômica, dependência emocional (ausência de família ou gravidez), por razões de doença ou incapacidade. A vítima é tomada por um sentimento de impotência que tende a aumentar se não houver uma intervenção.

Baixa autoestima

Culpar-se ou ser culpada durante um relacionamento abusivo não apenas é comum, como também é uma das maiores causas por manter a vítima cada vez mais ligada ao abusador (a). A permanência na relação se dá pela esperança de que um dia possa terminar o abuso mediante uma mudança de seu próprio comportamento. Isso é resultado da destruição da autoestima de quem sofre o abuso. A pessoa se sente responsável pela violência que sofre por ter uma autoestima muito baixa, tornando-a vulnerável.

De que forma reconhecer um relacionamento abusivo?

A maioria das pessoas, normalmente quando tomam conhecimento de algum caso de violência de casal, tem como primeira atitude julgar com preconceito a situação, e em muitos casos responsabilizar a vítima. Além disso, muitas romantizações de atitudes nocivas (ciúmes em excesso, não dividir tarefas domésticas, o controle sobre a forma que o outro se veste etc.), acabam prejudicando o reconhecimento do relacionamento abusivo.

Outra grande dificuldade é que a sociedade apenas admite uma relação de violência quando esta se evidencia por meios de conflitos físicos. A violência psicológica é tão grave quanto a física. No entanto, ela é ignorada e muitas vezes vista como sinal de “fraqueza” da vítima de relacionamento abusivo, dificultando o reconhecimento.

Os sinais mais comuns para reconhecer o comportamento de uma pessoa agressora são: reações violentas de ciúme, chantagens emocionais, manipulação psicológica, amarras, possessividade e controle, comportamento agressivo, violência sexual, desvalorização, desrespeito com outras pessoas, joguinhos de poder e, evidentemente, casos de agressões físicas.

Resultados de um relacionamento abusivo

O contínuo abuso emocional e psicológico de uma relação baseada no controle e submissão, gera traumas sérios. A vítima pode desenvolver problemas de autoestima, depressão, isolamento, fobia, problemas de saúde graves, entre outros.

Além disso, a violência doméstica pode gerar problemas físicos graves, com sequelas e até mesmo morte. Os filhos também são impactados, podendo trazer consequências para o resto da vida deles. Eles também podem sofrer violência física e psicológica por parte do abusador (a).

Como um psicólogo pode ajudar nessa situação?

É muito complexo realizar intervenção em um relacionamento abusivo. Isso por que é muito difícil que a vítima consiga se reconhecer em um. A culpa e o medo são os principais motivos para essa percepção distorcida da realidade. E se o reconhecimento da relação tóxica é difícil, a libertação dela torna-se quase impossível.

É muito importante o profissional ter acesso aos detalhes para ajudar as vítimas e assim poder atuar conforme for necessário. Em um relacionamento abusivo, a vítima será assistida para restabelecer o caminho para consertar a sua autoestima.

Romper a sequência do processo fará com que a vítima possa libertar-se das amarras condicionantes de seu estado emocional, podendo reconstruir novamente seus laços sociais e retomar o curso natural. Como um quadro altamente delicado, a ajuda de um psicólogo é essencial para a superação deste trauma.

Se você gostou deste texto, pode se interessar por este também: Meu relacionamento não vai bem

Outros textos que podem lhe interessar

Autora: Thaiana Brotto (Psicóloga CRP 06/106524)

*Os textos do site são informativos e não substituem atendimentos realizados por profissionais.