Emagrecer: por que é tão difícil?

Porque é tão difícil emagrecer

A questão do emagrecimento é um assunto muito comentado atualmente. Todas as semanas vemos nos sites de variedades, blogs, capas de revistas e programas de TV uma nova dieta, um novo regime que alguma celebridade usou e simplesmente “secou” em poucas semanas.

São tantas as informações, muitas vezes divergentes, que acabam por enlouquecer qualquer pessoa que quer emagrecer e não está conseguindo isso de maneira tão fácil, tão rápida, tão simples.

O processo de emagrecimento realmente não é tão simples assim. Na realidade ele envolve muitas variáveis, que na maior parte das vezes não são comentadas e esclarecidas, porém as mesmas, tem influencia direta no resultado final.

Sabemos que cada pessoa possui uma constituição física, mental, emocional e psicológica única, portanto levar essas características pessoais em consideração ao se iniciar um processo de emagrecimento é muito importante.

O que se vê com frequência hoje são pessoas que querem emagrecer e se esforçam para isso, fazem exercícios físicos, controlam sua alimentação através de dietas, monitoram seu peso regularmente, em alguns casos tomam medicações, enfim, modificam sua rotina para conquistar seu objetivo e após algum tempo se veem frustradas e desanimadas porque não alcançaram o que queriam. E a cada nova tentativa que não dá certo o sentimento de fracasso se acentua, pensamentos como “eu não vou conseguir”, “todo mundo emagrece menos eu”, “é muito difícil, não quero fazer dieta” invadem suas cabeças tornando cada novo começo mais complicado.

Como as emoções e forma de pensar afetam o processo de emagrecer?

Imagine que quando queremos emagrecer é normal que questionamentos como: “Será que vou conseguir?”, “Quanto tempo vai levar?” entre outros apareçam. Quando começamos a nos questionar e duvidar da nossa capacidade isso causa ansiedade, e quando ficamos ansiosos parece que sentimos mais fome, mais vontade de comer, como se isso trouxesse um alívio, uma compensação. Outros tipos de emoções e pensamentos também podem levar uma pessoa a comer ou romper uma dieta, como por exemplo: “Tive um dia difícil, mereço comer esse doce” ou “Hoje estou triste, quero um chocolate”. Neste caso as emoções envolvidas podem ser: tristeza, desânimo, que em seguida serão acompanhados de culpa, frustração por ter comido.

Esses exemplos nos mostram como o ato de comer embora pareça completamente mecânico ou impulsivo é sempre acompanhado de pensamentos e emoções que reforçam essa maneira de agir.

Fazer terapia pode ajudar!

Lidar com as emoções e sentimentos envolvidos no processo de emagrecimento e com a maneira como a pessoa pensa, percebe e interpreta esse processo é tarefa da Psicologia. O trabalho terapêutico realizado pelo psicólogo(a) ajuda na compreensão dessas variáveis que em muitos casos não são levadas em consideração durante o processo de emagrecimento.

Identificar de forma correta como nos sentimos, percebemos as situações e como isso afeta nosso comportamento, aprendendo a lidar com isso de maneira produtiva e permanente, certamente contribui para o alcance de um resultado positivo.

A Terapia Cognitivo-Comportamental é utilizada no tratamento dos mais variados tipos de problemas consequentes de diversas áreas da vida. Ela está bastante alinhada com as necessidades das pessoas que buscam emagrecer, auxiliando tanto na resolução de problemas práticos e emocionais, como também na aquisição de novas habilidades comportamentais e cognitivas, mais adaptativas e eficazes. Deste modo, procurar a ajuda de um terapeuta para apoiar e auxiliar o processo de emagrecimento pode ser um passo importante para o seu bem estar.

Autora: Andrea Ferreira (Psicóloga CRP 06/113065)

*Os textos do site são informativos e não substituem atendimentos realizados por profissionais.