Insegurança para tirar habilitação

Categoria dos serviços do psicólogo: pânico, medo, fobia
Insegurança para tirar habilitação

Você já ouviu falar em amaxofobia? A palavra diz respeito ao medo extremo de conduzir um veículo e é uma condição real que afeta algumas pessoas, podendo causar problemas na rotina de quem sofre com ela.

É claro que nem sempre o medo de dirigir é considerado uma fobia. Às vezes, é um medo racional derivado da insegurança e da consciência de quanta responsabilidade há em dirigir, tanto para sua própria segurança quanto para a dos outros. Mas em um mundo em que em muitos lugares dirigir é uma atividade importante do dia a dia, este medo e inseguranças podem se tornar um grande incômodo.

Mas como resolver essa angústia e superar esse problema?

Medo ou insegurança?

O primeiro passo é diferenciar o medo da insegurança: uma pessoa com medo costuma tentar evitar dirigir a qualquer custo, optar por transporte público ou carona, mesmo que inconveniente, e ter reações intensas caso se posicione no volante: suor, tremores e pulso acelerado. Nestes casos, mesmo que a pessoa tenha habilitação, ela dificilmente vai conseguir tirar o carro da garagem. O medo é tanto que qualquer alternativa parece mais aceitável.

Se você estiver procurando psicólogo em São Paulo, para questões de pânico, medo ou fobia, então conheça os psicólogos que prestam serviços de psicologia no nosso consultório, veja o valor das sessões e agende sua consulta aqui mesmo pelo site.

Uma das causas mais comuns para esta fobia é o trauma de um acidente. Se a pessoa perdeu alguém querido em um acidente de carro ou ela mesma vivenciou um, é possível que sofra de estresse pós-traumático, o que influencia diretamente no seu medo. Nesse caso, a ajuda de um psicólogo é a melhor maneira de resolver o problema. Porém, mesmo que a pessoa não tenha passado por uma experiência traumática, a mera consciência de que esta é uma possibilidade real enquanto dirige pode bastar para o desenvolvimento de uma fobia.

O problema de quem sofre com insegurança é mais leve. Apesar de se sentir incapaz e ter a confiança muito abalada, a pessoa não deve apresentar emoções tão intensas quando precisar dirigir. Muitas vezes, a insegurança bate logo após a habilitação ter sido obtida, nas primeiras vezes em que chega o momento de tirar o carro da garagem por conta própria. A tendência, nesses casos, é que, se a pessoa tomar coragem para seguir em frente sozinha, ela seja muito mais cautelosa, respeite todos os seus limites e que, aos poucos, vá ganhando confiança.

Como perder o receio de dirigir

1 – Prática

Para quem sofre apenas de insegurança, ainda que seja intensa, a melhor forma de ganhar confiança é através da prática. Começar a praticar acompanhado de alguém de confiança em um lugar calmo é o primeiro passo. Aos poucos, a intensidade pode aumentar conforme o ritmo do motorista for melhorando, até que o problema seja resolvido.

2 – Encare os fatos

Se você já tem a habilitação, é porque um profissional qualificado o julgou apto a dirigir. Aceite isso e comece a colocar tudo o que aprendeu em prática. Caso ainda esteja tentando obter a permissão, lembre-se que este é um momento de aprender, em que os erros são permitidos, dúvidas podem ser tiradas e que há alguém sempre ao seu lado para ajudar quando precisar. Faça quantas aulas puder até que se sinta preparado e mais confiante para seguir em frente.

3 – Procure ajuda profissional

Se mesmo com a prática regular os níveis de insegurança continuam altos, procurar a ajuda de um psicólogo pode ser uma boa forma de lidar com o problema, evitar que ele vire uma fobia ou que fique sem solução por tempo indeterminado.

Além disso, a ajuda de um psicólogo também é a melhor forma de superar traumas do passado. Em casos de estresse pós-traumático oriundos de acidentes, um profissional pode ajudar a superar não apenas o medo de dirigir, mas também dar fechamento e aceitação ao ocorrido, permitindo que a vida siga tranquilamente.

Outros textos que podem lhe interessar

Autora: Thaiana Brotto (Psicóloga CRP 06/106524)

*Os textos do site são informativos e não substituem atendimentos realizados por profissionais.