Praticando o desapego

Categoria dos serviços do psicólogo: ajuda emocional
Praticando o desapego

Uma frase só se torna clichê por contar muitas vezes uma verdade.

Por isso, pode soar batido dizer que é fundamental praticar o desapego para levar uma vida mais leve, mas é algo que qualquer vertente da psicologia concorda por saber que o excesso de apego, tanto a coisas quanto a pessoas ou até mesmo memórias, pode trazer um desconforto desnecessário.

Veja, no artigo, o porquê desapegar é essencial para uma vida mais tranquila.

Praticando o desapego para uma vida mais tranquila

Primeiramente, é preciso lembrar que desapego e indiferença são conceitos bastante distintos que não devem ser confundidos. Desapego é saber dar importância ao que realmente vale a pena, sem focar excessivamente no que é dispensável. Já a indiferença é uma falta de interesse que beira o descaso e a desconsideração.

O excesso de apego nos faz dar importância demasiada a situações que geram estresse e que, muitas vezes, estão fora do nosso controle. Prender-se em excesso a alguma ideia nos faz perder o foco dos objetivos e tentar controlar partes do caminho que precisam seguir seu rumo naturalmente.

Se você estiver procurando psicólogo em São Paulo, para buscar ajuda emocional, então conheça os psicólogos que prestam serviços de psicologia no nosso consultório, veja o valor das sessões e agende sua consulta aqui mesmo pelo site.

O apego excessivo a uma pessoa com a qual não nos relacionamos mais, a uma memória que não pode ser revivida e a objetos que representaram algo na vida de alguém é mais comum do que imaginamos e gera estagnação e desesperança. É só aceitando que a vida é feita de mudanças, que pessoas seguem rumos diferentes, que o futuro reserva grandiosidades que é possível enfrentar cada situação com tranquilidade e coragem.

Desapego saudável é livrar-se de emoções, pensamentos e energias subjetivas que nos tiram a calma e nos impedem de observar o que acontece a nossa volta. Assim, é possível dar espaço para a compaixão, a aceitação e a paz.

Como praticar o desapego

Mais difícil para algumas pessoas do que para outras, o desapego é, mesmo, uma prática, e que deve ser cultivada todos os dias até virar rotina.

1 – Preste atenção aos seus pensamentos e sentimentos, perceba o que te tira a paz e identifique em que áreas você precisa progredir. O autoconhecimento é essencial para uma mente tranquila e uma vida plena.

2 – Lembre de quanto é importante se manter calmo e do quanto não vale a pena se estressar com pequenas coisas do dia a dia que não vão afetar sua rotina.

3 – Pense antes de agir. Quando sentir uma vontade impulsiva de fazer algo que seja despertado pelo sentimento de apego, pare e respire antes de qualquer ação. O autocontrole e o raciocínio vão ajudar a medir a necessidade de cada um dos seus esforços.

4 – Procure ajuda de um psicólogo capacitado se sentir que o excesso de apego atrapalha a sua rotina. Não importa se ele é relacionado a uma pessoa, família, amigos ou coisas. Um psicólogo pode ajudar a desenvolver o autocontrole emocional, identificar a raiz do problema e mostrar como é possível viver uma vida mais tranquila. O processo pode não ser fácil, mas é essencial para que você siga em frente sem se preocupar excessivamente com o passado, que está fora do controle.

Quem leu esse texto também se interessou por:

  • É possível desenvolver a inteligência?

    É possível desenvolver a inteligência?
    É possível desenvolver a inteligência segundo os psicólogos, mas não há somente um tipo de inteligência, mas sim, oito delas: interpessoal, corporal, linguística, lógica, naturalista, intrapessoal, espacial e musical.
  • Mães Narcisistas

    Mães Narcisistas
    Nesse artigo você entenderá as características de mãe narcisista e de pessoas narcisistas e também saberá o que pode ser feito.
  • 7 sinais de manipulação emocional

    Sinais de manipulação emocional
    A manipulação emocional pode ser difícil de identificar, mas o estrago que ela causa em nossas vidas é bem visível. Confira os principais sinais apontados pela psicóloga

Autora: Thaiana Brotto (Psicóloga CRP 06/106524)

*Os textos do site são informativos e não substituem atendimentos realizados por profissionais.