Newsletter Gratuita
Assine Aqui

Praticando o desapego

Categoria dos serviços do psicólogo: ajuda emocional
Praticando o desapego

Uma frase só se torna clichê por contar muitas vezes uma verdade.

Por isso, pode soar batido dizer que é fundamental praticar o desapego para levar uma vida mais leve, mas é algo que qualquer vertente da psicologia concorda por saber que o excesso de apego, tanto a coisas quanto a pessoas ou até mesmo memórias, pode trazer um desconforto desnecessário.

Veja, no artigo, o porquê desapegar é essencial para uma vida mais tranquila.

Praticando o desapego para uma vida mais tranquila

Primeiramente, é preciso lembrar que desapego e indiferença são conceitos bastante distintos que não devem ser confundidos. Desapego é saber dar importância ao que realmente vale a pena, sem focar excessivamente no que é dispensável.

Já a indiferença é uma falta de interesse que beira o descaso e a desconsideração.

O excesso de apego nos faz dar importância demasiada a situações que geram estresse e que, muitas vezes, estão fora do nosso controle. Prender-se em excesso a alguma ideia nos faz perder o foco dos objetivos e tentar controlar partes do caminho que precisam seguir seu rumo naturalmente.

O apego excessivo a uma pessoa com a qual não nos relacionamos mais, a uma memória que não pode ser revivida e a objetos que representaram algo na vida de alguém é mais comum do que imaginamos e gera estagnação e desesperança.

Valor Consulta Psicóloga Bárbara






Não quero informar nome ou e-mail





É só aceitando que a vida é feita de mudanças, que pessoas seguem rumos diferentes, que o futuro reserva grandiosidades que é possível enfrentar cada situação com tranquilidade e coragem.

Desapego saudável é livrar-se de emoções, pensamentos e energias subjetivas que nos tiram a calma e nos impedem de observar o que acontece a nossa volta. Assim, é possível dar espaço para a compaixão, a aceitação e a paz.

Como praticar o desapego

Mais difícil para algumas pessoas do que para outras, o desapego é, mesmo, uma prática, e que deve ser cultivada todos os dias até virar rotina.

1 – Preste atenção aos seus pensamentos e sentimentos, perceba o que te tira a paz e identifique em que áreas você precisa progredir. O autoconhecimento é essencial para uma mente tranquila e uma vida plena.

Quer receber mais conteúdos como esse?

Deixe seu e-mail abaixo e receba semanalmente conteúdos gratuitos
Politica de Privacidade
Não se preocupe, não fazemos spam.

2 – Lembre de quanto é importante se manter calmo e do quanto não vale a pena se estressar com pequenas coisas do dia a dia que não vão afetar sua rotina.

3 – Pense antes de agir. Quando sentir uma vontade impulsiva de fazer algo que seja despertado pelo sentimento de apego, pare e respire antes de qualquer ação. O autocontrole e o raciocínio vão ajudar a medir a necessidade de cada um dos seus esforços.

Os Psicólogos

Conheça a equipe de psicólogos do nosso consultório. Confira o perfil e área de atuação de cada profissional.

A EQUIPE DE PSICÓLOGOS

4 – Procure ajuda de um psicólogo capacitado se sentir que o excesso de apego atrapalha a sua rotina. Não importa se ele é relacionado a uma pessoa, família, amigos ou coisas.

Um psicólogo pode ajudar a desenvolver o autocontrole emocional, identificar a raiz do problema e mostrar como é possível viver uma vida mais tranquila, por meio da terapia.

O processo pode não ser fácil, mas é essencial para que você siga em frente sem se preocupar excessivamente com o passado, que está fora do controle.

Quem leu esse texto também se interessou por:

  • Pessoas controladoras: como lidar?

    Pessoas controladoras e Psicologia
    Se você conhece ou é uma pessoa controladora, talvez seja a hora de procurar o auxílio de um psicólogo e entender mais a fundo sua necessidade emocional
  • Superando uma experiência traumática

    Superando uma experiência traumática - Psicologia
    Uma experiência traumática pode ser descoberta seguindo alguns sinais, como explica o psicólogo, localização do consultório em São Paulo, Brooklin
  • Como tomar decisões – 2

    Psicologia - Tomando Decisões
    Tomar decisões pode ser um problema enorme para alguns. Quem tem muita dificuldade em se decidir, pode contar a com a ajuda de um psicólogo.

*Os textos do site são informativos e não substituem atendimentos realizados por profissionais.

Autor: Thaiana F. Brotto

CRP 06/106524 – São Paulo

FORMAÇÃO

Graduação em Psicologia pela PUC-PR em 2008. Pós-graduação em Terapia Comportamental pela USP. E pós-graduanda em Terapia Cognitiva Comportamental pelo ITC