Entendendo a solidão

Categoria dos serviços do psicólogo: terapia cognitivo comportamental, tcc
Entendendo a Solidão

A solidão é um sentimento universal que afeta a todos em algum momento da vida. As causas da solidão são tão variadas quanto sua intensidade e duração, já que se trata de uma condição que pode acometer qualquer pessoa, desde uma criança que se sente sozinha por não se adaptar ao jardim de infância até um idoso saudoso por quem já não está aqui.

Ainda que frequentemente seja uma emoção relacionada ao isolamento ou à falta de companhia, a solidão pode aparecer também quando há outras pessoas à volta, porém com as quais não há uma conexão que torne essas relações significativas. Um exemplo frequente deste caso são os casais em fim de relacionamento, que apesar de estarem juntos, podem se sentir sozinhos. Mais do que uma condição física relacionada ao número de pessoas com quem temos contato, a solidão é um estado mental.

O que causa a solidão?

Apesar de as causas da solidão serem imensamente variadas, existem alguns momentos da vida em que esta condição está mais propensa a acontecer. Um jovem que se muda para uma nova cidade para estudar, um idoso que perdeu sua companhia de toda a vida, um relacionamento que chega ao fim são apenas alguns exemplos.

Se você estiver procurando psicólogo em São Paulo, para atendimento de terapia cognitivo comportamental, então conheça os psicólogos que prestam serviços de psicologia no nosso consultório, veja o valor das sessões e agende sua consulta aqui mesmo pelo site.

No entanto, a solidão pode também ser influenciada pela genética, pelo estilo de vida e pelo isolamento, seja ele intencional ou não. Além disso, essa condição é também fortemente conectada com a depressão: o isolamento causado pela solidão pode desencadear quadros de depressão tanto quanto a ela pode motivar a solidão.

Como superar a solidão

Independentemente da causa, é fato que a solidão afeta – e muito – o bem-estar, a autoestima e a rotina de quem sofre com ela. Os sentimentos de vazio e tristeza são comuns a pessoas que se sentem solitárias e, com eles, dificilmente há motivação para tentar reverter o quadro. Além disso, poucos sabem que atitudes podem ser incorporadas ao dia a dia para lidar com o problema e evitar que ele se agrave. Mas alguns psicólogos aconselham algumas práticas que prometem ajudar a amenizar o sentimento.

Evite o isolamento

Ninguém consegue acabar com a solidão sem acabar também com o isolamento. Por mais desmotivante que seja a ideia de começar a frequentar lugares novos sozinho, é importante manter-se socialmente ativo para conseguir conhecer pessoas e criar laços com aqueles que possuem interesses em comum e vontade de conviver. Inicialmente, a internet pode ser uma ferramenta útil para encontrar grupos, eventos e ocasiões compatíveis com seu perfil.

Procure entender a causa da solidão

Busque analisar os seus sentimentos e o momento da vida em que se encontra. Se perceber que se sente só por falta de companhia ou por falta de pessoas que tenham os mesmos interesses que os seus, uma medida que pode ajudar é expor-se a estes grupos e abrir-se a novas interações sociais dentro deles. Se você se mudou para uma nova cidade e busca formas de conhecer pessoas, inscrever-se em um curso da sua área de interesse pode ser o primeiro passo para superar – ou melhorar – a situação.

No entanto, se os sentimentos não têm causa aparente, são marcados por crises prolongadas de tristeza, isolamento voluntário e falta de motivação, é possível que o quadro esteja ganhando uma proporção diferente que precisa de mais atenção. Neste caso, buscar o apoio de um psicólogo pode ser uma boa forma de encontrar as raízes do problema e formas de lidar com eles, recuperando o ânimo e vivendo uma vida mais satisfatória.

Não tenha medo de buscar apoio psicológico

Às vezes, admitir para si mesmo que sofre com a solidão pode ser difícil, mas é também essencial para reconhecer a origem do sentimento. Procure identificar o momento de buscar apoio de um psicólogo e não tenha medo de aceitar seus sentimentos para então poder aprender a lidar com eles.

Outros textos que podem lhe interessar

Autora: Thaiana Brotto (Psicóloga CRP 06/101416)

*Os textos do site são informativos e não substituem atendimentos realizados por profissionais.