Newsletter Gratuita
Assine Aqui

4 maneiras de parar de se odiar

4 maneiras de parar de se odiar

Em algum momento da nossa vida podemos acabar nos odiando. Leia sobre como parar de se odiar.

Se esta chamada causou algum impacto em você, talvez seja um questionamento que você esteja fazendo a si mesmo. É possível que alguém venha a se odiar? Sim, isso é possível.

A realidade é que existe sim pessoas que têm sua autoestima muito baixa. Neste texto veremos algumas dicas da psicologia de como você pode parar de se odiar e ainda aumentar sua autoestima.

O ódio a si mesmo é um sentimento bem comum hoje em nossa sociedade. Para uma relativa maioria, a expressão “você é seu pior inimigo” contém muita verdade. Trata-se de um problema de autoestima e uma realidade que muito limita a vida das pessoas e seus sentimentos, afirmam os psicólogos.

Mas de onde vêm esses sentimentos e como para parar de se odiar? De que forma esses sentimentos influenciam a mente?

O ódio a si mesmo e o problema da autoestima

Valor Consulta Psicóloga Bárbara






Não quero informar nome ou e-mail





A maioria das pessoas que se odeiam enxergam a si mesmos como diferentes, mas não de uma forma positiva ou especial e sim em um sentido negativo. Mesmo aquelas pessoas que parecem bem ajustadas e de bem consigo podem nutrir sentimentos profundos sobre não se gostar.

É quando dentro de você existe uma voz interior muito crítica, que funciona como se fosse um professor ou colega interno sempre comentando negativamente sobre a sua vida.

Essa voz crítica começa a influenciá-lo na forma como se comporta e como se sente sobre si mesmo.

Aquelas vozes que dizem: “você, quem pensa que é?” ou “você nunca se dará bem na vida!”. Isso significa que mais cedo ou mais tarde você pode se atrapalhar ou não conseguir mais desenvolver suas aptidões porque estará sempre desistindo de si mesmo.

Embora pareça pouco normal enxergar a si com ódio, a verdade é que todas as pessoas possuem esse tipo de filtro crítico. Porém, para alguns, esse filtro entra em um processo de pensamento negativo que começa a se enraizar, e que dificilmente é notado quando surge.

O que você pode fazer para parar de se odiar?

Para se livrar e para de se odiar, existem 4 planos de ação ou etapas que o levarão a começar a desafiar estes padrões de pensamentos. Esses 4 passos para romper com eles e parar de se odiar são os seguintes.

1. Converse consigo

Quer receber mais conteúdos como esse?

Deixe seu e-mail abaixo e receba semanalmente conteúdos gratuitos
Politica de Privacidade
Não se preocupe, não fazemos spam.

Entenda-se primeiro. Reconheça em si quais são as vozes de filtros positivos e de filtros negativos. Como você pode conquistar sua voz interior crítica e parar de se odiar sem reconhecer esses pensamentos negativos?

Reconheça quais são os modelos negativos que você segue sem perceber, como ecos de atitudes negativas e prejudiciais que copiou de seus pais ou pessoas do passado. Perceba como essas vozes estendem seus longos tentáculos e seus efeitos nocivos que o impactam até hoje.

2. Elimine a culpa

Esse “eu me odeio” é uma voz interior crítica, que não deve ser levada para o lado da culpa nem da autopunição. O ódio a si mesmo acaba afetando a sua vida de várias formas negativamente.

Quando se afirma internamente e repetidamente que você é incapaz ou inútil, seu inconsciente irá abraçar essas impressões.

Um passo para a diferenciação de si, envolve abandonar os padrões de defesa e de culpa que você formou em relação à dor que experimentou. Você também pode evitar relacionamentos que abrigam medos, traumas e aspectos de intimidade.

3. Procure exercícios e estilos de vida diferentes

Quando o pensamento negativo se instala, ele começa a ter poder sobre a sua vida. Você pode até começar a projetar tais pensamentos críticos nas outras pessoas, e corre o risco de perceber o mundo através de seu filtro negativo.

É neste momento em que entram os pensamentos de paranoia e obsessão.

Por este motivo, a ajuda de práticas esportivas e atividades que eliminam os pensamentos negativos são uma das melhores formas de evitar essa quantidade de ideias. 

4. Aceite como você é

Quando uma pessoa não se aceita da forma que ela é, pode ter dificuldade em também aceitar outras emoções, como a alegria, o amor, pois se falha em desafiar o seu eu crítico interior. Muitas vezes esta voz é dolorosa, porque também soa familiar, e está enraizada em si desde a infância. 

Para parar de se odiar e com o ciclo obsessivo de pensamentos negativos, isto é, viver livre de limitações imaginárias, você deve aprender a desafiar o seu senso crítico interior.

Com a superação dessa voz interior, que é o primeiro passo em um processo de diferenciação do quem você realmente é, se inicia uma verdadeira quebra dos pensamentos e atitudes destrutivas.

Ao aceitar a si mesmo, com seus erros e falhas, você internaliza novos pensamentos, positivos e mais assertivos sobre si mesmo. Assim, o último passo é descobrir quais são suas próprias crenças, valores e ideais: o você quer viver na sua vida e quais são as suas aspirações para o futuro?

Conduza a si mesmo a parar de se odiar

Como Escolher seu Psicólogo

Nesse guia completo você vai conhecer tudo sobre psicólogos e psicoterapia. A escolha do psicólogo certo para você envolve diversos fatores. Descubra aqui.

COMO ESCOLHER O SEU PSICÓLOGO

Desta forma, quando você se depara com seu eu crítico interior, mas não negativo, você se torna muito mais capaz de conhecer a si mesmo e conduzir sua vida com mais integridade. Poderá tomar ações e decisões que refletem seus verdadeiros desejos, dando um sentido único à sua vida.

No entanto, se você não persistir em desafiar esse inimigo interno, ele se fortalecerá e terá cada vez mais dificuldade em se libertar de seus sentimentos de ódio.

Se você não conseguir se desvencilhar tão facilmente destes padrões, procure a ajuda de um psicólogo. Ele dará as ferramentas necessárias para tomar a decisão certa e a lidar com a situação, por meio da psicoterapia.

Quem leu esse texto também se interessou por:

*Os textos do site são informativos e não substituem atendimentos realizados por profissionais.

Sobre Psicóloga Thaiana F. Brotto

CEO do consultório Psicologo e Terapia. Graduação em Psicologia pela PUC-PR em 2008. Pós-graduação em Terapia Comportamental pela USP. E pós-graduanda em Terapia Cognitiva Comportamental pelo ITC

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *