Newsletter Gratuita
Assine Aqui

Complexo de Inferioridade

Categoria dos serviços do psicólogo: ajuda emocional
Complexo de Inferioridade

A pessoa com complexo de inferioridade sente-se incapaz de resolver problemas ou situações, pois geralmente tem o pensamento de que as pessoas estão olhando sempre pra ela, pensando ou falando algo ruim dela e que tudo conspira ao contrário.

E, pior: sempre tem na mente que é menor e pior que as outras pessoas.

Entender o porquê você é assim, e porque isso acontece com você, é primordial para superação do problema.

As causas do complexo de inferioridade, em sua maioria, surgem na infância e vão se solidificando no decorrer da adolescência e vida adulta, e tudo isso têm como reflexo a maneira como o indivíduo vem lidando com as situações de ‘inferioridade’.

O complexo de inferioridade é algo comum?

Valor Consulta Psicóloga Bárbara






Não quero informar nome ou e-mail





Alguns estudos comprovam que todas as crianças têm um nível de complexo de inferioridade. Isso se deve porque as estas são muito observadoras e têm ansiedade em crescer rápido, ser forte como o pai ou o tio, ser bonita como a mãe ou a irmã mais velha, etc.

Pessoas que, quando crianças, foram muito mimadas ou mesmo rejeitadas pelos pais, tendem a desenvolver a inferioridade.

Outro fator importante quando se tem complexo de inferioridade é observar quem está ao seu lado: os comentários sobre você; se são pessoas que sempre te põe pra baixo e sempre sinalizam suas fraquezas; estas, certamente, não são boas companhias e não te ajudarão a melhorar – você precisa de pessoas que eleve suas qualidades e não os defeitos.

Buscando Ajuda

Quer receber mais conteúdos como esse?

Deixe seu e-mail abaixo e receba semanalmente conteúdos gratuitos
Politica de Privacidade
Não se preocupe, não fazemos spam.

A busca pelo profissional psicólogo que vai te ajudar nem sempre é tão fácil ou tão simples como parece.

Muitas vezes a família e amigos não apoiam, acham que não se deve gastar tempo e dinheiro numa coisa tão “simples”. Também pode ser que você não se identifique, nem consiga se abrir tão facilmente com um desconhecido.

Lance fora todos esses fatores negativos e esteja disposto a receber ajuda. O profissional psicólogo estará hábil a te ouvir e a ajudá-lo nessa questão que só depende de você!

Como o psicólogo pode ajudar?

Os Psicólogos

Conheça a equipe de psicólogos do nosso consultório. Confira o perfil e área de atuação de cada profissional.

A EQUIPE DE PSICÓLOGOS

O papel do psicólogo no tratamento do complexo de inferioridade é ensinar você a alterar sua forma de pensar e, consequentemente, se comportar diante de situações que causam desconforto, fazer com que você interfira nos pensamentos negativos antes que eles se tornem emoções e ações negativas a respeito de você mesmo.

Converse com um psicólogo e entenda como ele poderá ajudar no seu caso, por meio da terapia. Estamos à sua disposição.

Quem leu esse texto também se interessou por:

  • O que é e como identificar a Síndrome do Impostor

    Síndrome do Impostor
    Saiba mais sobre a Síndrome do Impostor e veja como esse distúrbio pode ser identificado e tratado adequadamente
  • Insegurança Emocional

    O que é insegurança emocional?
    A insegurança emocional é um dos principais sintomas de transtornos mentais, como o transtorno de personalidade narcisista e o transtorno de personalidade bordeline, que na maioria dos casos resulta em baixa autoestima
  • Aprendendo a dialogar

    Aprendendo a dialogar
    Você já percebeu que a consulta com o psicólogo normalmente se baseia no diálogo ? Conseguir, de fato, ouvir o ponto de vista do outro, levar tudo o que é dito em consideração, ponderar sobre o assunto e expor as suas ideias com respeito e clareza são qualidades cada vez mais raras de se encontrar atualmente.

*Os textos do site são informativos e não substituem atendimentos realizados por profissionais.

Autor: Thaiana F. Brotto

CRP 06/106524 – São Paulo

FORMAÇÃO

Graduação em Psicologia pela PUC-PR em 2008. Pós-graduação em Terapia Comportamental pela USP. E pós-graduanda em Terapia Cognitiva Comportamental pelo ITC