Qual é o momento de procurar terapia?

Categoria dos serviços do psicólogo: ajuda emocional
Qual é o momento de procurar terapia?

Fazer terapia é para todo mundo, mas como saber o momento de procurar terapia?

Antes de escolher o momento de procurar terapia, é importante saber o por quê de fazê-la. Nem todo mundo sabe da importância dela, a maioria acredita que fazer terapia é apenas para pessoas com “problemas”. Mas, segundo os psicólogos, não é bem assim. Vejamos o por quê…

Muitas vezes, a pessoa não sabe direito como funciona uma terapia, tendo pouca ou nenhuma referência de um tratamento. Mas o fato é que todas as pessoas têm problemas, sejam eles pessoais, internos, externos, em seus relacionamentos, em lidar com os seus sentimentos, em dar respostas, em ser funcional etc. O mundo se torna cada vez mais exigente, e em contrapartida, as pessoas precisam seguir o fluxo daquilo que as obrigam a fazer ou ser.

Se você estiver procurando psicólogo em São Paulo, para buscar ajuda emocional, então conheça os psicólogos que prestam serviços de psicologia no nosso consultório, veja o valor das sessões e agende sua consulta aqui mesmo pelo site.

Por isso, a psicologia e a psicoterapia tornam o olhar para si mesmo, de forma mais pertinente possível, mostrando à ela que existe, além dos afazeres e cobranças, inúmeras possibilidades de lidar com a vida e consigo mesmo. Esta capacidade de auto-observação é garantida mediante o olhar de um profissional da terapia.

Qual é o momento de procurar terapia?

Existem muitos motivos para fazer, mas qual será realmente o momento de procurar terapia? Primeiramente, a terapia não está restrita às pessoas “doentes”. Ela pode ajudar todas as pessoas em qualquer momento de sua vida, seja para superar um divórcio, o luto ou ainda para ajudar a conquistar uma promoção. Hoje os profissionais da saúde falam que a prevenção é a maior preocupação quando o assunto é bem-estar e qualidade de vida.

>>> Veja também: Não estou sabendo lidar com a minha separação: um psicólogo pode me ajudar?

Os momentos de raiva, estresse e preocupação são suficientes no momento de procurar terapia? Depende da avaliação geral e de cada caso. Na verdade, a identificação para a ajuda psicológica será feita através dos sinais que se apresentem na consulta.

1. As emoções se encontram desequilibradas

As emoções “afloradas” demais podem levar a estados de ansiedade, inquietude, euforia extrema, criando quadros imprevisíveis. Elas podem, inclusive, indicar que o indivíduo está passando por uma desordem que precisa ser tratada. Fique atento a esse sinal.

>>> Veja também: Como lidar com dores emocionais.

2. Processos traumáticos

Toda a dor de uma perda, ou de uma separação, ou falência, tende a precipitar a pessoa ao isolamento social, distanciamento de suas obrigações, sendo grandes sinais de alerta. O trauma paralisa a vida das pessoas e pode ser muito prejudicial. Com a terapia é possível ressignificar esses traumas, propiciando uma vida melhor.

>>> Veja também: TEPT – Transtorno de Estresse Pós Traumático.

3. Problemas físicos

Dores de cabeça frequentes e enxaquecas, crises de gastrite ou irritação no estômago, constipação, dores musculares, fadiga, baixa imunidade, são manifestações que podem ter origem psicoemocional. O Transtorno de Ansiedade Generalizado (TAG), por exemplo, pode se manifestar em problemas físicos como baixa imunidade, sudoreses etc. Com o tempo, esses problemas psicossomáticos podem se tornar ainda mais graves, prejudicando o cotidiano da pessoa.

>>> Veja também: Psicossomatização.

4. Abuso de substâncias

Se faz abuso de substâncias para manter-se em constante ritmo ou aliviar é também sinal e momento de procurar terapia. O abuso de substâncias, lícitas ou ilícitas, muitas vezes pode ser encarada como uma “automedicação”, ou seja, o indivíduo busca alívio para alguma desordem que ele já tenha, seja ela psicológica, emocional ou social. Além disso, o abuso de substância pode gerar ainda mais transtornos, o que prejudica seriamente a vida da pessoa e de quem os rodeia.

>>> Veja também: O que é dependência química e como tratá-la.

5. Baixo rendimento nas atividades

Falta de concentração e foco no trabalho, procrastinação em casa, tudo isso pode ser atribuído à transtornos emocionais. A depressão, por exemplo, pode se manifestar como profunda apatia e falta de vontade de fazer atividades que antes o interessava. Com isso, a pessoa perde a produtividade, falta à escola, se isola… Então, caso haja baixo rendimento em suas atividades, fique alerta. Isso pode ser um sintoma.

>>> Veja também: Como ser produtivo mesmo tendo hábitos de procrastinação

6. Falta de vontade e desejo

A desconexão com aquilo que se gosta de fazer, estar em companhia das pessoas queridas, quando a relação social ou o relacionamento íntimo estão esfriando, é também o momento de procurar terapia e saber o que está acontecendo. A apatia pode indicar diversos transtornos que irão se agravar com o tempo.

>>> Veja também: Embotamento afetivo: o que é e como superar?

7. Comportamentos problemáticos

Existem certas compulsões que podem gerar transtornos alimentares, obsessivos, manias e até fobias. Infelizmente, muitas pessoas fazem uso da automedicação, sem diagnóstico, e acabam por intensificar estes transtornos.

>>> Veja também: Psicoterapia ou Medicação

Não é fácil lidar com as próprias emoções, e quando se vive apenas no piloto automático, o risco de se machucar à frente é muito grande. O excesso de emoções e disfunções que são gerados a partir disso fazem as pessoas construírem uma bola de neve. E desordens psicológicas podem afetar até mesmo as pessoas que convivem com ela.

Se conhecer e cultivar o autocontrole é essencial para lidar com os problemas. Assim, o momento de procurar terapia pode ser hoje mesmo! Você está na busca deste processo interior? Permita-se, deixe a terapia ajudar neste processo.

Gostou do texto? Então pode se interessar por esse aqui: Psicólogo e o Crescimento Pessoal e Profissional.

Outros textos que podem lhe interessar

Autor: Thaiana Brotto (Psicóloga CRP 06/106524)
*Os textos do site são informativos e não substituem atendimentos realizados por profissionais.