Como lidar com uma traição?

Categoria dos serviços do psicólogo: terapia de casal, relacionamentos, casamento
Como lidar com uma traição

A descoberta de uma traição é capaz de transformar qualquer relacionamento amoroso, seja namoro ou casamento. A vida do casal pode mudar para melhor ou piorar consideravelmente, mas, com certeza, nunca mais será a mesma. Por isso, é importante não cair em estado de negação e encarar os fatos de frente para conseguir resolver a situação.

Se você ou alguém que você conheça está passando por esse momento tão delicado, este texto poderá ajuda-lo (a).

Tenha calma

Sabemos que não é fácil, mas é possível. Não tome qualquer tipo de decisão drástica após descobrir uma traição, como os flagrantes ou as ligações. Com o máximo de calma possível, junte as evidências e chame o seu parceiro ou parceira para uma conversa particular. Caso ele ou ela negue o fato, apresente as evidências, mostrando que essa conversa não é atoa. Aqui, é importante avaliar se ele (a) continua tentando enganar você mesmo após a descoberta.

Se você estiver procurando psicólogo em São Paulo para terapia de casal, então conheça os psicólogos que prestam serviços de psicologia no nosso consultório, veja o valor das sessões e agende sua consulta aqui mesmo pelo site.

Não se deixe levar pela raiva

Raiva, mágoa ou desejo de vingança são sentimentos comuns após a descoberta de uma traição, mas é importante não se deixar levar por eles – para cada ação ou decisão que tomamos em nossa vida, há uma consequência para ela. Por isso, evite agressões verbais e físicas, tanto com o seu (a) parceiro (a) quanto com a terceira pessoa envolvida na relação. Lembre-se de que é o (a) seu (a) parceiro (a) que tem um compromisso com você e que ele (a) não foi forçado (a) a ter outro relacionamento.

Chore tudo o que precisar chorar

Pode até parecer clichê, mas somente o tempo é capaz de cessar a dor causada por uma traição, assim como as respostas para todas as perguntas. Por isso, respeite o seu momento e chore o quanto precisar chorar. Peça apoio para alguém que você tenha confiança e não saia contando para todo mundo o que aconteceu. Certamente, passar por essa situação na companhia de uma pessoa querida e de confiança será muito mais fácil.

Converse

Quando você se sentir forte o suficiente, é hora de avaliar a situação de forma racional e conversar novamente com o (a) parceiro (a) para decidir o futuro da relação. Nesse momento, algumas perguntas devem ser respondidas: o que contribuiu para a traição? Qual foi a lição que ficou? Seu (a) parceiro (a) foi fraco (a) ou mau caráter? Vale a pena continuar? Você conseguirá confiar nele novamente?

Não alimente a paranoia

Se você chegar à conclusão de que o seu relacionamento merece uma segunda chance, é fundamental perdoar o (a) seu (a) parceiro (a) de verdade e tentar deixar o episódio da traição completamente para trás. Por mais que a sua insegurança seja compreensível, não tente espioná-lo (a), sufocá-lo (a) ou privá-lo (a) de fazer as coisas que ele (a) gosta.

Invista em você

Provavelmente sua autoestima vai sofrer um impacto após a descoberta da traição, mesmo depois da decisão de levar o relacionamento adiante. Ela pode demorar a se recuperar totalmente. Por isso, invista o seu tempo em coisas que fazem bem a você. Pratique atividades físicas, comece um curso novo ou retome amizades antigas – faça leituras que agreguem positivamente em sua vida. O importante é ocupar o corpo e a mente.

Procure ajuda especializada

Não tenha vergonha de admitir que você e seu (a) cônjuge precisam de ajuda para superar o episódio. Procure profissionais especializados nesse assunto, como psicólogos para casais. Lembre-se de que relacionamentos passam pelas mais diversas provações ao longo do tempo e que isso é inevitável, pois são duas pessoas com personalidades, comportamentos e histórias de vida diferentes. O que realmente vai importar depois de tudo isso é a superação nos momentos difíceis com respeito, coragem e dignidade.

Quem leu esse texto também se interessou por:

Outros textos que podem lhe interessar

Autora: Thaiana F. Brotto (Psicóloga 06/106524)

*Os textos do site são informativos e não substituem atendimentos realizados por profissionais.