Relações familiares

Categoria dos serviços do psicólogo: terapia de casal, relacionamentos, casamento

Muitas vezes as relações familiares, mesmo que fundamentadas no amor, podem passar por problemas e conflitos que desgastam todos os envolvidos. São irmãos que brigam, filhos que se desentendem com os pais por divergência de opiniões, casais que não se entendem, enfim, situações que precisam ser contornadas.

Mas como lidar para ter uma relação saudável? É possível desconstruir um cenário de brigas e discussões e criar uma nova relação, mais madura e equilibrada? De que forma um psicólogo pode ajudar? São estes questionamentos que vamos abordar neste post.

Como administrar conflitos?

Quando se constrói uma família, é preciso ter em mente que será necessário ter disposição para abdicar do individual, renunciar a algumas coisas e querer manter um relacionamento saudável e equilibrado com todos os que vamos passar a conviver.

As diferentes opiniões e modos distintos de encarar o mundo são comuns em qualquer relação familiar e, apesar de não serem fáceis de administrar, precisam ser respeitadas.

Determinação para garantir o bem-estar

Se você estiver procurando psicólogo em São Paulo para terapia de casal, então conheça os psicólogos que prestam serviços de psicologia no nosso consultório, veja o valor das sessões e agende sua consulta aqui mesmo pelo site.

Os jovens, por exemplo, vivem uma fase de descoberta e ainda estão afirmando sua personalidade. Por isso, é natural que tenham pontos de vista antagônicos aos dos pais. Faz parte também de toda família certa disputa pelo poder.

Mas tudo isso precisa ser vivenciado com ponderação, calma, maturidade e equilíbrio. É preciso ter determinação em garantir o bem-estar de todos. Às vezes, será necessário mudar certas posturas, ceder em algumas convicções e levar em conta o direito de todos.

Portanto, se os conflitos nas relações familiares são inevitáveis, o que não se pode é desistir de tentar o entendimento entre as partes ou economizar nos gestos de perdão, amor, aceitação, ternura, paciência e afeto.

E quando as pessoas não conseguem, sozinhas, estabelecer um ambiente saudável, harmonioso e seguro? É neste contexto que entra a figura do psicólogo. Hoje são comuns os casos que levam um ou mais membros da família a buscar ajuda especializada para lidar melhor com situações adversas.

Conhecendo-nos melhor, aprendemos a lidar com os conflitos

Quando os problemas familiares chegam no consultório, as pessoas aprendem a lidar melhor com dificuldades de comunicação, falta de afetividade, ausência de compreensão e impossibilidade de aceitar o diferente. Tudo isso ocorre a partir do autoconhecimento. O psicólogo vai ajudar o paciente a se conhecer melhor e, consequentemente, a administrar as relações interpessoais.

Especificamente no caso dos conflitos entre pais e filhos, há responsáveis que não sabem, por exemplo, como repreender os filhos e acabam negando afeto a eles quando algo não vai bem. Esses precisam rever esta atitude, afinal, é possível ser firme e corrigir comportamentos errados sem precisar quebrar as relações afetivas.

Outro aspecto que vem aparecendo muito e pode ser tratado é sobre os pais que, devido à rotina de trabalho extenuante, acabam ficando apenas fisicamente presentes em frente aos filhos, porém emocionalmente distantes. Mudar com urgência esse quadro é fundamental para o estabelecimento de relações harmoniosas.

Cuidado com o que você fala e também como fala

Quando melhora a comunicação, melhoram os relacionamentos. As pessoas precisam se comunicar de forma positiva, clara, afetuosa e transparente. Saber ouvir atentamente sem julgamentos ou conclusões precipitadas também é fundamental.

As orientações, quando necessárias, não devem estar carregadas de pessimismo, medo e desconfiança. O ideal é tentar falar a mesma língua dos demais e cuidar não só daquilo que dizemos, mas de como dizemos.

Honestidade, gentileza, franqueza e sinceridade fazem toda diferença na hora de evitar sentimentos como raiva, tristeza, descontentamento, mágoa e dor, e alcançar, assim, o entendimento e a paz na família.

Quem leu esse texto também se interessou por:

Autora: Thaiana Brotto (Psicóloga CRP 06/106524)

*Os textos do site são informativos e não substituem atendimentos realizados por profissionais.