Newsletter Gratuita
Assine Aqui

Estresse no trânsito

Categoria dos serviços do psicólogo: ansiedade
Estresse no trânsito e psicologia

Com a rotina do dia-a-dia, nada mais “normal” do que vivenciarmos situações desconfortáveis no trânsito. Aquele carro que está andando a dez por hora na frente, aquele outro que o sinal abriu, mas que está digitando no celular e “empacou”, aquele que não dá seta para mudar de faixa… E por aí vai. Não são poucas as situações.

Depois de um dia cansativo, com inúmeras reuniões e pessoas ao seu ouvido, as pilhas de papel em sua mesa que só aumentam e a quantidade de ligações que não cessa – mas, o que fazer?

Quando pega seu carro para ir para casa, ou a caminho do ônibus que você sabe que vai estar lotado, já vem o pensamento: “agora, mais uma maratona”.

Nós sabemos que não é fácil e que às vezes é preciso respirar fundo e contar até 20 para conseguir manter o mínimo de calma e paciência, e que nem sempre é possível. Mas vamos pensar que isso só fará bem a você mesmo, aconselham os psicólogos.

É realmente possível não se estressar no trânsito?

Sim. E é papel do psicólogo ajudar, portanto leia sobre os meios que chamamos de “válvulas de escape”, que você pode recorrer nestes momentos de tensão psicológica.

  • Ligar o som do carro e colocar aquela música que você gosta e que te deixa mais tranquilo naturalmente;
  • Ligar para alguém que você gosta (no viva voz, claro) e bater um papo enquanto enfrenta o trânsito;
  • Descobrir coisas que fazem você se sentir mais tranquilo são formas de encarar essas situações com mais naturalidade.

Mudar o pensamento…

Antes de tudo, é importante entender aquilo que está ao nosso alcance e aquilo que não está. Por exemplo, pegar um trânsito pesado em plena segunda-feira pela manhã, o carro quebrar ou o pneu furar, são coisas que não estão no nosso controle.

Pensar isso pode gerar uma ansiedade menor do que quando você pensa que pode resolver aquilo de forma mais rápida. Ou seja, se o seu carro quebrou, você precisa ligar para o guincho, para o mecânico, para o seguro…

São tantos procedimentos, que ficar ansioso não irá ajudá-lo (a) a resolver o seu problema, a terapia é uma forte aliada nesse processo.

Usar de alguns macetes, como respirar fundo, pensar em coisas que te alegram (como na viagem do final de semana…), ouvir uma música e fazer o que precisa ser feito, por partes e com tranquilidade, certamente irá ajudá-lo (a) a não ter um dia tão pesado.

Ligar para o seu chefe e explicar o que aconteceu, explicar o que você está fazendo para solucionar o problema, mostrar seu interesse em dar satisfações no seu trabalho, são boas técnicas para manter sua calma e, ao mesmo tempo, manter todos os interessados informados sobre o que está acontecendo.

Lembre-se: a pressa é a inimiga da perfeição. Portanto, mantenha a calma e resolva seus problemas com tranquilidade, que tudo se encaixará da melhor forma possível e àqueles que estão ao seu redor sentirão que você é capaz de solucionar problemas de forma sensata e madura.

Quem leu esse texto também se interessou por:

  • Estresse

    Estresse e Psicologia
    Você se sente estressado com frequência ? É importante saber que o estresse é um problema que deve ser levado a sério. Os sintomas, que incluem efeitos físicos e emocionais, podem comprometer a sua qualidade de vida.
  • A Ansiedade e o Pensamento

    Ansiedade e Pensamento
    A ansiedade é um comportamento que pode ser considerado normal, pois ajuda antecipar algo que possa estar acontecendo e não sabe-se o desfecho ou quem sabe até mesmo imaginar uma probabilidade para apoiar mais na segurança de um resultado
  • Como lidar com a gravidez e suas inúmeras emoções

    Como lidar com a gravidez e suas inúmeras emoções
    Saiba como lidar com a gravidez e suas inúmeras emoções. No período de gestação é muito comum que a mulher enfrente inúmeras variações de sentimentos, emoções e reações.

*Os textos do site são informativos e não substituem atendimentos realizados por profissionais.

Autor: Thaiana F. Brotto

CRP 06/106524 – São Paulo

FORMAÇÃO

Graduação em Psicologia pela PUC-PR em 2008. Pós-graduação em Terapia Comportamental pela USP. E pós-graduanda em Terapia Cognitiva Comportamental pelo ITC