Newsletter Gratuita
Assine Aqui

O que fazer quando alguém te ignora?

O que fazer quando alguém te ignora?

A indiferença dói, mas ela nem sempre é acompanhada de más intenções. Em um relacionamento amoroso, o parceiro indiferente magoa o outro. Já a indiferença em uma relação superficial não causa o mesmo desconforto emocional.

Este sentimento está associado a um distanciamento frio. A sua postura do indiferente diz “eu não quero contato com você” ou “eu não me importo”. Para algumas pessoas, ser tratado com indiferença é devastador enquanto outras lidam bem com a noção de ser ignorado. Geralmente, esses indivíduos têm mais autoestima e confiança em si mesmos.

No entanto, quanto mais forte é o vínculo com a pessoa indiferente mais difícil é aceitar a indiferença. Neste post, abordaremos tudo sobre este sentimento e como lidar com ele.

Sinais de indiferença

Valor consulta atendimento online e presencial psicóloga Rosana






Não quero informar nome ou e-mail





A indiferença não acontece somente quando alguém ignora outra pessoa descaradamente. Na verdade, essa é a demonstração de indiferença menos comum. As pessoas tentam ignorar as outras com certa “educação” para tentar minimizar os danos. Sendo assim, a postura indiferente é mais sutil.

Abaixo, veja alguns sinais de que alguém pode estar lhe tratando com indiferença. Eles são válidos para quaisquer tipos de relacionamento. Se você reconhecer alguns dos comportamentos abaixo na pessoa indiferente, não faça conclusões precipitadas. Converse com ela antes de formar uma opinião concreta sobre a sua conduta.

  • Não retornar ligações ou responder mensagens em tempo hábil;
  • Inventar desculpas para evitar interações;
  • Nunca iniciar contato físico;
  • Evitar olhar nos olhos quando vocês estão juntos;
  • Demonstrar desinteresse em falar sobre a relação;
  • Não perguntar sobre a sua vida ou como você está;
  • Não demonstrar interesse em estender conversas;
  • Se mostrar entediado ou desinteressado durante interações;
  • Não fazer esforço para melhorar o relacionamento;
  • Evitar se encontrar pessoalmente;
  • Não demonstrar emoção quando lembrar de momentos bons do passado; e
  • Ignorar as suas tentativas de fazer contato.

Por que as pessoas são indiferentes?

A indiferença normalmente é usada para criar um distanciamento entre duas ou mais pessoas. A pessoa indiferente propositalmente ignora a outra ou deixa de demonstrar emoções acerca de seu comportamento ou personalidade. É comum esse cenário ocorrer em relacionamentos afetivos, após o término, relações familiares e amizades.

Outra justificativa para a indiferença é a timidez excessiva. Na verdade, a pessoa não está ignorando ninguém. Ela não sabe como agir em ocasiões sociais, então esconde a sua verdadeira essência e evita interagir com os outros. Assim, parece ser indiferente, arrogante ou metida.

A indiferença também pode ocorrer quando alguém está sofrendo os sintomas de uma condição psicológica. A depressão, por exemplo, causa uma sensação generalizada de apatia. A pessoa depressiva não tem vontade de fazer nada e perde o interesse em atividades que antes considerava prazerosas. Deste modo, também parece que ela está propositalmente ignorando o mundo.

Quando a depressão ou outra condição é a raiz da indiferença, a pessoa indiferente pode procurar terapia! O acompanhamento psicológico pode ajudá-la a retomar o gosto pela vida e, assim, se livrar da apatia.

Se você sente que está sendo ignorado por alguém, reflita sobre as possíveis explicações para essa conduta, considerando a personalidade e o tipo de relacionamento que você possui com esse indivíduo.

Indiferença nos relacionamentos

A indiferença nos relacionamentos, sejam amorosos ou não, costumam ser a maior causa de sofrimento entre todos os cenários onde a indiferença está presente. Como aceitar a frieza de alguém que uma vez já lhe tratou com tanto carinho e cuidado?

Quando um amigo ou um cônjuge muda drasticamente o seu comportamento, a tendência é se questionar milhares de vezes o que você fez para causar isso. A busca desesperadora por uma causa abala o emocional.

Os Psicólogos

Conheça a equipe de psicólogos do nosso consultório. Confira o perfil e área de atuação de cada profissional.

A EQUIPE DE PSICÓLOGOS

Mesmo assim, as pessoas ignoradas normalmente temem descobrir a verdade por trás da postura de indiferença. Sofrem em silêncio enquanto tentam desvendar o mistério por meio de pistas deixadas pelo outro. Ou reagem com agressividade, incapaz de aceitar o comportamento indiferente.

A convivência, seja diária ou ocasional, com o indivíduo indiferente se torna extremamente desagradável. A pessoa ignorada sente que as atitudes dele não são sinceras porque, no fundo, talvez preferisse estar com outra pessoa ou em outro lugar.

De fato, a indiferença não é a melhor forma de gerenciar um relacionamento.

Se você ou a pessoa indiferente possui queixas sobre a relação, deve sempre buscar o caminho do diálogo aberto e sincero. Por mais que seja difícil falar sobre determinados tópicos, é melhor tentar se acertar com a pessoa diretamente do que tratá-la com frieza. 

O que fazer quando alguém te ignora

Como você reage quando alguém aparentemente está lhe ignorando? Com amargura? Com raiva? Tenta satisfazê-lo? Ignora de volta? Tenta persuadi-lo? Esconde os seus sentimentos? Implora pela atenção da pessoa? Aceita e segue com a sua vida?

A maioria das opções acima resulta em frustração e constrangimento.

Existem, contudo, algumas maneiras de lidar com a indiferença sem sofrer. Algumas delas podem exigir um esforço, especialmente de pessoas ansiosas e inseguras, que necessitam da constante aprovação alheia.

1.    Identifique como você sente

Como você se sente em relação ao tratamento indiferente? Irritado? Magoado? Frustrado? Curioso? Desconfortável? Identifique as suas emoções, preferencialmente nomeando-as para que se tornem claras para você. Em seguida, se pergunte por que você se sente desse jeito.

Esse exercício ajuda você a compreender quais são as suas necessidades emocionais e como elas não estão sendo satisfeitas neste relacionamento.

Ele também o auxilia a tomar decisões que realmente lhe farão bem. Por exemplo, em vez de escolher sofrer em silêncio, você opta por remediar a situação e, se nada funcionar conforme o planejado, cortar relações com a pessoa.

2.    Converse com a pessoa honestamente

O diálogo deveria ser a primeira opção de resolução de conflitos em todos os contextos sociais. Na realidade, no entanto, sabemos que não é sempre assim. Conversar sobre assuntos delicados é desagradável para muitos.

Quer receber mais conteúdos como esse?

Deixe seu e-mail abaixo e receba semanalmente conteúdos gratuitos
Politica de Privacidade
Não se preocupe, não fazemos spam.

Pessoas que não conseguem administrar bem as suas emoções sentem que dialogar não é apropriado. Então, escolhem fingir que nada aconteceu ou responder na mesma moeda.

Embora possa parecer intimidador, tente conversar com o indivíduo indiferente. Expresse os seus sentimentos e preocupações acerca do relacionamento, bem como questione-o sobre como ele se sente.

Você pode sentir raiva ou mágoa durante a conversa, o que pode causar reações intensas. Por essa razão, procure manter a calma e ouvir atentamente o outro, sem levantar a voz ou permitir que questões do passado retornem.

3.    Reflita sobre o que você pode fazer sobre essa relação

Depois de compreender os seus sentimentos e os do outro, reflita sobre as opções disponíveis. Afinal, alguma ação deve ser tomada para fortalecer o relacionamento de novo. Você pode, por exemplo:

  • Modificar costumes e hábitos para melhorar o relacionamento;
  • Fazer terapia de casal;
  • Fazer acordos com a outra pessoa para tornar a relação mais saudável;
  • Entender as necessidades emocionais do outro e tentar satisfazê-las sem colocar as suas próprias necessidades em uma posição desfavorável;
  • Determinar se realmente vale a pena se apegar a esse vínculo afetivo; e
  • Sugerir conversas periódicas para saber se os esforços de ambos surtiram efeito.

4.    Não traga a indiferença para o lado pessoal

Como Escolher seu Psicólogo

Nesse guia completo você vai conhecer tudo sobre psicólogos e psicoterapia. A escolha do psicólogo certo para você envolve diversos fatores. Descubra aqui.

COMO ESCOLHER O SEU PSICÓLOGO

Se alguém está lhe ignorando, não significa que você é a pior pessoa do mundo nem que precisa mudar radicalmente o seu jeito de ser para agradá-la. É impossível agradar todas as pessoas. Você não deve levar a indiferença de alguém para o lado pessoal, tratando-a como uma afronta.

Afinal, você também já deve ter tratado alguém com desinteresse em algum momento da vida devido ao choque de personalidades.

Do mesmo modo, às vezes os relacionamentos devem terminar para que as pessoas investidas nele se sintam bem. Não é uma questão de você ou o outro ser um alguém horrível, mas sim de compatibilidade.

Trabalhe a sua autoestima para que você não dependa da aprovação das outras pessoas. Assim, quando alguém lhe tratar com indiferença, você não ficará com raiva ou magoado.

5.    Gerencie as suas expectativas

Quando elevamos nossas expectativas sobre os outros, esperamos determinados comportamentos. As pessoas, contudo, não são obrigadas a correspondê-las. Cada um é livre para ser, agir, fazer e dizer o que bem deseja.

Essa realidade é válida também para relacionamentos afetivos. Não é porque você compartilha uma ligação especial com o seu cônjuge que ele deve agir conforme as suas expectativas referentes a ele.

Portanto, não espere que as pessoas sempre irão lhe tratar como se fosse o indivíduo mais especial do mundo. Esteja pronto para aceitá-las da maneira como são, não da maneira como você as idealiza

Quem leu esse texto também se interessou por:

*Os textos do site são informativos e não substituem atendimentos realizados por profissionais.

Sobre Thaiana Brotto

Thaiana Brotto é psicólogo e CEO do consultório Psicólogo e Terapia. Graduação em Psicologia pela PUC-PR em 2008. Pós-graduação em Terapia Comportamental pela USP. E pós-graduanda em Terapia Cognitiva Comportamental pelo ITC. Registrada no Conselho Regional de Psicologia pelo número CRP 106524/06.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *