9 coisas que estimulam a ansiedade e podem ser evitadas

Categoria dos serviços do psicólogo: ansiedade
9 coisas que estimulam a ansiedade e podem ser evitadas

A ansiedade tem atrapalhado bastante a vida das pessoas. Um pouco de ansiedade é natural, mas quando em excesso ela pode trazer muitos prejuízos e, por isso, precisa ser controlada. A melhor maneira de evitar a ansiedade em demasia e aprender a lidar com ela é procurar um psicólogo, que certamente vai ajudar muito a mudar este quadro. Mas é importante saber, também, quais os fatores que desencadeiam a ansiedade para poder evitá-los no dia a dia.

1. Cafezinhos ao longo do dia

O café é inimigo de quem sofre com ansiedade. A cafeína estimula a ansiedade e, por isso, o hábito de tomar café várias vezes ao dia deve ser deixado de lado. Uma dica é trocar o café por chás relaxantes, como o de camomila, por exemplo.

2. Alimentos que levam açúcares refinados

A ingestão de açúcar é prejudicial em diversos aspectos e também faz mal aos ansiosos. O açúcar influencia alterações de humor, tanto que passa a sensação de relaxamento num primeiro momento, mas depois causa o efeito oposto, estimulando a ansiedade. O jeito é diminuir o consumo de açúcar dando preferência para o natural presente nas frutas e legumes.

Se você estiver procurando psicólogo em São Paulo, para questões de ansiedade, então conheça os psicólogos que prestam serviços de psicologia no nosso consultório, veja o valor das sessões e agende sua consulta aqui mesmo pelo site.

3. Preocupação em excesso

Difícil evitar, mas é possível, ao menos, reduzir a preocupação exagerada. As pessoas preocupadas em demasia têm uma tendência de se antecipar aos problemas. Ou seja, o fato negativo ainda não aconteceu – pode até nem acontecer – e a pessoa já está preocupada. Isto só prejudica o quadro de ansiedade, trazendo mais desconforto.

4. Vida sedentária

Se você está passando muito tempo sentado e longe das atividades físicas regulares, mude isso rapidamente. O exercício físico ajuda a distrair a mente, o sono, estimula seu sistema imunológico, diminui a tensão muscular e regula os níveis dos neurotransmissores, evitando a ansiedade e depressão.

5. Pensar negativamente

Se você pensa positivamente, é otimista e tem esperanças de que não há problema sem solução, você evita a ansiedade. Os pensamentos estão diretamente ligados às suas emoções. Acione sempre que for possível os positivos, relembre coisas boas que você já viveu, mentalize sentimentos puros, como a gratidão, o amor, o afeto e você vai se sentir diferente em relação à ansiedade.

6. Gorduras saturadas

Os lipídios têm reação similar ao açúcar. Eles também ativam o cérebro, causando mau humor e mais ansiedade. Após a ingestão de alimentos ricos em gorduras saturadas, mais radicais livres são liberados pelo corpo, aumentando a quantidade de cortisol, hormônio ligado ao estresse e à ansiedade.

7. Bebidas alcoólicas

Fuja das bebidas alcoólicas porque elas também causam euforias rápidas e depois desencadeiam a ansiedade. O álcool dificulta a ação do cálcio nos neurônios e nas sinapses nervosas e, então, desregula a liberação de neurotransmissores, podendo desencadear sensações, como a ansiedade, a angústia e a tristeza.

8. Pouco tempo para cuidar da mente

Quando a vida fica resumida ao trabalho e às tarefas do dia a dia, sem tempo para cuidar da mente, o risco da ansiedade aumentar é grande. Procure se distrair com passeios, caminhadas ou ouvindo uma boa música. A prática da meditação ou da yoga também tem se mostrado eficiente para reduzir os níveis de ansiedade.

9. Pouco sono

Noites mal dormidas ou poucas horas de sono impedem o relaxamento completo do corpo e da mente e causam, entre outros problemas, a ansiedade. Se preciso for, tome um banho quente, faça um relaxamento e evite comer três horas antes de deitar. O descanso é fundamental para recarregar as energias necessárias para enfrentar a rotina agitada dos dias de hoje.

Siga estas dicas e avalie se o seu nível de ansiedade. Caso contrário, procure a orientação de um psicólogo a fim de reestabelecer o equilíbrio emocional.

Outros textos que podem lhe interessar

Autora: Thaiana Brotto (Psicóloga CRP 06/106524)

*Os textos do site são informativos e não substituem atendimentos realizados por profissionais.