Conheça oito dicas que vão fortalecer a sua autoestima

Categoria dos serviços do psicólogo: crescimento pessoal, crescimento profissional
Conheça oito dicas que vão fortalecer a sua autoestima

A autoestima é um tema que aparece muito nas sessões de terapia. Trata-se do julgamento, da apreciação e da capacidade de gostarmos de nós próprios.

Antes de se tornar um dos assuntos mais comentados em frente aos psicólogos, a autoestima começa a ser formada ao longo da infância, com base na educação e no tratamento que recebemos dos familiares, amigos e professores.

Quem tem autoconfiança e respeito por si próprio consegue lidar melhor com os desafios da vida e busca sem culpa o direito de ser feliz. Neste texto, vamos dar dicas para fortalecer a autoestima das pessoas que começaram a apresentar alguns sinais de autoconfiança diminuída, desencadeando sentimentos de culpa, vergonha, apatia e medo.

Veja 10 sintomas e comportamentos que alertam para a baixa autoestima

Se você estiver procurando psicólogos em São Paulo, para questões relacionadas a crescimento pessoal ou profissional, então conheça os psicólogos que prestam serviços de psicologia no nosso consultório, veja o valor das sessões e agende sua consulta aqui mesmo pelo site.

  • Faz auto avaliações frequentes perguntando: Por que sou assim?
  • Sente cansaço e estresse constantes diante das atividades normais do cotidiano.
  • Sorri raramente e tem uma visão negativa das pessoas que convive.
  • Prefere ficar sozinho a conhecer novas pessoas. Tem dificuldade em fazer novas amizades.
  • Sente-se incapaz de atingir objetivos anteriormente determinados.
  • Acha que as coisas só dão certo com os outros.
  • Coloca a culpa nos outros pelos próprios erros.
  • Evita fitar os olhos do interlocutor ao conversar.
  • Acha-se o motivo do aborrecimento alheio.
  • Teme o futuro, achando que as coisas ruins vão acontecer.

Dicas para fortalecer a autoestima

Se você se enquadra no perfil descrito acima, procure um psicólogo. Ele vai ajudar você a mudar as suas atitudes e o seu comportamento para vencer a luta contra o nível baixo de autoestima e elevar sua saúde mental.

  • Examine seu passado: ao fazer essa retrospectiva, é possível perceber que alguns erros do passado podem ser corrigidos e outros não. Ao se deparar com o que não pode ser mudado, o melhor a fazer é aceitar a situação, reconhecer os erros e se concentrar apenas no que pode ser melhorado.
  • Nunca diga “eu sou um fracasso” se uma tarefa realizada não saiu perfeita, pois ela poderá ser melhorada no futuro.
  • Procure fazer o que gosta: busque atividades que considere prazerosas, como um esporte ou um curso de música, por exemplo, ou ainda preste serviços comunitários e sinta-se útil e importante. Quando fazemos algo que nos diverte e nos faz sentir mais leves, acabamos alcançando bons resultados, e aí nos sentimos mais fortes para encarar desafios maiores.
  • Foque os aspectos positivos: não fique remoendo as críticas. Ao colocar o foco nos pontos mais positivos, sua percepção sobre a mesma situação muda para melhor.
  • Comente com a família e os amigos as realizações positivas: seu próprio sucesso ajuda a reforçar a autoconfiança e a elevar a autoestima, além de neutralizar os pensamentos de auto depreciação.
  • Faça ginástica e cuide de seu corpo: isso ajuda a ter uma percepção mais positiva de si próprio. A ginástica aumenta a autoestima dos praticantes porque melhora a saúde e a qualidade de vida em geral.
  • Esqueça as comparações: tudo bem admirar as qualidades das outras pessoas e querer copiar as coisas boas, mas nem sempre o caminho escolhido por uma pessoa que a gente curte é o que vai nos fazer felizes. Por isso, o mais importante é saber o que você deseja. Tenha a coragem de decidir seu próprio destino, baseando-se nos seus valores e nas suas vontades. Olhe para dentro de si mesmo.
  • Afaste-se das pessoas que sempre colocam você lá embaixo: se alguém vive inventando apelidos chatos ou coloca você em situações de humilhação, fuja! Prefira ficar ao lado de pessoas que mereçam o seu amor e a sua amizade.

Muitas vezes não assumimos para os outros que nossa autoestima está em baixa. Neste caso, considere procurar a ajuda de um psicólogo.

Quem leu esse texto também se interessou por:

  • Estamos nos comunicando?

    Estamos nos comunicando
    Na Era da Informação, das redes sociais, de aplicativos de mensagens instantâneas nos celulares, há muitos questionamentos sobre o distanciamento das relações mais pessoais e se realmente estamos nos comunicando adequadamente.
  • Sonhos parte 1 – Sonhos

    Sonhos parte 1
    Sonho é uma experiência humana universal que pode ser descrita como um estado de consciência caracterizado por acontecimentos sensoriais, cognitivos e emocionais durante o sono.
  • E-book grátis: Passo a Passo para Planejar a Carreira

Autora: Thaiana Brotto (Psicóloga CRP 06/106524)

*Os textos do site são informativos e não substituem atendimentos realizados por profissionais.