Para psicólogos, ferramentas como testes e questionários auxiliam no processo terapêutico para mensurar a evolução do paciente com sintomas de depressão, ansiedade e estresse. Estes testes podem fornecer informações sobre níveis de instabilidade emocional, além de ajudarem o próprio paciente a entender o que está sentindo.

No entanto, existe um teste específico que mede o grau desses sintomas e emoções e que pode ser aplicado por qualquer pessoa. O teste chama-se DASS-21 (abreviação para Depression, Anxiety and Stress) e possui 21 perguntas (por essa razão o nome) e foi criado por estudantes de Psicologia da Universidade de New South Wales, na Austrália. É um teste de domínio público que pode ter a sua versão original acessada neste site.

O seu objetivo inicial era avaliar o grau e a intensidade dos sintomas da depressão e da ansiedade em indivíduos diagnosticados e não diagnosticados clinicamente, bem como, o grau de estresse de ambos os grupos.

Faça o teste agora!

O teste tem sido amplamente utilizado em pesquisas clínicas e não-clínicas e mostrou obter resultados confiáveis.

No Brasil, o teste foi aplicado em adultos, idosos e adolescentes para investigar a sua confiabilidade. Segundo este estudo, estudantes também responderam ao questionário por serem considerados vulneráveis a questões emocionais como depressão, ansiedade e estresse.

Por que fazer o teste?

O teste DASS-21 foi desenvolvido para definir e compreender o grau dos sintomas de depressão, ansiedade e estresse nos indivíduos, em especial às pessoas que possuem dificuldade em entender ou expressar a maneira como se sentem.

Se nos últimos dias ou meses você tem se sentido angustiado (a), inseguro (a) e/ou sobrecarregado (a), entre outros sintomas, e não entende de onde estão vindo ou o que são esses sentimentos e sensações, o teste auxiliará nessa resposta e ajudará a compreender o que pode estar acontecendo emocionalmente com você.

O teste é feito em escalas, cada uma dessas escalas possui sete itens, divididos em subescalas com itens mais específicos. É necessário responde-lo com clareza para a obtenção de resultados confiáveis. O participante precisará selecionar a intensidade dos sentimentos experienciados na última semana (ou seja, nos sete últimos dias anteriores à realização do teste).

Ele auxilia na compressão do que o indivíduo sente naquele momento e pode indicar, em alguns casos, a necessidade de buscar o auxílio de um psicólogo para dar início a um processo terapêutico.

Posso considerar o teste DASS-21 como um diagnóstico?

O teste DASS-21 NÃO substitui o diagnóstico clínico de um psicólogo ou médico psiquiatra. Ele apenas auxilia nas considerações do que o indivíduo está sentindo e o grau de intensidade dessas emoções e sentimentos. Para determinar qualquer diagnóstico, é imprescindível buscar a ajuda de um profissional capacitado para receber as orientações necessárias.

Instruções

Leia cuidadosamente cada uma das perguntas e responda considerando o que você sentiu apenas nos últimos sete dias (na última semana).

As respostas sempre serão uma das seguintes opções:

  1. Não se aplicou de maneira alguma
  2. Aplicou-se em algum grau ou por pouco tempo
  3. Aplicou-se em um grau considerável ou por uma boa parte de tempo
  4. Aplicou-se em grau elevado ou na maioria do tempo

O teste

01. Achei difícil me acalmar
02. Senti minha boca seca
03. Não consegui vivenciar nenhum sentimento positivo
04. Senti falta de ar em alguns momentos, mesmo sem ter feito nenhum esforço físico
05. Achei difícil ter iniciativa para fazer as coisas
06. Tive a tendência de reagir de forma exagerada às situações
07. Senti tremores (ex. nas mãos)
08. Senti que estava sempre nervoso (a)
09. Preocupei-me com situações em que eu pudesse entrar em pânico e parecesse ridículo (a)
10. Senti que não tinha nada a esperar do futuro
11. Senti-me agitado (a)
12. Achei difícil relaxar
13. Senti-me depressivo (a) e sem ânimo
14. Fui intolerante com as coisas que me impediam de continuar o que eu estava fazendo
15. Senti que ia entrar em pânico
16. Não consegui me entusiasmar com nada
17. Senti que não tinha valor como pessoa
18. Senti que estava um pouco emotivo(a)/sensível demais
19. Sabia que meu coração estava alterado mesmo não tendo feito nenhum esforço físico (ex. aumento da frequência cardíaca, disritmia cardíaca)
20. Senti medo sem motivo
21. Senti que a vida não tinha sentido

Temp result depressao:

Temp result ansiedade:

Temp result estresse:

Temp Qts Respondidas:

Quem leu esse texto também se interessou por:

  • Ansiedade

    Ansiedade Psicólogos
    Psicólogos especialistas em ansiedade. Conheça os psicólogos que tratam ansiedade, leia dezenas de artigos e marque sua consulta pelo site
  • Estresse

    Estresse e Psicologia
    Você se sente estressado com frequência ? É importante saber que o estresse é um problema que deve ser levado a sério. Os sintomas, que incluem efeitos físicos e emocionais, podem comprometer a sua qualidade de vida.
  • Depressão: um guia completo desde os sinais, sintomas até o tratamento

    Depressão Psicólogos
    Psicólogos especialistas em depressão em São Paulo. Conheça os psicólogos que tratam depressão, leia dezenas de artigos e marque sua consulta pelo site
Você é o seu pior algoz?

Como você se trata? Com amor ou com rigidez?

Não é difícil cair na armadilha da falta de amor-próprio e se tornar o seu pior algoz. Embora algumas pessoas tenham tendência natural a isso devido à mentalidade pessimista, todos nós podemos começar a alimentar pensamentos autodestrutivos em algum momento da vida.

Como a tendência é se acostumar com os próprios comportamentos, sejam esses bons ou maus, você pode não ter percebido que é o seu pior inimigo.

Na verdade, você pode querer atribuir o seu mal-estar psicólogo a outras pessoas, a acontecimentos ou qualquer outro elemento externo, sem perceber que a fonte do seu sofrimento é interior.

Continue lendo
Será que você vive em negação?

Quase todo mundo já enfrentou situações desconfortáveis ou traumáticas. Para se proteger contra a sobrecarga de emoções causada por elas, as pessoas fazem de tudo para esquecer memórias e lutar contra sentimentos. É assim que entram em negação.

Esse estado de rejeição da realidade tende a ser reconfortante. É fácil nos aconchegarmos nele e vivermos assim, sem aceitar o presente ou as condições extenuantes do trauma. Entretanto, o confortável nem sempre é o mais correto, especialmente quando o assunto é emoções. 

Continue lendo
Irritado sem motivo? Pode ser um sinal de depressão!

A irritabilidade persegue você?

É verdade que, às vezes, o mundo parece não fazer sentido. As notícias ruins não tem fim, sejam na TV, no trabalho ou proferidas por uma vizinha. Fatores que antes você não dava importância agora o tiram do sério, como o trânsito, a fila para usar o caixa eletrônico, a conversa fiada dos seus colegas de trabalho, e até o alto astral de um desconhecido. Afinal, como alguém consegue ser tão feliz?

Qualquer palavra ou atitude de terceiros, por mais simples que seja, é o suficiente para causar uma explosão de irritação em seu interior. Assim que a raiva passa, no entanto, você se questiona porque reagiu daquela maneira e sente remorso por ter sido grosseiro.

Continue lendo
Depressão na adolescência: como os pais podem ajudar os filhos?

A depressão na adolescência pode deixar os pais imensamente preocupados. Esta fase é caracterizada por um súbito afastamento dos filhos. Em virtude da busca pela individualidade e posição na hierarquia social adolescente, eles evitam tudo que lembre dependência e infantilidade.

Querem mostrar aos outros que são donos de suas vidas e, sobretudo, sentir que estão no comando de suas decisões. Por isso, a partir da puberdade, o comportamento dos filhos passa a ser uma incógnita para os pais ou tutores. Segundo psicólogos, uma mudança radical de atitude é esperada, mas oscilações de humor inconstantes podem indicar alguma condição psicológica.

Continue lendo
10-sintomas-da-depressao-para-se-atentar

Os sintomas da depressão nem sempre são fáceis de identificar. Uma das características da depressão é ser silenciosa. Ela começa como uma mistura constante de tristeza, inquietação e desânimo, tirando as pequenas alegrias do dia a dia. O depressivo desenvolve hábitos nada saudáveis, os quais são percebidos pelas pessoas a sua volta, mas não por ele.

Uma mudança significativa também é notada na fala. Os assuntos são variações de reclamações, comentários desesperançosos e opiniões repletas de pessimismo. É como se a pessoa estivesse em um transe, sem conseguir enxergar a seriedade dos seus comportamentos e palavras.

Continue lendo
Depressão pós parto e psicologia

O parto é um momento muito intenso para qualquer mulher. É nesta hora que ela dá à luz a uma nova vida com quem vai compartilhar muitos momentos até o fim dos seus dias. É no parto que começa o que para muitas mulheres é um grande sonho e uma aventura: a maternidade.

No entanto, no meio desse turbilhão de emoções, combinada com uma variação hormonal intensa, nem sempre a sensação de tornar-se mãe é recebida de forma natural e fácil.

Não raro poucos dias após o nascimento do bebê, a mãe se depara com sintomas de tristeza e desânimo, que caso se instalem permanente e gradativamente, podem se transformar em um quadro de depressão pós-parto. Mas o que você sabe sobre essa condição?

Continue lendo
A depressão em idosos: 5 dicas de como cuidar

A depressão em idosos é um grande problema que acomete a nossa atualidade. Veja dicas de como lidar com ela.

O Brasil é um país cuja população está cada vez mais madura. De acordo com dados do IBGE, em 2060, um em cada quatro brasileiros terá mais de 65 anos. Atualmente a população idosa já soma cerca de 30,2 milhões de pessoas.

Continue lendo
A espiritualidade ajuda na saúde mental

Saiba por quê a espiritualidade ajuda a saúde mental

Para a psicologia, a espiritualidade são fontes inesgotáveis de investigações, produção de artigos, estudos, livros e debates, dedicados a conhecer o impacto clínico destas. O fato é que se percebe que a espiritualidade ajuda na saúde mental. Gostaria de entender mais? Leia o artigo!

Continue lendo
Dicas para um comprador compulsivo economizar dinheiro

Leia o nosso texto e veja como um comprador compulsivo pode melhorar sua vida financeira com algumas pequenas atitudes.

A compulsão por compras, além de fazer a pessoa gastar com o que não necessita e levá-la à ruína financeira, pode afetar outros campos da saúde.

Se você não pode controlar esse impulso de consumo, ou conhece alguém que se assemelha neste quadro clínico, saiba que isso é possível de tratar. Entenda o que é um comprador compulsivo lendo este texto..

Continue lendo